i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
violência

"Vai precisar morrer alguém para mudar?", cobra Fred sobre violência

Após boa apresentação contra o Sport, atacante pede atitude do poder público contra torcedores violentos

  • Poragência estado
  • 25/08/2014 08:09
Fred comemora gol contra o Sport: atacante foi alvo de ameaças da torcida do Fluminense | Matheus Andrade / Photocamera
Fred comemora gol contra o Sport: atacante foi alvo de ameaças da torcida do Fluminense| Foto: Matheus Andrade / Photocamera

Com uma boa atuação e dois gols marcados na vitória por 4 a 0 sobre o Sport, no último domingo, no Maracanã, Fred deu uma resposta imediata aos torcedores do Fluminense que o perseguiram após a derrota por 1 a 0 para a Chapecoense, na rodada anterior do Campeonato Brasileiro. Indignado com a sequência ruim de atuações do atacante, torcedores de organizadas do clube pressionaram o jogador, que na última quinta chegou a dizer, por meio de uma rede social, que o time poderia fazer uma greve e não entrar em campo no domingo como forma de protesto.

Fred aproveitou o seu bom desempenho e o da própria equipe contra o rival pernambucano para pedir pelo apoio dos torcedores na continuidade do Brasileirão. O atacante agora espera que a equipe engate uma sequência de boas partidas, depois de ter entrado em declínio após a surpreendente derrota por 5 a 2 para o América-RN, em pleno Maracanã, que provocou a inesperada eliminação na Copa do Brasil.

"Tem de ser a hora de uma nova reação. O que a gente tem de fazer é se concentrar para não cometer os mesmos erros. A gente vinha de bons resultados, muitos elogios e um jogo que levamos uma virada incrível aqui trouxe todo tipo de coisa ruim para a gente. Depois daquele jogo, a partir dali foi só para baixo, para baixo, para baixo, e a gente estava tentando buscar essa nova reação. Ganhar com quatro gols dá um ânimo maior e a gente pode chamar novamente o torcedor para o nosso lado", afirmou Fred, para depois voltar a reclamar de atitudes violentas por parte de alguns torcedores do Fluminense.

"O torcedor pode cobrar. Mas ir em aeroporto e… A gente precisa até do apoio de vocês, quebrar carro, agredir jogador, não pode existir mais", completou.

O atacante ainda lembrou que atos violentos cometidos por membros de torcidas organizadas viraram rotina pela própria impunidade, já que a falta de punições mais severas contra este tipo de torcedor colabora para isso.

"Aqui no Fluminense desde 2009 está assim. Aqui no Brasil é moda. Jogador não está bem, vamos dar porrada. Pode pressionar, vem aqui e vaia. Mas dar porrada, quebrar carro, jogar moeda, pedra, não tem como aceitar esse tipo de situação. Tem de acontecer e tem de ter força do MP (Ministério Público), da imprensa. Vai precisar de quê? Morrer um como aconteceu na Argélia? Não é a organizada, são alguns membros. Eles não me respeitam e eu não respeito a atitude deles", ressaltou Fred, assegurando também que "joga tranquilo com pressão".

"Pode ser perigoso para mim (enfrentar a fúria das organizadas)? Pode, mas como vou conviver com isso? Se eles não estão satisfeitos com os gols, estão no direito deles, pagaram ingresso. O clube tirou ingresso, dinheiro deles, porque sou contra isso, briguei mesmo, a diretoria comprou a briga comigo. A gente tem de matar isso pela raiz. Tem de cortar. Aconteceu, corta logo. Eu estou sendo um dos responsáveis porque estou batendo de frente, é uma evolução. Acho que nada é maior do que o clube, nem um jogador, nem um presidente, nem uma diretoria, mas as coisas erradas têm de ser bem claras. Hoje o clube depende desses jogadores e dessa torcida, a gente tem de caminhar juntos. Violência não vou aceitar nunca. Isso afeta o emocional do grupo de uma forma negativa", enfatizou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.