Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Michael Oakeshott
Michael Oakeshott: inglês, acadêmico, conservador e apostador de corrida de cavalos| Foto: Reprodução

Michael Oakeshott faleceu em 18 de dezembro de 1990, um ano e um mês após a queda do Muro de Berlim. Três décadas depois, a influência do filósofo político britânico se espalhou pelo mundo. Embora ele seja significativamente mais conhecido agora do que no momento de sua morte, os profundos insights de Oakeshott ainda são muitas vezes esquecidos na sala de aula, como costuma acontecer com filósofos que desafiam as ortodoxias prevalecentes do campus. Assim, no 30º aniversário do seu falecimento, vale a pena reafirmar a sua constante relevância.

Embora Oakeshott seja geralmente conhecido como um “conservador” - e, portanto, rotineiramente excluído do mainstream acadêmico - sua filosofia política idiossincrática resiste à categorização partidária. Ele tinha pouco interesse no severo tradicionalismo de muitos de seus pares de direita e sempre manteve distância da política do dia-a-dia. Em vez de se deleitar com o prestígio de ser um filósofo conservador influente na Inglaterra de Margaret Thatcher, ele passou as últimas duas décadas de sua vida em uma pequena casa aquecida a lenha na costa de Dorset. Lá, manteve um perfil tão despretensioso que seus vizinhos rurais não sabiam quem ele era até que uma enxurrada de obituários foi publicada depois que ele faleceu. Como Paul Franco escreve nas páginas iniciais de "Michael Oakeshott: Uma introdução":

Os impressionantes obituários pegaram os aldeões de surpresa. Eles conheciam Oakeshott apenas como um homem alegre, embora ligeiramente recluso, notavelmente jovem para seus anos, que vivia com sua esposa artista nos arredores da cidade em uma cabana rústica de pedreiro. Ninguém sabia que ele era um filósofo famoso. Para as poucas dezenas de pessoas que compareceram ao seu funeral, um pastor de aldeia um tanto perplexo anunciou: "Parece que um grande homem viveu entre nós". Foi um epitáfio adequado para a lendária auto-anulação de Oakeshott. Quase todas as memórias que se seguiram à sua morte falam da modéstia e despretensão de Oakeshott. Ele desviou as honras públicas e até recusou o Companion of Honor quando oferecido por Margaret Thatcher. Quando os Beatles receberam a Ordem do Império Britânico, Oakeshott comentou sarcasticamente: “Perfeitamente apropriado. Honras vão para aqueles que as desejam.

Foi um fim nada surpreendente para o grande pensador do século XX. O jeito brincalhão que caracterizou Oakeshott procedeu de sua visão de que "uma vida humana é uma aventura em que uma consciência individual confronta o mundo que ele habita, responde ao que Henry James chamou de 'a provação da consciência' e, assim, age e se revela. ” Isso também explicava a afinidade de Oakeshott pela liberdade individual, que se baseava não em princípios abstratos de governo limitado ou direitos naturais, mas em seu profundo respeito pela capacidade do indivíduo de seguir seu próprio caminho em busca de “um curso auto-escolhido, mas amplamente imprevisto”.

Essa visão poética da experiência humana destacou Oakeshott de muitos de seus contemporâneos da direita. Enquanto teóricos conservadores influentes, como Leo Strauss ou Russel Kirk muitas vezes lamentavam os defeitos da modernidade e ansiavam pelo passado, o conservadorismo de Oakeshott mantinha uma afeição permanente pelo estado de coisas existente: "Ser conservador", escreveu ele, "é preferir o familiar ao desconhecido, preferir o experimentado ao não experimentado, o fato ao mistério, o atual ao possível, o limitado ao ilimitado, o próximo ao distante, o suficiente ao superabundante, o conveniente ao perfeito, o riso presente à felicidade utópica. ”

Mas a filosofia de Oakeshott não possui nenhum o utopismo ingênuo presente em muitas das tradições românticas mais radicais. Pelo contrário, é um esforço para desfrutar a aventura de ser humano, apesar dos limites fundamentais de nossa condição. A vida, para Oakeshott, é "uma situação difícil". Todos nós devemos enfrentar a dor da perda, a impermanência de nossos apegos mais preciosos e as incertezas de nossa existência contingente. O conservadorismo oakeshottiano envolve não tanto uma resistência teimosa à mudança, mas uma espécie de disposição resolutamente estóica em face da inevitabilidade da mudança. Assim, seu romantismo sempre teve um toque de melancolia.

Muitas vezes é difícil traduzir essa “disposição conservadora”, como Oakeshott a descreveu, em um programa político. Por essa razão, os conservadores americanos foram inicialmente céticos em relação ao filósofo britânico heterodoxo. Irving Kristol, por exemplo, descreveu o conservadorismo de Oakeshott como "muito abstrato e muito especificamente britânico" - e "irremediavelmente secular" para ser útil. (William F. Buckley Jr., por outro lado, logo se interessou por Oakeshott, convidando-o para ser um palestrante ao lado de Ronald Reagan e Barry Goldwater na comemoração do 20º aniversário da National Review em 1975.) Mas, embora Oakeshott raramente mencionasse qualquer uma espécie de agenda política concreta, seu pensamento, no entanto, apresenta uma visão séria e coerente da vida política.

