i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
resposta à coreia do norte

Em ritmo de Twitter, discurso de Trump na ONU finca bases da política externa dos EUA

Ameaças de destruir a Coreia do Norte, romper acordo com o Irã e intervir na Venezuela mostram que presidente deixou a linha “America First” de lado

  • PorAnna Fifield, Greg Jaffe, Karen Deyoung e Simon Denier
  • Nova York e Tóquio
  • The Washington Post
  • 20/09/2017 00:59
Trump na ONU: duros ataques contra Coreia do Norte, Irã e Venezuela. | TIMOTHY A. CLARY
AFP
Trump na ONU: duros ataques contra Coreia do Norte, Irã e Venezuela.| Foto: TIMOTHY A. CLARY AFP

Uma agenda doméstica com ênfase em nacionalismo e soberania dominou o primeiro discurso de Donald Trump na Organização das Nações Unidas (ONU), nesta terça-feira (19), transformando esta manifestação na estreia perante o mundo de sua política externa. O discurso perante o organismo global foi notável pelo seu tom. Trump foi belicoso e direto ao seu referir aos inimigos dos Estados Unidos - especialmente, Coreia do Norte e Irã. Em alguns momentos, soou como se estivesse em seu perfil do Twitter.

Assista aos principais momentos do discurso de Trump (em inglês):

Trump se referiu ao ditador norte-coreano, Kim Jong Un, como “Homem Foguete” e o acusou de estar “em uma missão suicida para si mesmo e seu regime”. O presidente prometeu “a destruição total” da Coreia do Norte se o país atacar os Estados Unidos ou seus aliados. 

O ataque direto aos norte-coreanos teve repercussões diferentes entre os aliados asiáticos dos Estados Unidos. O Japão ficou em silêncio, a Coreia do Sul aprovou, China e Rússia temem pelo aumento da tensão.

 

Trump também sugeriu que em breve os americanos deixarão o pacto internacional nuclear com o Irã, um movimento que descolará o país de aliados que também fazem parte do encontro. “Este acordo é constrangedor para os Estados Unidos, e não creio que vocês saibam de tudo”, disse. “Acreditem em mim.” 

 

Em uma prévia aos jornalistas, um conselheiro sênior da Casa Branca descreveu o discurso como “profundamente filosófico” que explicaria “como a América se posiciona no mundo, como opera e quais os seus valores”. 

 

Este tem sido um tema de intenso debate na Casa Branca, dividida entre defensores de uma política externa tradicional e conselheiros que ajudaram Trump a moldar sua agenda “América first”. Inicialmente, Trump tinha tirado a política externa das suas prioridades, mas logo migrou para um comportamento mais tradicional. 

 

O discurso na ONU eliminou esse conflito quase ao ponto da incoerência. Em tributo à generosidade americana no cenário mundial, Trump citou vários programas de saúde globais financiados pelos EUA que o orçamento que sua administração reduziu significativamente. Elogiou o Plano Marshall, que reconstruiu a Europa após a Segunda Guerra Mundial, mesmo que tenha prometido repetidamente que os dias dos Estados Unidos de construção da nação estão terminados. 

 

Em alguns momentos, sugeriu que seu comprometimento com a soberania - palavra repetida 21 vezes em um discurso de 40 minutos - levaria a uma política externa menos intervencionista. 

 

Em outros, indicou um papel mais abrangente dos Estados Unidos. Foi seletivo na sua visão dos “caras maus” - Coreia do Norte, Irã, Cuba, Síria e Venezuela -, cujos regimes não merecem respeito. Fez breves menções a Rússia e China, elogiadas por terem votado recentemente por sanções da ONU à Coreia do Norte. 

 

Definiu o Irã como “um regime assassino” que precisa ser detido. “O governo iraniano esconde uma ditadura corrupta sob o disfarce de uma falsa democracia”, disse. 

 

A mensagem de Trump parecia mais confusa quando ele incluiu a Venezuela na lista de inimigos que haviam perdido alguns aspectos de sua soberania. Neste caso, Trump disse que o respeito dos Estados Unidos pela soberania é também "um chamado à ação". Em um não intencional eco à agenda do ex-presidente George W. Bush, ele disse que os Estados Unidos poderiam ajudar os venezuelanos a “recuperar sua liberdade, seu país e sua democracia”. 

 

Trump atribuiu o quase colapso da Venezuela à imposição de uma ditadura socialista mais de que ao autoritarismo e à corrupção, como diz a maioria dos especialistas. Ele prometeu que os Estados Unidos entrarão em ação se o governo venezuelano persistir neste caminho. 

 

Discurso e prática 

Não está claro como a ênfase de Trump na soberania levaria à colaboração global que ele prometia no discurso. Existe um consenso geral sobre a ameaça representada pela Coreia do Norte, mas a China e a Rússia têm uma ideia algo diferente de onde seus interesses soberanos nacionais estão na determinação de como enfrentar Pyongyang. No Irã, enquanto o mundo muçulmano sunita e Israel compartilham amplamente a opinião dos Estados Unidos de que o acordo nuclear é prejudicial, a maioria dos aliados europeus pensa diferente. 

