Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Evandro Mota trabalha como consultor há 33 anos | Ivonaldo Alexandre/ Gazeta do Povo
Evandro Mota trabalha como consultor há 33 anos| Foto: Ivonaldo Alexandre/ Gazeta do Povo

O então estudante de engenharia Evandro Mota foi a uma palestra para não perder um amigo que o convidara. Com 24 anos, ele sentou perto da porta para poder sair assim que pudesse. Mas o discurso sobre a busca da qualidade total, algo desenvolvido no Japão na época, cativou o também jogador de futsal, motivando-o a aplicar no esporte. Depois de 33 anos, isso acabou contribuindo na última vitória do Coritiba contra o ASA, pela Copa do Brasil.

Elogiado pelo meia Tcheco, logo depois do confronto, por ter aumentado a confiança dos jogadores com a palestra na véspera, Mota não gosta da palavra "motivador". Prefere "consultor na área de mobilização de grupo". "Não faço palestra motivacional. Faço um trabalho para melhorar o desempenho, para implicar uma mentalidade vencedora" argumenta. Independentemente da definição, o encontro acabou servindo de impulso para que o Coxa, além de vencer, agradasse ao torcedor.

"A situação curiosa do Coritiba me chamou a atenção. Um time que tem este aproveitamento, esta pontuação, que disputa o tricampeonato e mesmo assim convive com críticas", conta Mota. Convidado pelo superintendente de futebol coxa-branca, Felipe Ximenes, o consultor se concentrou nisso ao falar com o grupo de jogadores e mostrou que só dependia deles para que viessem aplausos dos fãs.

"É o time que motiva a torcida ou o contrário? A postura tem de mudar do campo para a arquibancada, o ponto de partida é a equipe. Ela que incendeia a torcida e depois ocorre o inverso, o que é fantástico", argumenta Mota, com experiência de quem trabalhou com a seleção no tetracampeonato, em 1994, e com o elenco do Internacional nas Libertadores de 2006 e 2010, além de outros 46 clubes e equipes de diferentes esportes.

Apesar disso, Mota faz questão de enfatizar que a última vitória alviverde não foi sua responsabilidade. "É fruto do trabalho técnico, físico e tático deles. O meu é uma coisa a mais que complementa", explica. O consultor já tinha trabalhado no Coxa com outros técnicos, como Ricardo Gomes e Ivo Wortmann. Com os serviços requisitados após quase dez anos, ele acertou inicialmente duas palestras. A segunda será na semana que vem, a do Atletiba.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]