i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Polêmica

Juiz que arquivou "Caso Richarlyson" será processado

Magistrado é acusado de homofobia ao arquivar queixa-crime contra cartola palmeirense

  • PorGloboEsporte.com / Globo.com
  • 03/08/2007 14:00

"Futebol é varonil, não homossexual". Essa foi uma das argumentações feitas pelo juiz Manoel Maximiniano Junqueira Filho ao arquivar a queixa-crime aberta pelos advogados do volante são-paulino Richarlyson contra o diretor palmeirense José Cyrillo Júnior.

A polêmica entre o jogador e o dirigente começou no final de junho. Indagado no programa "Debate Bola", da Record, sobre a possibilidade de haver um atleta homossexual no elenco palmeirense disposto a assumir publicamente sua opção, Cyrillo acabou sendo infeliz em sua resposta."O Richarlyson quase foi do Palmeiras". O detalhe é que ninguém havia tocado no nome do atleta tricolor. Com base no artigo 22 da Lei de Imprensa, por se tratar de uma injúria feita através da mídia, Renato Salge , advogado do jogador, entrou na justiça contra o cartola.

No início de julho, entretanto, Junqueira Filho rejeitou o pedido de queixa-crime, alegando que o caso é "insignificante perto da grandeza do futebol brasileiro".

- Ele arquivou o processo e proferiu uma decisão onde ele se fundamentou em seu prórpio pensamento, esdrúxulo e homofóbico. Esse cara tem um desassossego na alma.

Posso garantir que a queixa irá prosseguir e já entramos com um processo contra esse juiz no Conselho Nacional de Justiça, lá em Brasília. Pelo menos ele já foi afastado desse processo - explica Salge.

A reportagem teve acesso ao conteúdo completo da sentença do magistrado.

Confira alguns trechos:

"Se fosse homossexual, melhor seria admití-lo, ou omitir. Nesta hipótese, porém, seria melhor que abandonasse os gramados"

"Quem se recorda da Copa de 70? Quem viu o escrete de outo jogando, (Pelé, Tostão...). Jamais conceberia um ídolo homossexual"

"O que não se mostra razoável é a aceitação de homossexuais no futebol brasileiro, porque prejudicaria a uniformidade de pensamento da equipe, o entrosamento, o equilíbrio, o ideal...

A reportagem tentou entrar em contato com o juiza e foi atendido por um assessor. Com grosseria, ele responde que o juiz não daria entrevistas e que se nossa reportagem tivesse alguma dúvida jurídica, que fosse sanada por algum advogado.

- O juiz não vai falar nada. Ele pediu para dizer que o que ele decidiu já está à disposição. Quem quiser que leia. E seu nome permanece nos autos do processo. A decisão de arquivamento permanece e não estamos sabendo de processo nenhuma contra o juiz. Agora o Tribunal de Justiça que vai analisar o recurso movido pelos advogados do Richarlyson. Isso é só mais um casinho - explica.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.