Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Ideias
  3. A Suécia não é socialista

artigo

A Suécia não é socialista

Quando o país se aproximou de políticas socialistas, o PIB per capita caiu, o  crescimento se tornou menor que o de outros países e a inflação aumentou. Até os socialistas suecos reclamavam dos altos impostos

  • John Stossel The Daily Signal
Estocolmo, capital da Suécia: alto padrão de vida não é fruto de políticas socialistas | Pixabay
Estocolmo, capital da Suécia: alto padrão de vida não é fruto de políticas socialistas Pixabay
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Há anos, ouço parte da esquerda dizer que a Suécia é a prova de que o socialismo funciona e de que o socialismo não precisa acabar tão mal quanto a União Soviética, Cuba ou a Venezuela. Mas não é isso que o historiador sueco Johan Norberg diz em um novo documentário.

“A Suécia não é socialista – porque o governo não possui os meios de produção. Para ver isso, você precisa ir à Venezuela, a Cuba ou à Coreia do Norte”, diz Norberg. “Nós tivemos, isso sim, em um período entre as décadas de 1970 e 1980, algo que se parecia com o socialismo: um governo graúdo que taxava e gastava bastante. E esse é o período da história sueca em que a nossa economia despencou”. 

O PIB per capita caiu. O crescimento da Suécia se tornou menor que o de outros países. A inflação aumentou. Até os socialistas suecos reclamavam dos altos impostos. 

Leia mais: Como votam os países mais democráticos do mundo

Astrid Lindgren, autora da popular série infantil Píppi Meialonga, descobriu que estava perdendo dinheiro por ser tão popular. Ela tinha que pagar um imposto de 102% por cada novo livro vendido. “Ela escreveu um ensaio furioso sobre uma bruxa que era mesquinha e perversa – mas não tão perversa quanto as autoridades tributárias suecas”, diz Norberg. 

Porém, mesmo esses altos impostos não arrecadaram dinheiro suficiente para financiar o grande Estado de bem-estar social sueco. “As pessoas não conseguiam a aposentadoria que pensavam ser necessária para o seu futuro”, lembra Norberg. “A essa altura, a população sueca simplesmente disse um basta”. 

A Suécia então reduziu o papel do governo. Gastos públicos foram cortados, a rede ferroviária foi privatizada, certos monopólios do governo foram abolidos, impostos sobre herança foram eliminados e empresas pertencentes ao Estado, como a fabricante da vodka Absolut, foram vendidas. As promessas de aposentadoria também foram reduzidas, “para que já não fossem insustentáveis”, acrescenta Norberg. 

O resultado foi que uma “nação camponesa empobrecida se desenvolveu e se tornou um dos países mais ricos do mundo”, avalia o historiador. Ele reconhece que a Suécia, em algumas áreas, tem um governo avantajado: “Temos, sim, um Estado de bem-estar social maior que os Estados Unidos, impostos mais altos que os norte-americanos, mas em outras áreas, quando o assunto são os livres mercados, a competitividade e o livre comércio, a Suécia é na verdade mais livre mercado que os Estados Unidos”, diz. 

Leia mais: O segredo dos países mais honestos do mundo

O livre mercado da Suécia não é sobrecarregado por regulamentações excessivas, subsídios localizados e bailouts amigáveis, como nos Estados Unidos. Isso permite que a Suécia consiga financiar grandes programas de assistência social. “Hoje nossos impostos custeiam a Previdência Social, licenças-parentais de 18 meses, creches para famílias que precisam deixar os filhos em algum lugar enquanto trabalham”, diz Norberg. 

Mas o governo sueco não gerencia todos esses programas. “Ter o governo na administração de tudo isso não funcionou muito bem”, avalia o historiador. Então, houve privatizações. “Percebemos na Suécia que, com esses monopólios governamentais, não conseguimos a inovação que podemos ter quando temos competitividade”, diz Norberg. 

A Suécia mudou seu sistema escolar para um sistema de vouchers. Isso permite que os pais escolham onde os filhos vão estudar e obriga as escolas a competir pelo dinheiro do voucher. “Um resultado que temos percebido é que não apenas as escolas privadas são melhores do que antes, mas que até mesmo escolas públicas próximas a elas com frequência melhoram, porque precisam”, conta o historiador. 

A Suécia também privatizou parcialmente o seu sistema previdenciário. Nos Estados Unidos, o Cato Institute propôs algo parecido. O então presidente George W. Bush apoiou a ideia, mas não a explicou muito bem. Ele voltou atrás quando políticos reclamaram que a ideia de privatizar a Previdência Social tinha assustado os eleitores. 

Os suecos, em um primeiro momento, também se assustaram. “Mas quando perceberam que a alternativa era o colapso completo do sistema previdenciário, pensaram que era uma ideia muito melhor do que não fazer nada”, conta Norberg. 

A Suécia, portanto, sustenta seu Estado de bem-estar social com a privatização da Previdência, a livre escolha de escolas e poucas regulamentações – em comparações de liberdade econômica entre países, a Suécia com frequência aparece na frente dos Estados Unidos. 

Na próxima vez em que você ouvir socialistas democráticos discursando sobre quão socialista a Suécia é, recorde a eles que o seu grande Estado de bem-estar social é financiado pelas suas práticas de livre mercado e não por suas medidas socialistas. 

©2019 Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês

Tradução: Felipe Sérgio Koller


8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE