Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Técnico Marcelo Oliveira, do Coritiba. | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
Técnico Marcelo Oliveira, do Coritiba.| Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

O Coritiba terá o desfalque de três importantes titulares para a partida contra o Atlético-MG, no próximo domingo (19), às 19 horas, no Independência, pela 36.ª rodada do Campeonato Brasileiro.

>> TABELA: jogos e classificação do Brasileirão - Série A

Na vitória sobre o Flamengo, na última quinta-feira (16), o zagueiro Cleber Reis, o lateral-esquerdo Thiago Carleto e o atacante Rildo levaram o terceiro cartão amarelo e cumprirão a suspensão automática. Para as duas primeiras peças, o técnico Marcelo Oliveira já indicou os substitutos. A dúvida fica no ataque.

“A gente treina muito quem está jogando e dá muito força, orienta muito para que sejam dedicados nos treinamentos, porque em algum momento serão chamados. Esses jogadores devem estar preparados, descansados, para nos ajudar”, analisa Oliveira.

Para a vaga de Carleto, o treinador confirmou a substituição natural por William Matheus. Para substituir Cleber Reis, Márcio será o escolhido. “Vamos pensar no substituto do Rildo para combinar a melhor estratégia para vencer o Atlético-MG”, explica o comandante alviverde que, diante do Flamengo, completou 150 jogos no comando do Coritiba, em duas passagens.

A primeira entre 2011 e 2012 e a segunda em 2017. “É significativo no futebol brasileiro e é motivo de orgulho, honra. Pegamos uma fase muito difícil, perigosa, mas só aceitei vir pra cá pelo respeito e gratidão que tenho. Me sinto muito feliz trabalhando aqui”, celebra o técnico.

Mágoa do Galo?

Oliveira negou que tenha guardado mágoas pela maneira como foi demitido do Atlético-MG, em novembro de 2016. Ele foi dispensado pela diretoria após derrota na primeira partida da final da Copa do Brasil contra o Grêmio, não podendo comandar o time no segundo jogo da decisão.

“Nenhuma mágoa. Eu fiquei surpreso. Demissão de técnico no Brasil é uma festa, uma coisa banal, corriqueira, talvez só a forma como foi. Estando na Libertadores, garantido na final da Copa do Brasil”, avaliou.

“Talvez pudesse ter uma consideração maior, esperar pelo menos outro jogo. Esse ano mesmo com reforços o Atlético-MG não conseguiu. Mas não tenho problema, pelo contrário, tenho muito respeito, um local em que passei muitos anos”, encerra.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]