A filosofia política de Oakeshott é talvez mais famosa por sua oposição ao surgimento do "racionalismo", uma consequência corrompida do projeto iluminista definido pela crença generalizada na unilateralidade da razão humana e da metodologia científica na conduta dos assuntos humanos. O racionalismo moderno aparece como uma espécie de confiança utópica na capacidade do homem de se livrar das superstições irracionais de sua herança, impulsionado pela ideia de que "cada geração, na verdade, cada administração, deve ver desenrolada diante de si a folha em branco da possibilidade infinita." O racionalista, escreveu Oakeshott, “se esforça para viver cada dia como se fosse o primeiro e acredita que formar um hábito é falhar”; ele está possuído por "uma profunda desconfiança do tempo, uma fome impaciente pela eternidade e um nervosismo irritável diante de tudo que é atual e transitório".

Encontramos essa ideologia em toda a nossa política hoje. Especificamente, a invocação da Ciência como uma espécie de divindade onisciente - mais recentemente visível nas justificativas políticas para os lockdowns - é uma manifestação da propensão racionalista para reduzir a vasta diversidade natural da experiência humana e conduzir a uma série de medidas numéricas, acessíveis através da investigação científica “objetiva”. Em última análise, o desejo racionalista de planejar centralmente uma esfera cada vez maior da vida humana de acordo com as metodologias de uma classe de "especialistas" é motivado pela suposta capacidade da administração tecnocrática de aperfeiçoar a condição humana. Entre muitas outras coisas, esse impulso impulsionou o crescimento do Estado administrativo, que teve consequências cada vez mais perturbadoras para a tradição constitucional anglo-americana que Oakeshott defendia.

Mas a crítica mais veemente de Oakeshott ao racionalismo foi a abreviação do aspecto poético da condição humana. O político racionalista, muitas vezes justificado por apelos a noções superficiais de "igualdade" ou "solidariedade", é "intolerante não só com a superioridade, mas com a diferença, disposto a permitir em todos os outros apenas uma réplica de si mesmo e unido a seus semelhantes em um repulsa pela distinção ”, escreveu ele. Esta é uma das grandes ironias do progressivismo moderno: ele proclama orgulhosamente um compromisso com a “diversidade” enquanto, ao mesmo tempo, impõe um número cada vez maior de regras, regulamentos e ditames burocráticos que servem para todos.

Esse tipo de uniformidade gerencial é antitético ao caráter aventureiro da experiência humana. Oakeshott acredita que essa experiência decorre da participação de indivíduos únicos e distintamente autodeterminados no que ele descreveu como “uma conversa, iniciada nas florestas primitivas e estendida e tornada mais articulada ao longo dos séculos”. Essa conversa, que “ocorre tanto em público como dentro de cada um de nós”, é a essência da civilização ocidental. Nossa herança compreende o que Oakeshott viu como diferentes vozes - a do "contemplativo, do poeta, do filósofo, do cientista que busca entender a estrutura da natureza, do historiador que ama o passado pelo seu próprio bem" - todos coletivamente "apreciando o que significa ser humano. ”

O apego de Oakeshott à tradição liberal originou-se de seu próprio apreço por esta conversa. Como um amigo de longa data de Oakeshott me disse em uma entrevista recente, "a ideia de conversação é uma maneira de mostrar profundo respeito pela capacidade dos seres humanos de pensar por si mesmos e de responder de forma inteligente ao mundo em que se encontram". Consequentemente, Oakeshott viu a ordem classicamente liberal como uma conquista enorme, caracterizada pela "disposição de cultivar a 'liberdade' inerente à agência, de reconhecer seu exercício como o ingrediente principal da dignidade humana, de desfrutá-la a quase qualquer custo, e conceder virtude à autonomia pessoal adquirida na autocompreensão. ”

Em meio a nosso caos político contemporâneo, muitos da direita parecem céticos em relação às raízes classicamente liberais de nosso sistema político. Mas a poderosa defesa de Oakeshott da liberdade individual não foi derivada das afirmações universalistas abstratas de John Locke ou do frio libertarianismo econômico de Friedrich Hayek, ambos os quais os novos "pós-liberais" tratam com escárnio. Em vez disso, nasceu de uma humildade persistentemente cética sobre os limites da possibilidade política - e de uma afeição poética, embora às vezes agridoce, pela experiência intelectual da liberdade humana. A filosofia de Michael Oakeshott era atemporal, acima de tudo, mas é excepcionalmente valiosa no ethos impaciente de nosso momento atual.

Copyright National Review 2020. Publicado com permissão. Original em inglês
6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]