Wallyson, 20 anos, é apontado como uma das principais promessas do Nacional | Albari Rosa/Gazeta do Povo
Wallyson, 20 anos, é apontado como uma das principais promessas do Nacional| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

Náutico testa o 3–5–2

Apesar do bom resultado diante do Cruzeiro, o técnico Waldemar Lemos deve mudar o esquema do Náutico para o jogo contra o Atlético. O treinador promove a entrada do zagueiro Gladstone no time titular, na vaga do meio-campista Júnior Carioca. Com isso, passa do 4–4–2 para o 3–5–2. A tendência é que o Timbu entre em campo com os pratas da casa Eduardo Eré, na lateral direita, Wellington, na lateral esquerda, e Dinda, no meio de campo. A novidade na delegação é a presença do meia Aílton, contratado junto ao Central e uma das principais apostas do clube. O Alvirrubro ainda não pode contar com o meia Acosta, recém-contratado junto ao Corinthians. O jogador, ídolo da torcida graças à passagem pelo clube em 2007, está em tratamento médico. O atleta reclamou de um incômodo no tornozelo esquerdo. Por causa de uma fratura na tíbia da mesma perna machucada, o uruguaio não entra em campo há dez meses.

Antes, cinco gols em seis jogos disputados pelo Atlético em 2009. Depois de perder duas chances que significaram eliminação da Copa do Brasil (na derrota por 2 a 0 para o Corinthians, 6/5), o atacante Wallyson não foi mais o mesmo. Realidade que o potiguar, de 20 anos, quer mudar a partir do jogo de hoje, às 16 horas, contra o Náutico, na Arena.

O ‘Possesso’, como ficou conhecido desde quando despontou no ABC, do Rio Grande do Norte, oscilou muito ultimamente. Já são quatro partidas sem marcar e sem repetir o mesmo futebol que o fez virar titular.

Irregularidade considerada normal pela pouca idade do jogador, mas que compromete os resultados de um time extremamente jovem e inconstante. Se não bastassem os erros contra o Timão, vieram também mais dois gols perdidos na estreia do Brasileiro frente ao Vitória (derrota em casa por 2 a 0, 10/5).

Diante do São Paulo, domingo passado, no Morumbi, novamente chances desperdiçadas e prejuízo no marcador. Chegou a hora do garoto reaparecer e justificar os elogios de Vanderlei Luxemburgo, que considera o atleticano um dos candidatos a revelação do Nacional.

"Isso (má fase) já passou. Quem vive de passado é museu", brinca o avante, que ganhou o apoio dos colegas para retomar o bom desempenho.

"Conversei bastante com o Wallyson. Mostrei a ele que já fez gols importantes para a gente, mas que depois disso a cobrança quando não fizesse seria grande", revela o meia Marcinho, o mais experiente do time titular do Furacão. "Esperamos que não ocorra mais. Gols perdidos em jogos importantes fazem muita falta", acrescenta.

Agora é o momento ideal para Wally desencantar. No elenco rubro-negro, além dele e do artilheiro Rafael Moura, só há os ex-juniores Marcelo e Patrick como opções ofensivas. A direção está tentando trazer um avante mais experiente, mas ainda não obteve sucesso nas negociações.

"Dou muita tranquilidade para toda essa garotada. Com a sequência de jogos, tenho certeza de que será um time mais regular", avisa o técnico Geninho, usando o Santos do início da década como exemplo. "Trabalhei no Santos (em 2001) com Léo, Elano, Paulo Almeida, Renato e toda uma meninada. Lá deram tempo para os garotos e na continuidade vieram títulos. Aqui também precisam de tempo", pede.

O treinador deve mudar o esquema de jogo para atacar o Timbu. Mesmo que se recupere de um problema no calcanhar direito, o zagueiro Rhodolfo deve ceder lugar ao meia Wesley, com o Atlético adotando o sistema 4–4–2. Se for necessário, o volante Chico recuará para a defesa retomando o 3–5–2.

Ao vivo

Atlético x Náutico, às 16 horas, no Premiere e no tempo real aqui na Gazeta do Povo Online.

* * * * * *

Em Curitiba

Atlético

Galatto; Raul, Antônio Carlos, Rafael Santos e Márcio Azevedo; Rafael Miranda, Chico, Marcinho e Wesley; Wallyson e Rafael Moura

Técnico: Geninho

Náutico

Eduardo; Gladstone, Vagner, Asprilla; Eduardo Eré, Derley, Johnny, Dinda, Wellington; Carlinhos Bala e Gilmar.

Técnico: Waldemar Lemos

Estádio: Arena da Baixada. Horário: 16 horas. Árbitro: Elmo Resende da Cunha (GO). Auxs.: Cristhian Passos Sorence e Fabrício Vilarinho da Silva (GO)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]