 

As questões globais que ocuparam os predecessores de Trump não foram mencionadas ou foram observadas apenas de passagem. O presidente Barack Obama usou seu último discurso perante as Nações Unidas para alertar sobre as severas tensões no sistema internacional que os Estados Unidos construíram na sequência da Segunda Guerra Mundial. 

 

Em contrapartida, Trump se queixou de "tribunais internacionais inexplicáveis e poderosas burocracias globais" que minaram a soberania das nações. Ele não discutiu as mudanças climáticas, os direitos humanos ou o processo de paz no Oriente Médio que tinha sido um elemento básico dos discursos dos presidentes anteriores. 

Também não reconheceu o sofrimento na Birmânia, também conhecido como Myanmar, onde a "limpeza étnica" das Nações Unidos matou quase meio milhão de pessoas do país nas últimas semanas. 

 

Funcionários da Casa Branca descreveram o discurso como parte de uma trilogia que começou em maio na Arábia Saudita, onde Trump descreveu pela primeira vez uma política externa de "realismo de princípios" e continuou durante suas observações de julho na Polônia. O discurso na ONU fez eco da ênfase dos discursos anteriores sobre os "resultados do mundo real" em relação à "ideologia inflexível". 

 

Mas o discurso pronunciou os Estados Unidos e Trump em um papel muito maior no cenário global. Ao cuidar dos interesses dos EUA e defender os princípios de soberania e patriotismo, Trump disse que esperava despertar um "renascimento de devoção" em todo o mundo. Nas Nações Unidas, Trump era um presidente "América primeiro" com ambições globais e globais. 

A repercussão entre os aliados

Silêncio no Japão e na Coreia do Sul, preocupação na China e na Rússia. Como o duro discurso de Trump contra a Coreia do Norte repercutiu nos principais aliados americanos na Ásia. 

 

China: a piora de uma situação volátil

O jornal nacionalista Global Times publicou uma charge em que Trump segura um megafone e grita “America First”. O diário estatal China Daily disse que Trump fez um discurso cheio de som e fúria. 

 

"O impasse perigoso de hoje foi o resultado da busca persistente de Pyongyang e Washington por seus próprios interesses, desconsiderando os esforços de outros países para persuadir os dois antagonistas a conversar", escreveu o Daily Daily em um editorial na quarta-feira de manhã. "Sua ameaça de ‘destruir totalmente’ [Coréia do Norte] se for necessário, portanto, provavelmente piorará a situação já volátil". 

 

Japão: silêncio eloquente

O silêncio do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, revelou-se particularmente eloquente porque ele estava ansioso para concordar com o pronunciamento de Trump sobre como lidar com a Coréia do Norte. Um porta-voz da Abe, Motosada Matano, recusou-se a comentar o discurso. 

 

 Coreia do Sul: Trump pela paz

O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, a quem Trump acusou de tentar "apaziguar" a Coréia do Norte ao querer falar com o regime, também tentou nas últimas semanas mostrar que está em sincronia com o presidente americano. O porta-voz de Moon evitou evitar reagir à linha de "destruição total" de Trump, dizendo que o discurso ressaltou a urgência de lidar com a Coréia do Norte e que Seul acreditava que o americano permaneceu comprometido com a paz. 

 

"Nós acreditamos que ele expressou uma posição firme e específica sobre a questão importante de manter a paz e a segurança agora enfrentando a comunidade internacional e as Nações Unidas. Mostrou claramente o quão sério o governo dos Estados Unidos trata essa questão", disse o porta-voz, Park Soo-hyun, em um comunicado. 

 

Rússia: inexperiência perigosa

Na Rússia, que tem defendido em grande parte os interesses da Coreia do Norte, embora tenha apoiado as sanções mais apertadas, as observações de Trump foram vistas como um perigoso tomador de instabilidade. Os líderes da política externa russa disseram que as declarações de Trump ecoavam sua inexperiência e eram potencialmente perigosas para os aliados dos EUA. 

 

"Qualquer conflito militar significa mortes de civis. É especialmente estranho que os EUA considerem a Coreia do Sul e o Japão seus aliados, e eles podem ser afetados em caso de greve", disse Andrei Klimov, presidente do comitê de assuntos estrangeiros da Câmara Alta da Rússia. 

 

Pelo menos "ao contrário de seus predecessores, ele não colocou a Rússia entre as principais ameaças à humanidade e até mesmo elogiou o nosso país por cooperar com o Conselho de Segurança sobre a Coréia do Norte", escreveu no Facebook Konstantin Kosachyov, outro membro da Câmara Alta do Parlamento russo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.