Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Pós-liberalismo: por que as direitas não se entendem
| Foto: Bigstock

Nos Estados Unidos, está se formando uma corrente de pensamento cujos principais ideólogos apelidaram de “pós-liberalismo”. Esses intelectuais conservadores defendem o uso do poder político para o que consideram o bem comum. Suas ideias ajudam a compreender a profunda mudança que está ocorrendo nas direitas de outros países. Este é o primeiro artigo de uma série sobre a nova relação dos conservadores com o Estado.

A direita pós-liberal apresenta uma grande reclamação: em sua opinião, os conservadores estão perdendo a batalha de ideias contra o progressismo cultural – a visão moral da esquerda – por causa do liberalismo. O resultado é uma ordem social e política onde é cada vez mais difícil prosperar economicamente e buscar uma boa vida.

Por que eles dizem que a culpa é do liberalismo? Por três motivos:

Primeiro, porque a alergia do liberalismo econômico ao intervencionismo estatal privou os conservadores de um recurso muito valioso nessa batalha: o poder político.

Segundo, porque os postulados antropológicos defendidos pelos teóricos do liberalismo clássico minaram as causas conservadoras por dentro.

E terceiro, porque o liberalismo político contemporâneo estabeleceu regras do jogo – a neutralidade do Estado – que, na opinião dos pós-liberais, a esquerda não cumpre.

O pós-liberalismo é uma doutrina em construção. Contribuindo para o perfil dela nos EUA estão quatro pensadores que começaram a publicar o boletim The Postliberal Order em novembro passado: Patrick J. Deneen, Gladden Pappin, Adrian Vermeule e Chad Pecknold. Fora deste grupo, outros nomes de destaque são: Sohrab Ahmari, Yoram Hazony e Rod Dreher, embora mantenham diferenças entre eles. No Reino Unido, o pós-liberalismo de Adrian Pabst, partidário de uma esquerda favorável aos valores familiares e religiosos, está dando o que falar.

Um consenso morto

A primeira razão para criticar o liberalismo é melhor compreendida à luz do contexto americano. Durante a Guerra Fria, a direita se organizou em uma coalizão anticomunista que fundiu três tradições distintas: conservadores, liberais econômicos e intervencionistas de política externa (neocons). Daí surgiu um pacote de posições que podem ser mais ou menos resumidas assim: valores familiares, laissez faire na economia e cruzadas pró-democracia no exterior.

Os pós-liberais acreditam que, com essa aliança, o conservadorismo saiu perdendo. O ensaísta Tanner Green explica muito bem: se os neoconservadores sobrecarregaram a credibilidade dos conservadores com as guerras no Iraque e no Afeganistão, os neoliberais lhes negaram a possibilidade de usar o poder público para promover sua visão moral. “Esta é a verdadeira causa do desânimo da Nova Direita: os conservadores perderam a guerra cultural, e essa derrota – eles sustentam – foi culpa de seu próprio lado. A esquerda nunca é privada de usar o estado para fazer um mundo mais woke, mas nunca nos foi permitido responder da mesma maneira.

A frustração pós-liberal com o anti-estatismo fica evidente na declaração “Contra o Consenso Morto”, publicada em 2019. Ahmari, Dreher, Deneen e o restante dos signatários – há apenas uma mulher em uma lista de 15, a colunista Julia Yost – reprova a velha entente republicana que se limitou a defender “valores tradicionais da boca para fora”, enquanto o conservadorismo se distorceu ao apoiar causas que lhe são estranhas.

Para reequilibrar as coisas, os pós-liberais se recusam a continuar proclamando como "dogmas" conservadores certos princípios liberais, como o estado mínimo, o livre comércio ou a livre circulação de pessoas. E exigem que o Partido Republicano aproveite o espaço aberto por Donald Trump e se envolva mais na batalha cultural (ver: Debate sobre o conservadorismo pós-Trump).

Novos aliados

Em um artigo intitulado “Do conservadorismo ao pós-liberalismo: o direito após 2020”, Gladden Pappin, editor-chefe de Assuntos Americanos e professor associado de ciência política da Universidade de Dallas, amplia o argumento. Em sua opinião, “a visão liberal do Estado como garantidor da paz e das liberdades individuais” não é suficiente para melhorar as condições materiais de vida dos americanos que estão sendo deixados para trás ou para reverter a crise de valores.

Para Pappin, a vitória de Trump em 2016 sugere que há uma importante base de eleitores “a favor de uma maior intervenção estatal”, seja para orientar a produção econômica de acordo com o interesse nacional, seja para coibir os efeitos desintegradores do progressismo cultural nas famílias. Agora a direita deve decidir se segue o caminho iniciado por aquele republicano heterodoxo ou se volta à ortodoxia do laissez faire.

