Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Reunião das Comissões da Copa de 2014 teve discussão sobre potencial construtivo e as contrapartidas do Atlético | Hugo Harada / Agência de Notícias Gazeta do Povo
Reunião das Comissões da Copa de 2014 teve discussão sobre potencial construtivo e as contrapartidas do Atlético| Foto: Hugo Harada / Agência de Notícias Gazeta do Povo

Os vereadores de Curitiba aparentemente ainda não estão convencidos de que o Atlético dará uma contrapartida satisfatória para os R$ 90 milhões -- R$ 4,5 milhões por ano durante 20 anos -- em cotas de potencial construtivo que a prefeitura vai passar ao clube. Em reunião aberta, na Câmara de Curitiba, entre vereadores e representantes da cidade na organização da Copa 2014, esse foi o principal questionamento dos legisladores durante mais de três horas de discussão na tarde desta quarta-feira (6).

Um dos vereadores que mais se revoltou na sessão foi Jair Cézar, do PSDB. "Aquilo que o município poderia usar para a população como um todo será aplicado em uma entidade particular. A minha dúvida é isso: essa entidade vai devolver esse valor? E quando vai ser devolvido? Foi isto que eu perguntei e eles não me responderam", reclamou, no final do evento.

Durante a reunião, a procuradora-geral de Curitiba, Claudine Camargo Battes, citou como contrapartida do Atlético várias obrigações publicadas com exclusividade na Gazeta do Povo ontem, como ceder 50% da área administrativa para a instalação da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer por cinco anos e dois camarotes, um para o estado e outo para o município, por 50 meses.

"O interesse do prefeito Ducci é que utilize-se esse camarote, por exemplo, para que os melhores em um concurso de redação nas escolas da prefeitura possam assistir uma partida como prêmio", citou a advogada. Porém, Claudine assumiu que a escolha da Arena foi do governo do estado e que o município tinha outros projetos para o local destinado à Copa de 2014. Não citou, porém, quais seriam.

As contrapartidas oferecidas no acordo irritaram Jair Cézar. "Isso é bobagem. Imaginem que nós estamos falando em R$ 90 milhões e vem falar em sublocar em um pedaço de sala para a Secretaria de Esportes", protestou. "Dizer que o pessoal ligado à área do artesanato vai expor no clube? Quem vai a um campo de futebol não compra artesanato", complementou.

Após a sessão, a procuradora explicou que o Atlético retribuirá o esforço da cidade garantindo a vinda do evento para a capital paranaense. "Você não pode imaginar fazer bater essas contrapartidas que foram mencionadas com o valor de R$ 90 milhões. Não é isso", afirmou. "O estado dará para o município R$ 45 milhões para aplicação em obras. O que vê o município neste sentido: para termos todo este investimento federal e estadual, nós precisamos de um estádio", lembrou Claudine, defendendo que, como o Atlético vai pagar um terço da obra, na verdade ele nem precisava ter as outras obrigações citadas.

A reunião ainda abordou as isenções fiscais, que acabaram sendo resumidas como uma ordem do governo federal, além de outros temas polêmicos, como as desapropriações. O secretário de governo de Curitiba, Luiz Fernando Jamur, garantiu que nenhum imóvel desapropriado pelo estado ou pelo município fará parte no futuro do patrimônio do Atlético.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]