Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Couto Pereira seria demolido para que nova praça esportiva fosse construída em seu lugar. | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
Couto Pereira seria demolido para que nova praça esportiva fosse construída em seu lugar.| Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

A reunião do Conselho Deliberativo do Coritiba, na próxima segunda-feira (25), promete novidades para a torcida. Os conselheiros devem discutir seis projetos para o clube, entre eles planos de construção de um novo estádio para substituir o Couto Pereira, obra com previsão de início para outubro de 2017.

Coritiba encaminha acerto com atacante Neto Berola, ‘sonho antigo’ do clube

Leia a matéria completa

CURTA a página Coritiba Campeão do Povo no Facebook

“Vamos apresentar seis propostas sobre projetos para o patrimônio do clube, principalmente à reforma do estádio. Nós vamos dar um prazo de 60 dias para os conselheiros decidirem qual é o projeto mais indicado para o Coritiba, tanto da parte estrutural e financeira”, revelou Alceni Guerra, vice-presidente do Coxa.

LEIA MAIS: Novo Couto? Relembre outras tentativas do Coritiba de construir um estádio

O objetivo dos dirigentes é presentear a torcida com o anúncio do projeto no aniversário de 107 anos do clube, em 12 de outubro. Enquanto isso, no campo o Alviverde enfrenta o quarto ano consecutivo na briga contra o rebaixamento no Brasileiro. É o vice-lanterna da competição, com 15 pontos em 15 jogos.

Sobre a demolição do Couto Pereira para a construção de um novo estádio, o cartola explicou: “São propostas diferentes. Os arquitetos nos apresentaram ótimos planos. Mas eu não posso revelar como são esses projetos antes da apresentação aos conselheiros. O que eu posso garantir é que são projetos diferentes, mas todos do mesmo nível”.

Caso sejam aprovadas as propostas, a intenção do clube é começar as obras em outubro de 2017, com prazo estimado de conclusão para três anos. “Não é um projeto de conclusão rápida. Mas eu estimo a construção para o ano que vem. Temos que ver toda a parte jurídica, estrutural e ambiental”, disse o dirigente.

Sobre a questão financeira, o vice-presidente coxa-branca afirma que as propostas não envolvem o dinheiro relacionado ao futebol. “Não iria prejudicar o futebol. São coisas independentes. Nós temos parcerias engajadas para a realização do projeto”, finalizou Guerra.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]