Na prática, optar pela primeira significaria forjar um novo consenso à direita. Como explica em artigo recente Patrick J. Deneen, professor de filosofia política da Universidade de Notre Dame, a aliança estaria aberta a todos os eleitores que quisessem “uma ordem política e social inspirada nos velhos temas econômicos da classe trabalhadora que a esquerda outrora propôs, e que quer priorizar o uso do poder público para fortalecer as instituições cívicas e familiares guardadas pela direita”.

Não somos indivíduos autônomos

A segunda razão para a desconfiança conservadora do liberalismo é mais filosófica. Os signatários da declaração “Contra o Consenso Morto” não se opõem ao antigo consenso republicano apenas por estratégia ou cálculo político. Há uma razão mais profunda: a rejeição dos pressupostos antropológicos que fundamentam a filosofia liberal e, sobretudo, em relação ao que consideram o traço mais nocivo do liberalismo: a "fetichização da autonomia"; o culto do individualismo extremo, sem outro limite que a proibição de não prejudicar os outros.

Certamente, o pensador pós-liberal que melhor abordou essa questão é Deneen. Em sua opinião, não vale dizer que o liberalismo contemporâneo distorceu a tradição liberal clássica. Ao contrário, o problema – como ele explicou em seu livro Why Has Liberalism Failed? (2018)– é que essa doutrina executou bem demais a visão de homem em que se baseia.

O liberalismo, diz Deneen, é apresentado como uma doutrina que deixa os indivíduos em paz, pois se limita a permitir que cada um persiga sua própria ideia do que seria uma vida boa. Mas a verdade é que essa doutrina também aspirou desde suas origens a transformar as pessoas e a sociedade, orientando-as para uma autonomia sem limites. Afinado com o comunitarismo, ele critica o fato de que liberdade se tornou sinônimo de emancipação de qualquer tipo de vínculo, costume ou tradição. O paradoxo é que esse indivíduo autônomo (e isolado) precisa cada vez mais do Estado para realizar seus desejos de libertação.

O jornalista Sohrab Ahmari, ex-chefe de opinião do New York Post e protagonista de um importante debate na esfera conservadora cristã, sugere outro paradoxo: o projeto libertário de emancipação não combina bem com a tolerância liberal, porque a lógica da autonomia absoluta leva a buscar o consentimento daqueles que têm uma visão obscura da permissividade moral. Como ele diz em seu já famoso artigo “Against David French-ism”, os defensores da autonomia máxima argumentam da seguinte forma: “Para nos sentirmos totalmente autônomos, você deve aprovar nossas decisões sexuais (…); sua desaprovação nos faz sentir menos do que totalmente livres.”

O pós-liberalismo nos salvará?

Os diagnósticos pós-liberais muitas vezes adicionam novas perspectivas a um debate público saturado de tópicos e dão o que pensar sobre as fraquezas do liberalismo, muitas vezes negligenciadas por suas muitas realizações. Mas permanece a questão de saber se o individualismo extremo e outros males que denunciam estão tão intimamente ligados a uma ideologia específica. O nacional-populismo, o socialismo, o pós-liberalismo... nos tornariam menos individualistas? Devemos realmente continuar esperando que surja uma ideologia que salve a humanidade?

Em seu ensaio Por que o liberalismo falhou?, Deneen enfatizou a necessidade de desenvolver certos hábitos que renovem a cultura, a economia e a política: "Não uma teoria melhor, mas práticas melhores". Isso não impede que uma filosofia melhor surja dessas práticas ao longo do tempo. Agora, no entanto, parece que Deneen voltou suas energias para a articulação política – o estatismo incluído – da visão pós-liberal. Até que ponto ele se afastou de seu projeto de promover modos de vida e comunidades que são "faróis de luz e hospitais de campanha" em meio à polis?

Tampouco está claro que todos os males que ocorrem nas democracias liberais sejam atribuíveis ao liberalismo. Talvez a chave esteja no que cada um é capaz de construir sozinho e em associação com os outros – e com uma liberdade invejável, diga-se de passagem – dentro desse quadro político que é a ordem liberal. Richard J. Neuhaus (1936-2009), referência intelectual do catolicismo americano por muitos anos, apontava nessa direção: “A Igreja deve propor – incessante, corajosa, persuasiva, atraente. Se nós, que somos a Igreja, não fazemos isso, a culpa não é da democracia liberal, mas de nós mesmos” (ver: A difícil prática do liberalismo).

