i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Paranaense

Pressionado, Paraná almeja reviravolta

Tricolor precisa acabar com o jejum de quatro jogos sem vitória no Regional para voltar a fazer parte do G8. Técnico Marcelo Oliveira fala em tranquilidade e crê na continuação do trabalho

  • PorFernando Rudnick, especial para a Gazeta do Povo
  • 16/02/2010 21:01
De mãos dadas: momentos de descontração marcaram o último treino do Paraná antes do decisivo duelo de hoje à noite contra o Operário | Priscila Forone/ Gazeta do Povo
De mãos dadas: momentos de descontração marcaram o último treino do Paraná antes do decisivo duelo de hoje à noite contra o Operário| Foto: Priscila Forone/ Gazeta do Povo

Personagem

Em litígio com o Paraná, Clênio estreia no ataque do Operário

Em menos de duas semanas, Clênio enfrentará o Paraná pela segunda vez. No primeiro encontro, dia 5 de fevereiro, vestindo camisa e sapato sociais, o atleta conseguiu, na Justiça, o direito de assinar com outro clube enquanto aguarda a conclusão da ação em que reclama atraso no pagamento de salários pelo Tricolor. Nesta quarta, a partir das 19h30, ele vestirá pela primeira vez a camisa 9 do Operário com a missão de ajudar o clube a vencer a segunda partida seguida no Estadual.

"Não preciso nem explorar essa situação com o Clênio. Ele sabe o que tem de fazer. Agora, posso te dizer que, se fizer gol, ele vai comemorar muito", diz o técnico Norberto Lemos.

Além da gana do centroavante, o treinador aposta no seu próprio histórico. Ano passado, pelo Rio Branco, derrotou o Paraná na Vila Capanema. Na segunda rodada da edição atual, foi à Baixada e venceu o Atlético com o Operário. Repetirá a mesma receita no jogo desta noite.

"O negócio é impedir o ímpeto do adversário no primeiro tempo", sugere.

Poupado na última partida para "esfriar a cabeça", Danilo reassume a camisa 1 no lugar de Osmar. Baiano, com lesão no tornozelo, segue fora do ataque. No meio, a esperança é Marcelinho, autor do gol do último título estadual do Paraná, em 2006.

A partir de agora, cada rodada é decisiva para o Tricolor no Cam­peonato Paranaense. O histórico do clube nas duas últimas temporadas mostra que, do oitavo jogo em diante, se os resultados não aparecerem, mudanças estão mais propícias a acontecer na casa paranista. Portanto, quando en­­trar em campo nesta quarta-feira, às 19h30, di­­ante do Operário Ferroviário, na Vila Capanema, a equipe do técnico Marcelo Oliveira, ao mesmo tempo em que busca sua recuperação no torneio – não vence há quatro partidas pelo Regional –, terá de saber lidar com essa pressão extra.

"A cada oportunidade perdida, aumenta a responsabilidade e o clima decisivo. A gente concorda com o empenho e dedicação dos jogadores, mas precisamos de um pouco mais de constância. E de pontos", aponta Oliveira, que, até aqui, com duas vitórias, três em­­pates e duas derrotas, soma nove pontos e 43% de aproveitamento no Estadual.

Em 2008, o técnico Saulo de Freitas tinha campanha idêntica à do atual comandante antes de enfrentar o Iraty, pela oitava rodada. Perdeu em casa, por 2 a 0, não resistiu e foi substituído por Paulo Bonamigo.

No ano seguinte, Paulo Co­­mel­li, apesar do baixo desempenho, durou dez partidas. Até o sétimo duelo, somava duas vitórias, um empate e quatro derrotas. Caiu após o tropeço para o Nacional, também por 2 a 0, na décima rodada. Quem assumiu foi Wagner Velloso, que ficou apenas até o fim do Estadual.

Desta vez, a situação parece ser diferente. Mesmo aumentando a cada tropeço, a pressão sob os om­­­bros de Oliveira não é tão intensa quanto nos dois anos anteriores. A própria diretoria do clube já avisou que o Paranaense é somente um laboratório para formar a equipe que disputará o principal objetivo da temporada: a Série B.

"O trabalho está sendo da ma­­neira que foi traçado pela diretoria. Só que o futebol anda junto com resultado. E como ele não es­­­tá vindo, o trabalho do Marcelo (Oliveira) e dos jogadores não aparece", diz o meia-atacante Márcio Diogo, que diante do Fantasma fará dupla de ataque com Marcelo Toscano.

A transformação de trabalho em resultado, no entanto, depende essencialmente de gols. Para isso acontecer, a pontaria tricolor vai precisar melhorar muito.

"Eu estou muito tranquilo em relação a tudo. Não sou de me queixar. Se uma ou duas bolas tivessem entrado, o trabalho seria excepcional e estaria tudo certo", diz o comandante. "Não é possível que um time que se dedica tanto esteja nessa condição", fecha o treinador, que, com um triunfo nesta quarta, diante da torcida, espera inaugurar uma nova fase na Vila Capanema.

Ao vivo

Paraná x Operário, às 19h30, no PFC e no tempo real da Gazeta do Povo (www.gazetadopovo.com.br/esportes).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.