i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Atletismo preocupa o COB para a Olimpíada

Desempenho fraco do Brasil na modalidade no Pan-Americano liga o sinal de alerta para a disputa dos Jogos Olímpicos

  • PorAgência O Globo
  • rio de janeiro
  • Agência O Globo
  • 20/08/2015 03:00
Prata no Pan, Fabiana Murer é uma das poucas esperanças do atletismo brasileiro na Olimpíad a do Rio. | Wagner Carmo / CBAt/
Prata no Pan, Fabiana Murer é uma das poucas esperanças do atletismo brasileiro na Olimpíad a do Rio.| Foto: Wagner Carmo / CBAt/

O atletismo é um ponto de atenção para o Comitê Olímpico do Brasil (COB) na Olimpíada de 2016 após o fraco desempenho no Pan-Americano. Em Toronto, foram 13 pódios (um ouro, seis pratas e seis bronzes), abaixo dos 23 de Guadalajara-2011. Às vésperas da abertura do Mundial, sábado (22), em Pequim, na China, a modalidade é o calcanhar de Aquiles do Brasil pré-olímpico.

O país está em Pequim com 58 atletas (34 homens e 24 mulheres). Chances reais só no salto com vara, com Fabiana Murer e Thiago Braz (dono da segunda marca do mundo na temporada, com 5,92m), e no 4x100m masculino.

“Basta pegarmos os dois últimos ciclos olímpicos para ver que precisamos dar uma olhada no atletismo”, admite o diretor executivo de esportes do COB, Marcus Vinicius Freire. “Temos um diretor técnico novo na Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) e alguns treinadores novos. O investimento tem sido feito, e não vamos mudar tudo por causa do Pan”, reforça.

Em 2015, os repasses de verba da Lei Agnelo/Piva feito pelo COB às confederações subiram para R$ 117 milhões (17% a mais que em 2014). São 29 modalidades contempladas. O atletismo é uma das cinco com cota máxima, de R$ 3,9 milhões, ao lado de esportes aquáticos, judô, vela e vôlei. Mas é o que menos tem dado bons resultados.

Ainda assim, os recursos da lei não são a principal receita da CBAt. O patrocínio da Caixa rende quatro vezes mais (R$ 16 milhões anuais), e há mais R$ 6 milhões por ano pelo programa Bolsa Pódio, que ajuda a custear treinos e técnicos.

A crise não passa só pela falta de resultados. Pela primeira vez desde 1985, a CBAt, sem patrocínio, não irá promover o GP Brasil, torneio do segundo circuito mais importante do mundo, atrás apenas da Liga Diamante. A confederação alega não ter como arcar com os R$ 3 milhões da organização. Nos últimos anos, os governos de São Paulo e Pará custearam em até 80%.

Embora haja pistas novas até no Amapá, o Rio , sede olímpica, não tem espaço há três anos , já que o Célio de Barros foi rebaixado de templo histórico a estacionamento. “Dependemos muitos dos clubes para formar”, diz o presidente da CBAt, José Antonio Marins Fernandes. “Para 2016, a ideia é pegar os melhores e dar as melhores condições. Investimos, trouxemos seis técnicos estrangeiros, entre eles o Vitali Petrov, que treinou Sergei Bubka e a Isinbayeva, e hoje treina o Tiago”, aponta.

Luz vermelha

“ Claro que a luz vermelha está acesa, há muito tempo”, aponta Robson Caetano, dono de duas medalhas olímpicas de bronze (em Seul-1988 nos 200m, e em Atlanta-1996, no revezamento 4x100m),.

Membro do 4x100m brasileiro prata na Olimpíada de Sydney-2000, Claudinei Quirino achou o Pan de 2015 mais forte que o de 2011. “Os resultados do Mundial vão se repetir muito nas Olimpíadas. Quem medalhar deverá ter mais chances.”

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.