Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Felipão é o único técnico brasileiro na Copa do Mundo 2014 | Antonio Lacerda/ EFE
Felipão é o único técnico brasileiro na Copa do Mundo 2014| Foto: Antonio Lacerda/ EFE

Justiça

Portugal confirma que Felipão é alvo de uma investigação no país

Agência Estado

Autoridades portuguesas anunciaram ontem que Luiz Felipe Sco­­lari está sendo alvo de uma investigação criminal em Portugal. A informação foi confirmada um dia depois de o jornal holandês Het Financieele Dagblad ter revelado documentos em que o Departamento de Investigação e Ação Penal de Portugal fez um pedido de assistência jurídica para os Estados Unidos para ajudar a apurar o caso envolvendo o técnico da seleção brasileira, que é suspeito de evasão fiscal e lavagem de dinheiro. O treinador teria deixado de declarar 7,4 milhões de euros (R$ 22,4 milhões pelo câmbio atual) entre 2003 e 2008, período em que comandou a seleção portuguesa.

Desde que o Brasil se sagrou bicampeão do mundo em 1962, 16 treinadores brasileiros comandaram outras seleções nas 12 Copas seguintes. Foram nove nas quatro mais recentes. Porém, neste ano, não haverá nenhum nas 31 equipes visitantes. Candidato ao título em casa, o time de Felipão é o único dirigido por brasileiro. Virão até mais técnicos bósnios, colombianos e portugueses.

Nem o fato de o Mundial ser no Brasil ajudou os treinadores locais. E não é o caso de dizer que as federações nacionais tenham privilegiado seus nativos. Será a segunda Copa com mais técnicos estrangeiros.

O recorde é de 2006, quando metade das seleções estava sob chefia de profissionais de outro país. "Os salários no Brasil são atrativos. E seleções pagam menos do que clubes", afirmou René Simões, treinador da Jamaica na Copa de 1998, lembrando que a crise econômica global tornou os times brasileiros mais competitivos.

Os dois técnicos brasileiros mais valorizados, Parreira e Felipão, campeões em 1994 e 2002 respectivamente, e que comandaram outros selecionados, agora trabalham juntos no time da CBF.

Seus antecessores, Dunga e Mano Menezes, recusaram propostas de seleções, mas não revelaram quais.

"Não é qualquer seleção [que atrai], depende de momento, tem a questão da família, de ir a um país desconhecido, sem saber realmente quem são os jogadores de lá", disse Dunga. "O dinheiro vale a pena, mas um trabalho bem feito também".

"Estamos passando por uma entressafra. A seleção tem de estar bem para elevar nossa cotação. O futebol oscila muito", analisou Joel Santana, que dirigiu a África do Sul entre 2008 e 2009. "É coisa de momento. Não temos treinadores brasileiros nas melhores equipes do mundo", avaliou Mano Menezes, do Corinthians. "Nosso futebol interno não está enchendo os olhos", completou René Simões.

As seleções que haviam contratado brasileiros para as Eliminatórias não conseguiram vaga na Copa: como Iraque, com Zico; Timor- Leste, com Antônio Vieira; Haiti, com Edson Tavares; Guiné Equatorial, com Gilson Paulo; e Catar, com Sebastião Lazaroni e Paulo Autuori.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]