i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Opinião

A cultura do cancelamento não é o problema; a cultura da conformidade sim

  • PorGreg Weiner
  • National Review
  • 10/09/2020 18:13
Episódios de cancelamento invertem o propósito da aprendizagem, que implica certo nível de desconforto inerente, bem como uma condição básica para a pesquisa acadêmica, a liberdade.
Episódios de cancelamento invertem o propósito da aprendizagem, que implica certo nível de desconforto inerente, bem como uma condição básica para a pesquisa acadêmica, a liberdade.| Foto: Bigstock

Greg Patton é professor de Administração da University of Southern California, pelo menos por enquanto. Ele estava dando uma aula online sobre o uso de “palavras de preenchimento” na fala quando usou um termo que soou parecido com uma ofensa racista. “Se você tem muitos ‘ums’ e ‘errs’, isto é culturalmente específico, baseado na sua língua nativa. É igual na China, a palavra mais comum é ‘isso, isso, isso’. Então na China poderia ser ‘nèi ge, nèi ge, nèi ge’”, disse o professor [que soa parecido com nigger, um termo considerado racista nos EUA].

E por ter cometido o ultrajante ato de repetir uma expressão chinesa, ele foi colocado de licença pela universidade. Patton é um dos mais recentes casos de acadêmicos vítimas da cultura do cancelamento nos campi.

Seu caso também serve como um aviso de que, embora a cultura do cancelamento seja um fenômeno real que se apresenta como um claro risco à liberdade acadêmica, ela pode esconder um perigo ainda mais insidioso: o despotismo suave da conformidade.

O nome de Patton agora ficou conhecido, e ainda bem que é assim, entre os defensores da liberdade acadêmica. Seu caso ilustra os embaraços bizarros aos quais o cancelamento está inclinado. Ele estava ensinando os estudantes sobre o idioma chinês e a cultura daquele país, e ainda assim foi cancelado em nome da diversidade cultural.

A aula de Patton dizia respeito ao uso da linguagem, mas ainda assim seu reitor Geoffrey Garrett usou indevidamente a palavra obrigatória “segurança” (que de acordo com o Dicionário Oxford significa “o estado de ser protegido contra danos ou lesões”) para descrever a ansiedade sentida pelos alunos ofendidos.

Esses episódios são todos problemáticos. Eles invertem o propósito da aprendizagem, que implica um certo nível de desconforto inerente, bem como uma condição básica para a pesquisa acadêmica, a liberdade. O cancelamento de Patton ocupa uma categoria especial, e talvez especialmente absurda, no sentido de que ele nem sequer expressou uma ideia controversa daquelas que a liberdade acadêmica deveria proteger.

Mas esses casos explícitos da cultura do cancelamento trazem uma vantagem: eles são bem visíveis e se tornam bem conhecidos. Quanto mais notórios forem, mais atenção eles chamam. Uma questão maior paira por detrás: quem nunca fala em primeiro lugar? Pode-se imaginar professores iniciantes, em particular, tomando o caso de Patton como um aviso: ofendeu estudantes, vai ser suspenso.

Os casos mais difíceis – que são, diferente dessas situações pontuais que ganham repercussão, desconhecidos – são aqueles nos quais os acadêmicos restringem a própria língua não por medo, mas sim por cansaço. Para eles, não se trata das consequências geradas pela controvérsia, e sim se eles têm tempo e energia para entrar na polêmica.

A resistência não é inútil; é simplesmente exaustiva. Supostas ofensas e o silenciamento que elas trazem são eventos identificáveis que tendem, pelo menos entre aqueles que se preocupam com elas, a virar notícia. A autocensura, quando é realmente autoconsciente, é como o cão que nunca latiu, e justamente por isso não vira notícia.

A dinâmica do cancelamento é pelo menos tangível. Pessoas são ofendidas. Elas fazem protestos ruidosos e exigem reparação. Geralmente, sua intenção é que haja reeducação e supressão. Mas sabemos quando isso ocorre, e podemos nos opor a isso. Para deixar claro, o cancelamento é o porrete da conformidade. Sua influência como condição de fundo é inegável.

