Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Esportes
  3. Copa
  4. 2014
  5. Desconfiança acompanha novo regime que flexibiliza licitações

Impasse

Desconfiança acompanha novo regime que flexibiliza licitações

Dificuldade de fiscalização de projetos e obras, consequência do RDC, já movimenta os tribunais de conta do país

  • Sandro Gabardo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC) é visto com desconfiança. Criado para flexibilizar as licitações e acelerar as atrasadas obras para o Mundial, o sistema tem tudo para facilitar também os desvios de recursos e dificultar a ação dos órgãos fiscalizadores. Assim, faltando apenas a sanção presidencial para oficializá-la, a novidade já exige movimentação.

“Estamos com o pé atrás em relação à MP [Medida Provisória 527, que cria o RDC]. Há sérias dúvidas sobre como isso vai funcionar.”, explica o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR), Heinz Georg Herwig, presidente da comissão que fiscaliza as obras da Copa no Paraná. “Vai agilizar as obras, com certeza, mas é um prato cheio para dar problemas”, complementa.

A mudança nos processos de contratação levou o TCE-PR a sugerir uma reunião com o Tribunal de Contas da União (TCU) e os outros TCEs para discutir como trabalhar a questão. A expectativa é que esse encontro possa ser realizado em Curitiba ainda em julho.

Na opinião do economista Gil Castello Branco, fundador e secretário-geral da ONG Contas Abertas, “no futuro nós vamos descobrir que o RDC não agradar a ninguém, nem mesmo às construtoras”. Um dos motivos para esse pessimismo advém da necessidade de as empresas encaminharem projetos integrais a custos semelhantes aos que foram orçados sigilosamente pelo governo. Quase uma loteria. Corre-se, porém, o risco de vazamentos de informação beneficiarem determinadas empreiteiras.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE