i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Culinária

Vai um crocodilo aí?

Nada de carne de carneiro, frango ou camarão. Principais pedidas para os consumidores locais são pratos feitos de Springbok, antílope da região, e de réptil

  • PorCarlos Eduardo Vicelli e Marcio Reinecken, enviados especiais
  • 03/06/2010 21:04
Garçom do restaurante Lekgutla exibe os pratos de comida exótica da África do Sul: crocodilo e antílope atraem principalmente os clientes locais | Valterci Santos/Gazeta do Povo – enviado especial
Garçom do restaurante Lekgutla exibe os pratos de comida exótica da África do Sul: crocodilo e antílope atraem principalmente os clientes locais| Foto: Valterci Santos/Gazeta do Povo – enviado especial

Curiosidade

Vinho se destaca no país da Copa do Mundo

Da Redação

Se a comida na África do Sul pode ser considerada de certa maneira exótica, o mesmo definitivamente não se diz sobre o vinho do país. A indústria vinícola sul-africana se destaca. O produto é hoje um dos principais na balança de exportação agrícola. São cerca de 4 mil produtores, resultando em mais de 250 mil empregos diretos e indiretos.

As principais uvas da região são chenin, chardonnay, sauvignon blanc, viognier, para vinho branco, e cabernet, merlot, pinotage e shiraz, para vinho tinto.

O turismo nas regiões do vinho também é uma importante fonte de renda para o país-sede da Copa do Mundo. Fazem parte da rota do vinho sul-africano as regiões de Stellenbosch, Drakenstein, Witzenberg, Breede Valley, Breederiver Winelands e outras, principalmente na província de Western Cape. Desta região costeira sudoeste, que se beneficia das frias brisas do Oceano Atlântico, sai a tradição do bom vinho sul-africano.

A culinária sul-africana não é tão exótica quanto a chinesa, por exemplo, mas tem lá suas par­­ticularidades. Um bom me­­didor é a cara de espanto que fazem as duas atendentes do restaurante Lekgutla quando ou­­vem o pedido. Em vez de camarão ensopado, costela de carneiro ou frango grelhado, Medalhão de Spring­­bok, um pequeno antílope, típico da região. De tão famoso, o animal se transformou no apelido do time local de rúgbi, o esporte preferido entre os brancos do país – o futebol é a paixão dos negros.

Os olhos das moças se abrem ainda mais quando são informadas do que devem servir como entrada para o prato principal: Carpaccio de Crocodilo. As refeições são comuns na África do Sul, porém, raramente solicitadas por estrangeiros.

O Lekgutla se especializou nos pratos regionais, apesar de o cardápio não conter o famoso Bobo­­tie, um cozido de carne moí­­da, pão, leite, cebola, castanhas, passas, damascos e curry, prato predileto do ex-presidente Nelson Mandela. E ganha dinheiro com isso.

O ambiente é escuro, inspirado em casas típicas do interior da África do Sul, repleto de palhas e de produtos do artesanato local, como velas e pratos desenhados. Os funcionários pintam parte do rosto com tinta branca, co­­piando a simbologia das tribos indígenas. O conjunto todo chama a atenção de quem passa pe­­la Nelson Mandela Square, um dos locais mais chiques de Johan­­nesburgo. É quase impossível passar desapercebido pelo restaurante, ainda mais na hora do al­­moço.

Refeitos do susto, os garçons se apressam para atender rapidamente o pedido. É preciso juntar a entrada ao prato principal pa­­ra a fotografia. Tudo não leva mais de 30 minutos. Terminado o cerimonial, é hora de degustar. Mo­­ra, que recebeu a incumbência de atender os aventureiros, fica por perto, rondando, como quem diz: "Quero ver comer".

O Carpaccio de Crocodilo, acompanhado de manga, tomate seco e molho pesto, dura muito pouco tempo sobre a mesa. Lembra, em aparência e gosto, o Presunto de Parma. Sai por 72 rands (R$ 18). Já o Medalhão de Springbok não agrada tanto à freguesia. A carne, cujo formato lembra o de uma linguiça, é tenra, sem gordura, mas com um gosto muito forte. É servida com batata cozida ou arroz. Custa o dobro (140 rands – R$ 35).

Pratos limpos, conta paga, é só se despedir das Lekgutla’s girls, ainda incrédulas com o apetite dos forasteiros brasilei­­ros.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.