Mas a intenção daqueles que buscam a obediência pelo caminho mais suave não é necessariamente hostil ou pesada. Eles podem, pelo contrário, perceber-se sinceramente como caridosos. A dinâmica resultante é menos severa e possivelmente mais insidiosa: são os que policiam, ou melhor, moldam a fala não com a intenção de suprimir a dissidência, mas sim no que consideram ser a suposição benevolente de que todos concordam com eles.

Esta atitude é familiar nos meios acadêmicos, mas também escapa para fora de seus muros. Fica evidente em conversas que não se destinam a reeducar, mas sim reforçar o que se supõe ser tido como verdadeiro por todos.

Muitos dos proponentes da teoria crítica racial – cuja ideia animadora é que a raça é a única coisa significativa, a única lente pela qual todos os outros fenômenos devem ser observados – estão realmente tentando forçar uma conformidade.

Mas eles ainda trabalham sob a crença de que todos concordam com eles. Para esse público, isso é um ato sincero de caridade: pessoas razoáveis concordam comigo, e todas as pessoas com quem eu me encontro são razoáveis.

Há a suspeita, por exemplo, de que o treinamento sobre teoria crítica racial suspenso recentemente pelo presidente Donald Trump em agências federais é na maioria das vezes menos destinado a forçar cada indivíduo a obedecer a um padrão do que refletir uma suposição de que todos já o fazem.

Na verdade, isso traz resultados bizarros: a uniformidade em nome da diversidade; a educação centrada no que supostamente já é conhecido. Mas enquanto o tom do noticiário é colocar os defensores da teoria crítica racial contra seus adversários, aqueles que adotam uma abordagem mais suave para atingir essa conformidade podem não ser vistos como guerreiros da justiça social. Guerreiros apreciam a luta. E isso é menos sobre guerra e mais sobre burocracia.

É sobre uma uniformidade de opinião que não precisa ser conquistada na base da briga, e sim por procedimentos repetitivos que refletem uma vitória que já foi alcançada. É ficar mais intrigado do que indignado com esta ação de Trump.

É algo que se manifesta na forma de uma deflação constante da linguagem. Programas baseados na teoria racial crítica, segundo um artigo publicado recentemente no site Politico, foram descritos como “treinamentos de igualdade racial”.

Será que o autor do artigo quis, de forma consciente, tornar sua linguagem benigna de modo a esconder a controvérsia que realmente cercava esse treinamento? Talvez. Mas, e esta é a possibilidade mais sutil – e, portanto, mais perigosa -, talvez não.

A repetição casual e acrítica de termos como “racismo sistêmico” sugere suposições semelhantes. Por que, é de se perguntar, os americanos estão assinando petições cobrando punições individuais quando esses comportamentos individuais são produto de um “sistema”?

Jornalistas têm interesse pela integridade das palavras. Elas são a matéria-prima dos escritores. Um modelo de negócio que desvaloriza tanto assim a própria matéria-prima não se sustentará por muito tempo. Uma política que trafega em contradições se dividirá ainda mais porque muitas pessoas passarão a se ver como falantes de uma outra língua.

Greg Weiner é cientista político do Assumption College, pesquisador visitante do American Enterprise Institute e autor de "Old Whigs: Burke, Lincoln e a Política de Prudência".

© 2020 National Review. Publicado com permissão. Original em inglês.
3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • R

    Ronald Wigg

    ± 0 minutos

    A cultura do cancelamento se apresenta como um claro risco à liberdade de expressão, liberdade acadêmica e liberdade individual podendo esconder um perigo ainda mais ardiloso. Uma verdadeira ditadura progressista que tende a destruir vidas, empresas, sociedades e nações que não estejam de acordo com diretrizes de uma poderosa elite que aos poucos assumem mundialmente os rumos do planeta. O discurso é altamente atraente porém sectário, pois essa é a melhor forma de controle. Jovens precisam ser alertados que seus futuros estão sendo roubados e serão 100% controlados por uma barbárie civilizatória num futuro não muito distante.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • M

      Meg Litton

      11/09/2020 14:52:33

      Caramba! Em que m..e..r..d..a de mundo cha//to estamos vivendo!!!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • A

        Antonio Marcos Martins de Andrade

        11/09/2020 0:38:18

        A cultura do cancelamento é por si só um problema. Se conformar ou não com ela, é apenas o modo como a encaramos. De forma conivente ou inconformada, ela não deixa de distorcer a realidade para esconder os fantasmas e inseguranças de seus precursores.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        Fim dos comentários.