i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Justiça

Justiça nega recurso e mantém investigação sobre suposto crime digital de Neymar

    • Estadão Conteúdo
    • 11/06/2019 17:48
    Justiça nega recurso e mantém investigação sobre suposto crime digital de Neymar
    | Foto: Fernando Frazão

    A desembargadora Adriana Lopes Moutinho Daudt D'Oliveira, da 8ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) negou liminar ao julgar o recurso de primeira instância e manteve a investigação contra Neymar por divulgar imagens de Najila Trindade, modelo que o acusa de estupro que teria sido cometido em Paris. A decisão da relatora do recurso em segunda instância foi divulgada nesta terça-feira.

    Os advogados de defesa de Neymar divulgaram nota afirmando que não foram os responsáveis pelo pedido de interrupção das investigações. Eles afirmam que vão solicitar à Ordem dos Advogados do Brasil a apuração de infração ético-disciplinar.

    "É com espanto e indignação que a defesa recebe a notícia de nova impetração de habeas corpus em favor de Neymar da Silva Santos Júnior, por advogados não constituídos pelo atleta", diz o documento.

    LEIA TUDO SOBRE NEYMAR!

    Ao negar o pedido, a desembargadora afirmou que o recurso foi apresentado com "os mesmos argumentos já deduzidos" pelo juiz em primeira instância. A magistrada afirmou que não vislumbra "prova incontestável da ilegalidade apontada" pelos advogados.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.