Falsa neutralidade

Essa objeção nos leva diretamente à terceira queixa dos pós-liberais: somos todos igualmente livres para pensar e viver como quisermos, dentro dos limites estabelecidos pela lei? Também no espaço público? Isso inclui os crentes?

Se prestarmos atenção ao filósofo John Rawls (1921-2002), podemos esperar pelo menos duas coisas das sociedades liberais: flexibilidade para acomodar as diferentes visões de mundo e estilos de vida que competem no espaço público; e neutralidade por parte do Estado que, como árbitro imparcial, se limita a garantir que todos possam participar dessas disputas “como cidadãos livres e iguais”.

Contudo, é exatamente isso que os críticos dessa versão idílica do liberalismo questionam. A neutralidade é um mito, porque o estado liberal toma partido de certas visões de mundo. Por exemplo, quando permite que as escolas públicas inculquem uma visão de família e sexualidade contrária ao que os pais ensinam aos filhos; ou quando as autoridades obrigam, sob pena de multa, uma pessoa ou entidade a agir contra a sua consciência ou a sua ideologia; ou quando as convicções morais dos crentes que aspiram a cargos públicos são submetidas a escrutínio especial, como se os não crentes não as tivessem, etc.

Nesses casos, o Estado liberal não cumpre suas próprias regras, e o progressismo cultural – cada vez mais militante – se aproveita disso. Até recentemente, a resposta conservadora a esses dois pesos e duas medidas era promover medidas que reforçassem a proteção jurídica dos direitos e liberdades que o liberalismo promete defender: liberdade de pensamento, expressão, consciência. Nesse sentido, é urgente levar a sério os recursos disponíveis para as democracias liberais para acomodar e abrir espaço para aqueles com visões de mundo conflitantes.

No entanto, a direita pós-liberal desconfia do sistema e não vê possível corrigir essa situação com as regras do liberalismo. É por isso que ele censura o conservadorismo dominante por sua atitude defensiva: em vez de se preocupar em promover sua visão moral, diz Deneen em outro artigo, os conservadores insistiram em defender o "bom liberalismo"; ou seja, aquela que é verdadeiramente neutra diante das diferentes concepções do bem e que permite a todos vivermos razoavelmente em paz.

E assim eles erraram completamente, na opinião de Deneen, porque mudaram o nobre ideal de ordenar a sociedade em direção ao bem comum para o "indiferentismo liberal". Eles se concentraram em afirmar seu direito de existir e discordar, enquanto negligenciavam promover sua concepção de boa vida . Enquanto isso, o progressismo cultural – que não é nem relativista, nem neutro, pois persegue suas causas “com uma determinação feroz e inabalável” – não hesitou em avançar em sua agenda.

Bem comum e pluralismo

Até aí temos o essencial do diagnóstico de Deneen. O curioso é que, de repente, ele assume o papel de vítima e lamenta as críticas que lhe são dirigidas pelos conservadores mainstream, a quem acaba de criticar: os pós-liberais devem suportar, diz ele, “não apenas a ira dos progressistas, claro, mas também a dos 'liberais clássicos', os chamados conservadores que talvez sejam ainda mais agressivos em sua oposição a um concorrente do liberalismo”. Mas o que Deneen espera? Que ninguém conteste sua visão do que ele chama de "conservadorismo do bem comum"? Ele será capaz de aceitar que outros conservadores ou progressistas de qualquer facção não compartilhem de sua ideia de bem comum?

Mais uma vez, lendo o último Deneen, fica-se com a impressão de que ele se afastou do ensaio que o tornou mundialmente famoso. Se ele então disse coisas como "é justo reconhecer as conquistas do liberalismo, e o desejo de 'voltar' a uma era pré-liberal deve ser recusado", agora ele concede muito pouco. E embora o alvo principal de sua crítica seja o relativismo (à direita e à esquerda), surge a questão de saber se ele guarda reservas sobre o pluralismo, como quando se surpreende que haja conservadores que apelam ao "pluralismo de fato" para não impor algo por lei. Tenha em mente que quando os pós-liberais falam em "usar o poder do Estado a serviço do bem comum", eles misturam várias coisas. Algumas medidas são muito semelhantes – e até mais curtas – às do Estado de Bem-Estar Europeu. Outros olham para as políticas de Viktor Orbán. E outras são de um novo tipo, com implicações no campo dos valores. Veremos no próximo artigo da série.

*Juan Meseguer é ensaísta, poeta, doutor em sociologia e redator chefe do site espanhol Aceprensa.

©2022 Aceprensa. Publicado com permissão. Original em espanhol.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]