Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Esportes
  3. Copa
  4. 2014
  5. Vizinho da Granja Comary, Teresópolis FC tenta chamar atenção

Copa 2014

Vizinho da Granja Comary, Teresópolis FC tenta chamar atenção

Clube quase centenário quer aproveitar folga da seleção neste domingo para aparecer. Contraste entre realidade da Terceirona carioca e estrutura da CBF é gritante

  • André Pugliesi e Leonardo Mendes Júnior, enviados especiais
Imagens do treino do Teresópolis FC: clube joga a Série C do Carioca e sonha com a Segundona no ano do centenário |
Imagens do treino do Teresópolis FC: clube joga a Série C do Carioca e sonha com a Segundona no ano do centenário
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Vizinho da Granja Comary, Teresópolis FC tenta chamar atenção

Ronaldinho Gaúcho, Neymar e Alexís dividem o mesmo campo em Teresópolis. O gramado é ralo, barrento, tem montinhos de capim e linhas mal pintadas. O alambrado enferrujado segura as bolas gastas lançadas por chuteiras surradas, mas multicoloridas como dita o mercado, e separa o campo da pequena arquibancada de seis degraus de concreto. O fim do treino, já com o dia escuro, desencadeia uma caminhada preguiçosa até o vestiário e, dali, para o alojamento, ambos acomodados em um prédio de dois andares. Vidros faltando, um forte odor de urina vindo do banheiro e meias penduradas na janela compõem o cenário em que até dez atletas dividem o mesmo quarto.

Veja fotos do treino em Teresópolis

O Estádio Antônio Sava­­tonne, do Teresópolis Futebol Clube, está fisicamente a dois quilômetros da Granja Comary, percorridos por uma só rua de paralelepípedo. Na prática são dois mundos totalmente distintos, cruzados apenas pelo futebol e pela geografia. Coincidência que traz a esperança de reduzir em breve essa distância.

Hoje, às 15 horas, o Tere­­sópolis recebe o Esprof, de Cabo Frio, pela Série C do Estadual do Rio. Mais do que a primeira vitória do clube que ano que vem completa 100 anos e jamais foi campeão, os jogadores esperam chamar a atenção de alguém do mundo da bola que vão ao estádio na tarde de folga da seleção.

“É o jogo da nossa vida. Poderia estar em um time maior, mas vim para o Teresópolis porque a seleção estaria aqui e teria a oportunidade de mostrar meu futebol”, diz o meia Lennon, 23 anos, mineiro de Ipatinga.

Dentuço e com uma touca na cabeça, ele é chamado por todos de Ronaldinho Gaúcho. Diz bater falta como o sósia famoso e garante ter mais potencial para fazer sucesso com as mulheres. “Se ele fosse depender da cara para pegar mulher, não ia dar muito certo. Eu nunca tive dificuldade. E se tivesse o dinheiro dele, pegaria muito mais”, brinca.

Neyvson, de 18 anos, ouve e ri. O cabelo moicano e a combinação entre ousadia e alegria dentro de campo fazem com que o apelido seja inevitável: Neymar. No início da semana, ele foi até a Granja Comary ver o ídolo de perto. Parou no portão. Agora, espera que a direção do clube consiga arrumar um jogo-treino com a seleção.

“É uma vitrine. Ninguém tem olhos para o nosso clube e a seleção estar aqui é uma oportunidade de ouro”, diz ele, baiano de Salvador que guarda com orgulho a lembrança de uma pelada de fim de ano com Dante. Detalhe: no time dos amigos do zagueiro da seleção. “Mas ele nem lembra de mim”, conforma-se.

A defesa brasileira também traz a inspiração para Ale­­xís Mental. Xará do atacante chileno Alexís Sanchez, companheiro de Neymar no Barcelona, o mexicano de 18 anos é fã de Marcelo, lateral-esquerdo como ele. Há pouco mais de um mês o jovem deixou o pai professor, a mãe dona de casa e os dois irmãos em Acapulco.

Não desgruda do telefone celular, com o qual tira foto de tudo e de todos para registrar a passagem pelo Brasil. Mora no clube como os demais e a família lhe envia o equivalente a R$ 200 por mês.

“No México não tive muitas oportunidades. Se você quer ser alguém no futebol, é preciso arriscar para levar o sonho adiante. Não poderia haver lugar melhor para isso do que o Brasil”, diz, com um português recém-aprendido e uma articulação de fazer inveja a Neymar.

Há um ano no Teresópolis, ele passou o segundo semestre de 2013 rodando o país. Montou um elenco jovem, que custa ao clube cerca de R$ 25 mil por mês, entre salários, estrutura e viagens, sempre de ônibus e no dia da partida. Pouco diante dos R$ 15 milhões que a CBF gastou na reforma da Granja Comary.

O jogo contra o Esprof foi garantido no meio da semana, graças a um dos patrocinadores. O Açougue do Barriga desembolsou os R$ 5,5 mil necessários para pagar a taxa de arbitragem e a ambulância do jogo da vida do Teresópolis.

“Largamos tudo para estar aqui. Família, amigos, namorada. A saudade é o mais difícil de suportar, mas essa é a nossa chance”, diz Neyvson, ávido por deixar de ser mais um aspirante a Neymar.

Imagens do treino

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE