Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Criança triste
Alguns na esquerda têm feito um esforço concertado ultimamente para “normalizar” a pedofilia distorcendo a linguagem| Foto: Pixabay

Alguns na esquerda têm feito um esforço concertado ultimamente para “normalizar” a pedofilia distorcendo a linguagem e tirando o foco da preocupação com as possíveis vítimas para o próprio pedófilo. Esse é um precedente perigoso que todos devem entender e enfrentar.

Em uma entrevista de 8 de novembro com a Prostasia Foundation, uma organização sem fins lucrativos com sede em San Francisco supostamente dedicada a proteger as crianças, Allyn Walker ofereceu várias explicações e desculpas para os pedófilos — ou, como ele os chama, "pessoas com atração por menores".

Walker, professor assistente de sociologia e justiça criminal na Old Dominion University em Norfolk, Virgínia, disse: "Muitas pessoas quando ouvem o termo 'pedófilo', automaticamente presumem que significa um criminoso sexual, o que não é verdade, e isso leva a muitos equívocos sobre a atração por menores. ”

Autor do livro “A Long, Dark Shadow: Minor-Attracted People and Their Pursuit of Dignity” [Uma longa sombra negra: pessoas atraídas por menores e sua busca pela dignidade, em tradução livre], passou a explicar a diferença entre uma “pessoa atraída por menores” e um pedófilo, dizendo que o comportamento deve superar o desejo.

“Do meu ponto de vista, não há moralidade ou imoralidade ligada à atração por alguém, porque ninguém pode controlar por quem se sente atraído”, disse Walker. “Em outras palavras, não é por quem nos sentimos que está OK ou não. Nossos comportamentos em resposta a essa atração são OK ou não. ”

Mas isso poderia facilmente se tornar uma ladeira escorregadia.

A entrevista gerou indignação merecida entre os meios conservadores, e a Old Dominion University colocou Walker em licença administrativa.

Infelizmente, a visão de Walker está ganhando força entre alguns na elite acadêmica e na indústria do entretenimento — muitas vezes, o golpe duplo necessário para que um problema mude de marginal ou atípico para pelo menos um pouco aceitável para o mainstream.

O que é interessante aqui é que Walker não é tão direto quanto outros em Hollywood e na academia: Walker evita a palavra óbvia para alguém com pedofilia, "um distúrbio psiquiátrico em que um adulto tem fantasias sexuais ou se envolve em atos sexuais com uma criança pré-adolescente” — a definição literal — e coloca um nome mais inócuo e eufemístico nele.

Esse tipo de tentativa orwelliana de mudar as definições torcendo a linguagem deve ser confrontada até que seja amplamente reconhecida pelo que é.

Em julho de 2018, um palestrante do TEDx argumentou que a pedofilia deveria ser aceita como "uma orientação sexual imutável". A apresentação de Mirjam Heine, "Pedofilia é uma orientação sexual natural" na Universidade de Wurtzberg, na Alemanha, é a Prova A no esforço de fazer a pedofilia soar tão benigna quanto uma pessoa que adora doces, mas não se empanturra com a sobremesa.

“Segundo pesquisas atuais, a pedofilia é uma orientação sexual imutável como, por exemplo, a heterossexualidade. Ninguém escolhe ser um pedófilo. Ninguém pode deixar de ser ”, disse Heine. “A diferença entre a pedofilia e outras orientações sexuais é que viver essa orientação sexual terminará em um desastre.”

Embora Heine tenha notado com razão que abusar de crianças é "errado, sem dúvida", ela também disse que um "pedófilo que não maltrata crianças não fez nada de errado".

Isso parece um critério dramaticamente baixo para a sociedade civilizada e dificilmente uma área onde queremos mudar coletivamente nossos padrões culturais: a pedofilia é uma forma de parafilia, não uma orientação, e não é aceitável mesmo se o abuso não ocorrer.

O Washington Post publicou em junho uma coluna de opinião: “Sim, perversão tem a ver com o Orgulho LGBT. E quero que meus filhos vejam isso”, que buscou normalizar a aceitação e a tolerância ao desvio sexual pelas crianças. O filme “Cuties” da Netflix, que apresentava garotas adolescentes embonecadas e dançando de uma maneira sexualmente sugestiva, promoveu descaradamente a sexualização de crianças, e sua disponibilidade em uma plataforma tão popular fez com que parecesse normal e aceitável.

Embora a pedofilia — pelo menos até agora — continue repulsiva para a vasta maioria dos americanos, essa resistência pode ser erodida em estados onde residem mais criminosos sexuais ou onde o tráfico sexual é um problema, como Califórnia, Texas e Flórida.

É imperativo que os americanos vejam os esforços para normalizar a pedofilia pelo que eles são, independentemente de rótulos eufemísticos, e permaneçam firmes na defesa das crianças.

Como Rod Dreher escreveu em 12 de novembro em um artigo, "Normalizing Pedophiles" [Normalizando pedófilos], no site The American Conservative sobre a tentativa de conectar os desejos e a identidade de uma pessoa:

Se o desejo sexual é o equivalente à identidade, e se desejar sexualmente menores está no cerne da identidade de alguém, então como podemos estigmatizar ou suprimir os pedófilos se reconhecermos que outros tipos de minorias sexuais têm direitos civis?

Qualquer pessoa que viveu os últimos [20] anos sabe que a identidade sexual e a lei são uma ladeira escorregadia. Isso precisa ser esmagado agora, sem desculpas.

©2021 The Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]