Valdívia representa a cadência na frenética seleção chilena de Jorge Sampaoli. | Stu Forster/Getty Images
Valdívia representa a cadência na frenética seleção chilena de Jorge Sampaoli.| Foto: Stu Forster/Getty Images

O torcedor brasileiro reconhecerá com mais facilidade alguns adversários do que jogadores da própria seleção brasileira na Copa América. Enquanto o time de Dunga tem nomes de pouca história no Brasil como Roberto Firmino, outros países levarão a campo jogadores que já atuaram ou ainda atuam em clubes brasileiros. Selecionamos dez “brasileiros” que vão a campo na Copa América de 2015.

  • DE ARRASCAETA (URUGUAI). O meia uruguaio chegou ao Cruzeiro no início deste ano. Tanto na Raposa como na Celeste ele ainda tenta se firmar.
  • FRICKSON ERAZO (EQUADOR). Destaque do Barcelona de Guayaquil na Libertadores-2013, Erazo chegou ao Brasil primeiro para jogar no Flamengo. Fez poucos jogos e agora defende o Grêmio.
  • EUGENIO MENA (CHILE). Dono da lateral esquerda da seleção chilena, Mena jogou um ano e meio no Santos e está desde janeiro no Cruzeiro.
  • VALENCIA (COLÔMBIA). Conhecido da torcida do Atlético, o volante Edwin Valencia fez carreira no futebol brasileiro. Depois do time paranaense, defendeu o Fluminense e agora está no Santos.
  • MARTÍN SILVA (URUGUAI). Titular do Vasco no acesso de 2014 e no título carioca deste ano, Silva é o reserva imediato de Muslera na Celeste.
  • PAOLO GUERRERO (PERU). O artilheiro que já conquistou a torcida do Corinthians terá, após a Copa América, a missão de também ser ídolo da maior torcida do país, a do Flamengo.
  • JORGE VALDÍVIA (CHILE). Entre contusões, polêmicas, dribles e poucos títulos, El Mago já soma sete anos de Brasil, interrompidos por duas temporadas no mundo árabe. É provável que nem volte ao Palmeiras após a Copa América.
  • VICTOR CÁCERES (PARAGUAI). Desde 2012 no Flamengo, o vigoroso volante de marcação tem sua sequência na Gávea sistematicamente prejudicada por lesões e cartões.
  • CHARLES ARÁNGUIZ (CHILE). Cérebro da Universidad de Chile montada por Jorge Sampaoli (hoje na seleção), Aránguiz transferiu-se para o Inter em 2014. É dado como nome certo no futebol europeu após a Libertadores.
  • PABLO ARMERO (COLÔMBIA). O homem do Armeration foi ídolo no Palmeiras – mais pelo folclore do que pelo futebol. História que tenta melhorar agora no Flamengo.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]