| Infografia/Gazeta do Povo
| Foto: Infografia/Gazeta do Povo

O Coritiba praticamente cumpre tabela nas últimas duas rodadas do Brasileirão. O único objetivo é a busca por uma vaga na Copa Sul-Americana de 2017. Nesta segunda-feira (28) recebe o Vitória e termina a temporada contra a Ponte Preta (4/12), em Campinas. Nos bastidores, o clube trabalha para aparar arestas contratuais, resolver problemas administrativos e acertar o time do próximo ano.

TABELA: Veja como está a classificação da Série A

A Gazeta do Povo levantou sete pontos cruciais para o planejamento do Coxa visando a nova temporada, a começar dia 29 de janeiro, com o início do Campeonato Paranaense.

Técnico

Definida na última quinta-feira (24), a permanência do técnico Paulo César Carpegiani mostra o caminho que o clube pretende seguir em 2017. O experiente treinador, que substituiu Pachequinho no início de agosto, salvou o clube do rebaixamento no Brasileiro com duas rodada de antecedência, além chegar às quartas de final da Sul-Americana, campanha inédita para o time do Alto da Glória.

Em 24 jogos, foram nove vitórias, oito empates e sete derrotas (48,6% de aproveitamento). Nesse período, o time ganhou padrão de jogo e chegou a fazer atuações empolgantes. O maior desafio para a próxima temporada será a gestão do elenco, já que o estilo de Carpegiani é considerado antiquado pelos boleiros.

LEIA MAIS: Chapecoense vai decidir a Sul-Americana no Couto Pereira

Elenco

A reformulação do elenco começa imediatamente e terá participação efetiva de Carpegiani, o que é positivo. As polêmicas saídas de Raphael Veiga e Luccas Claro são certas, assim com a sequência de Kléber Gladiador e de Juan como grandes lideranças técnicas do grupo. Com menos dinheiro do que a maioria dos adversários na Série A, fazer contratações certeiras pode ser o diferencial entre o sucesso e o fracasso no campeonato. Por isso, o momento é de encontrar mais Iagos do que Ortegas.

Plano de sócios

Antônio More/Gazeta do Povo

A dificuldade para angariar sócios e manter o quadro não é exclusividade do Coritiba, mas o assunto certamente é estratégico dentro do clube. Com aproximadamente 17 mil sócios atualmente, o Alviverde registra uma baixa renda líquida por jogo. Na Série A, o valor é de R$ 98 mil. No ano todo, o número cai assustadoramente para R$ -324 mil. Aumentar a receita de associados é essencial os planos da diretoria.

Calendário

Fora da Primeira Liga, o Coritiba terá um calendário ligeiramente mais leve no ano que vem. São pelo menos quatro jogos a menos no primeiro semestre, o que aumenta a importância do Estadual como preparação para o Brasileiro. Nos últimos dois duelos deste ano, porém, o Coxa ainda joga para estar na próxima Copa Sul-Americana, torneio internacional que empolgou a torcida em 2016. Para se garantir na competição, precisa terminar o Nacional pelo menos na 13.ª colocação.

Aposta na base

Oitavo clube que mais cedeu atletas para as seleções de base do país em 2016, com 13 convocações, o Coxa vai continuar apostando na formação de seus próprios jogadores. Dos 38 nomes que terminam a temporada no elenco principal alviverde, 16 foram formados no CT da Graciosa – 42% do total. A promessa da diretoria é que o percentual aumente e que o grupo, que já tem os pratas da casa Juninho, Walisson Maia e Dodô como destaques, tenha condições de ver uma nova promessa aparecer.

Gestão

O presidente Rogério Bacellar entrará no último ano de seu mandato sem ainda conseguir cumprir a promessa de que o Coxa não seria ameaçado pelo rebaixamento. Em 2015, o time se garantiu na elite apenas na última rodada – desta vez a permanência veio faltando dois jogos para o término da temporada. Com mais experiência à frente do clube, a tendência é que o dirigente consiga fazer de 2017 um ano menos tumultuado.

Patrimônio

Antônio More/Gazeta do Povo

2017 será um ano decisivo para a ambição coxa-branca de levantar um novo estádio. Já nos primeiros meses do ano, a diretoria espera a resposta dos estudos de viabilidade econômica dos seis projetos existentes. Também aguarda o aval da prefeitura para a construção da nova casa, seja no Couto Pereira, no terreno do Pinheirão ou em outro local. Mais do que isso, conseguir o fundo de investimento imobiliário que bancaria a obra é o grande objetivo do clube.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]