Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Juninho marcou novamente no retorno ao Vasco | Divulgação/Vasco.com.br
Juninho marcou novamente no retorno ao Vasco| Foto: Divulgação/Vasco.com.br

A bola parada é cantada e decantada pelos técnicos de futebol como fator decisivo para se vencer partidas e até mesmo campeonatos. E esse aspecto do jogo costuma ser treinado à exaustão. Mas quando a cobrança é direta e perfeita, não há defesa. A animada partida entre Vasco e Criciúma, neste sábado (27), em São Januário, foi um testamento disso. Dos cinco gols da noite, quatro originaram de faltas. Por fim, vitória cruzmaltina por 3 a 2, pela nona rodada do Campeonato Brasileiro.

Houve um tempo em que o Brasil era pródigo em exímios cobradores de falta. Nos tempos atuais a escassez é grande. Mas o Vasco tem Juninho Pernambucano, uma espécie em extinção, jogador que une a habilidade nata à dedicação. O resultado costuma ser o deste sábado. Um gol e uma assistência na bola parada.

"Tivemos boa postura, lutamos e jogamos bem. Mas tomamos três gols de bola parada e fizemos um. Perdemos aí", destacou o zagueiro Matheus Ferraz.

Com 13 pontos, os cruzmaltinos mantêm a subida na tabela. Chegam à sexta colocação, mas podem perder até quatro lugares ao fechamento da rodada de domingo. O Criciúma, que entrou em campo com os mesmo 10 pontos dos adversários, fica em 12º lugar.

Com nove minutos de bola rolando, mas com ela parada, Juninho Pernambucano colocou o Vasco à frente. Cobrou falta com o veneno habitual, mas Bruno deveria ter feito uma defesa que se exige de um goleiro de primeira divisão. Ao contrário, engoliu um frango vexaminoso.

Com o adversário cabisbaixo, os vascaínos apertaram, mas não conseguiram ampliar. A partir dos 25 minutos, dois ataques seguidos dos catarinenses lhes deram a confiança de que era possível chegar ao empate, e Cassiano perdeu chance evidente, frente a Diogo Silva, que fez a defesa. "Nossos 30 primeiro minutos foram excelentes e nos 15 finais cedemos campo", analisou Juninho.

O segundo tempo foi ainda mais animado. O zagueiro Rafael Vaz, aos 10, cobrou falta com a categoria de um camisa 10 e abriu vantagem, e Juninho, a seu lado, sorriu pela sábia decisão de ceder a vez ao companheiro.

Mas o Criciúma reagiu, e não poderia ser de outra forma. Ivo bateu falta cruzada e fechada, e enganou defensores e goleiro adversários, para diminuir, aos 17. Dez minutos depois, Diogo Silva falhou e Wellington Paulista aproveitou o rebote para empatar.

A igualdade durou menos de dois minutos. E novamente a partir de uma falta o Vasco retomou a vantagem. Juninho cruzou e Edmilson, completamente livre, em falha da zaga e de Bruno, testou para as redes. Os catarinenses não tinham mais cartas na manga e sofreram a quarta derrota como visitante.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]