i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
finanças

Prédio inacabado da Arena reforça prejuízo pós-Copa da prefeitura

Tribunal de Contas constata danos aos cofres públicos com a instalação de estruturas provisórias para o Mundial. Gasto extra foi causado pela não entrega a tempo de edificação anexa ao estádio por parte do Atlético

  • PorAna Luzia Mikos
  • 21/03/2015 22:00
Edifício orçado em R$ 12,6 milhões gerou ônus à prefeitura de Curitiba. Poder público municipal vai cobrar Atlético na Justiça. |
Edifício orçado em R$ 12,6 milhões gerou ônus à prefeitura de Curitiba. Poder público municipal vai cobrar Atlético na Justiça.| Foto:

Ainda na carcaça, o prédio administrativo da Arena engrossa o passivo pós-Copa. O atraso na conclusão do edifício de sete mil metros quadrados orçado em R$ 12,6 milhões levou o carimbo da irregularidade conferido esta semana pelo relatório final do Tribunal de Contas (TC-PR) sobre as obras de conclusão da Baixada. A demorada pode render gasto extra à prefeitura e vai levar o Atlético à Justiça.

Diante da inacabada obra anexa ao estádio, a avaliação dos auditores apontou a falta de previsão de custos de parte das instalações provisórias no orçamento – fruto dos gastos extras pela falta de conclusão do Edifício do Centro de Imprensa. O Tribunal pediu esclarecimentos, não fornecidos pela Secretaria Especial de Copa do Município, extinta ano passado.

“Assim, restou prejudicada a verificação de conformidade da contratação e execução dos serviços realizados. Diante do exposto, esta Comissão do TCE-PR entende que os custos referentes à execução da tenda e instalação de contêineres configuram-se em dano ao erário, tendo em vista que o custo de construção do Edifício do Centro de Imprensa fazia parte do orçamento de reforma e ampliação do Estádio em todas as suas versões”, decretou.

O relatório está em fase processual, onde os dados serão encaminhados aos órgãos competentes como o Ministério Público, as diretorias de contas do estado e do município, para respectivos pareceres. Posteriormente haverá a defesa dos envolvidos e julgamento do que os auditores caracterizam como prejuízo pela aplicação de recursos públicos da administração municipal em beneficio de terceiro.

De acordo com o Tribunal, está prevista multa administrativa de apenas R$ 1,3 mil, de acordo com o artigo 87, IV, “g”, da Lei Complementar n.º 113/2005 (Lei Orgânica do TC-PR). Ao longo do processo, valor da multa pode ser alterado, como também imposta a restituição dos recursos aos cofres públicos.

A prefeitura nega irregularidade, pois garante haver previsão contratual para as estruturas provisórias, que incluiriam contêineres, todo o cercamento da praça, mobiliário e detectores de metais, por exemplo, conforme licitação do contrato 21344 de 15 de abril de 2014, formalizado pela Secretaria de Planejamento e Administração (Seplad).

“O Tribunal confunde o Centro de Mídia [que foi instalado sobre o estacionamento e abrigou os jornalistas durante a Copa] e o Broadcast Compound, estrutura instalada na Rua Madre Maria dos Anjos para abrigar o centro de transmissão, de onde foram geradas as imagens dos jogos”, diz nota da prefeitura.

A Seplad, entretanto, questiona o aditivo feito pela empresa contratada Agogô, referente à instalação das tentas, que precisaram ser instaladas exatamente por não existir uma estrutura física para o centro de imprensa. O valor não foi divulgado e como ainda está sendo discutido e não saiu dos cofres públicos, a prefeitura entende que não houve dano ao erário. Não está descartado, contudo, um gasto extra no futuro.

O prédio inacabado também colocará o Atlético como réu. O clube não cedeu os 50% do imóvel para abrigar a Secretaria Municipal de Esporte e Lazer como previa o contrato. Diante disso, em 25 de novembro de 2014, o município cobrou (através do ofício nº 571/2014), que o clube suprisse este compromisso com a locação de espaço equivalente a 3.762,66 m² pelo mesmo período acordado anteriormente. Ou uma indenização do valor correspondente à locação de área, no valor estimado de R$ 94,1 mil mensais.

Além de contestar o tamanho do espaço cedido, o Rubro-Negro não pagou esse valor dos alugueis e foi acionado judicialmente pela prefeitura, que também cobra o clube valor de R$ 17 milhões referente às desapropriações dos imóveis no entrono do estádio.

Procurado pela reportagem da Gazeta do Povo, o Atlético não se manifestou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.