141227

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Ideias
  3. A chacina de crianças mostra a podridão moral da nossa cultura

opinião

A chacina de crianças mostra a podridão moral da nossa cultura

Esforços estatais para aprovar o aborto tardio são frutos podres de uma cultura que há muito tempo abandonou a santidade da vida

  • Cal Thomas Daily Signal
 |
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O alvoroço sobre a Lei de Saúde Reprodutiva do Estado de Nova York, que permite abortos tardios realizados por “profissionais de saúde” quando o “paciente está dentro de 24 semanas do início da gravidez, ou há ausência de viabilidade fetal ou o aborto é necessário para proteger a vida ou a saúde do paciente ”, não deve ser uma surpresa.

Esses e outros esforços semelhantes em outros estados americanos são frutos podres de uma cultura que há muito tempo abandonou a santidade da vida. Ouça a retórica da prova. 

O que pensa a Gazeta do Povo: Defesa da vida desde a concepção

As mulheres tomam a decisão de abortar, mais ninguém. Os homens perderam o direito de ter voz no assunto há muito tempo. Os já famosos clichês sobre "a escolha é da mulher" e "meu corpo, minhas regras" são repetidos como se isso resolvesse tudo. 

Existe até a defesa de casos de aborto após o nascimento, como citado no Washington Post em um artigo de 2012, dos bioeticistas Alberto Giubilini e Francesca Minerva. Aborto pós-natal, eles mantêm: 

… O aborto poderia ser eticamente permissível em todas as circunstâncias. (…) Propomos chamar essa prática de “aborto pós-natal”, em vez de “infanticídio”, para enfatizar que o status moral do indivíduo morto é comparável ao de um feto (no qual são realizados “abortos” no sentido tradicional) em vez de uma criança. 

E ainda há o bioeticista norueguês Joona Rasanen, que argumenta que um caso poderia ser feito para dar “... aos pais genéticos o direito de matar (ou deixar morrer) seu recém-nascido, mesmo que o bebê tenha direito à vida ... as pessoas têm um direito à sua privacidade genética e ter o recém-nascido no mundo que carrega o material genético dos pais genéticos viola seu direito à privacidade genética.” 

Parece radical demais? O aborto nos seis primeiros meses de gestação também era considerado radical demais no passado. 

O que foi legislado em Nova York, tentado na Virgínia e pode estar chegando em breve a um estado perto de você, pode ser considerado nada menos que uma forma atualizada de sacrifício de crianças. Algumas culturas antigas ofereciam seus filhos em altares de fogo ou os matavam e os apresentavam aos deuses na esperança de receber alguma bênção distorcida. 

Em vez disso, suas civilizações selvagens desmoronaram devido à podridão moral. 

O sacrifício de crianças foi especificamente condenado na Bíblia. Em Levítico 18:21, 20:3 e Deuteronômio 12: 30-31 e 18:10, há condenações e leis contra o sacrifício de crianças, juntamente com o sacrifício humano em geral. Os sacrifícios humanos são vistos como costumes bárbaros de adoradores de ídolos. 

“Eles adoraram os seus ídolos, que se tornaram uma armadilha para eles. Eles sacrificaram seus filhos e filhas a falsos deuses. Eles derramaram sangue inocente, o sangue de seus filhos e filhas, que sacrificaram aos ídolos de Canaã, e a terra foi profanada pelo sangue deles.” (Salmo 106: 36-38, NVI). 

Ídolos modernos — paz pessoal, conveniência, prazer — são mais sofisticados. Nossos sacrifícios hoje são justificados com base no que é inconveniente, imperfeito ou até mesmo o sexo errado (NTLembrem-se dos abortos de meninas na China). Pensamos que poderíamos nos livrar disso e não sofrer consequências nacionais, culturais e espirituais? 

Muitos países proíbem o aborto após 20 semanas. A China permite acesso quase universal à contracepção e ao aborto, exceto em questões de seleção de sexo, embora seja quase impossível compreender como isso é policiado. Quantas gravidezes foram encerradas durante o serviço da antiga política de filho único da China? Estamos indo nessa direção? É algo horrível demais para se contemplar? 

Na verdade não. É apenas uma questão de tempo e condicionamento. 

Agora nos encontramos chafurdando em um oceano de sangue. Margaret Sanger, a fundadora da Planned Parenthood e eugenista, ficaria feliz. 

“Essas palavras [controle de natalidade]”, ela escreveu, “resumem toda a nossa filosofia. … Significa a liberação e o cultivo dos melhores elementos em nossa sociedade, e a supressão gradual, eliminação e eventual extinção, de estoques defeituosos — aquelas ervas daninhas humanas que ameaçam o florescimento das mais finas flores da civilização americana. ” 

Quando a história da América for escrita no futuro, seu colapso terá sido causado por nossa indiferença a Deus e a todos os horrores que histórica e inevitavelmente se seguem.

Cal Thomas é um colunista, autor, radialista e palestrante com acesso a líderes mundiais, presidentes americanos, celebridades, educadores e inúmeros outros notáveis. Ele é autor de 12 livros.

©2019 Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE