i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

AGU se manifesta contra a descriminalização do aborto

Documento afirma que mudanças devem ser feitas pelo Congresso e que não existe direito constitucional ao aborto

  • PorDa Redação
  • 04/05/2017 17:23
 |
| Foto:

A Advocacia-Geral da União (AGU) manifestou-se na quinta-feira (27) contrária a mudanças na legislação sobre o aborto. O posicionamento é uma resposta à convocação da ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), relatora da ADPF 442. A ação, ajuizada pelo PSOL, pede a descriminalização do aborto até a 12ª semana de gestação. No documento de 48 páginas enviado à relatora, a AGU afirma, a partir de jurisprudência do próprio STF, que o tribunal não poderia se comportar como “legislador positivo”, o que implicaria uma violação da separação dos poderes. Na manifestação, a AGU afirma ainda que não existe, no Brasil, “um suposto direito constitucional da mulher ao aborto”. A Câmara, o Senado e o presidente Temer também já se manifestaram contrariamente às mudanças.

Leia mais: Defesa da vida desde a concepção

Para a AGU, o que pedido quer não é a interpretação da Constituição, mas uma inovação legislativa, contra a vontade do Congresso, pela via judicial: “na espécie, o pedido formulado pelo requerente não é de mera interpretação do texto legal em vigor, mas de efetiva criação de uma nova hipótese de excludente de tipicidade, consistente na fixação de um prazo no qual a realização do aborto passaria a ser admissível. Trata-se, como se nota, de verdadeira inovação legislativa, com o estabelecimento de um período de licença: para a realização do aborto, em substituição à explícita decisão legislativa de manter a tipificação penal de tal conduta”. 

O documento da AGU traz citações de debates da constituinte brasileira, para mostrar que os deputados constituintes escolheram deixar a regulação do aborto para a legislação ordinária, e não para a Constituição. “A ausência de disposição constitucional a respeito do aborto não derivou de suposto descuido ou omissão dos parlamentares. Tem-se, na verdade, uma clara decisão do Poder Constituinte originário no sentido de delegar, ao legislador infraconstitucional, a competência para dispor sobre o tema, mantendo, desse modo, a vigência da legislação pré-constitucional”, escreve a AGU. 

Ademais, desde a promulgação da Carta de 1988, o aborto tem sido objeto de reiterados debates pelo Congresso Nacional, o qual, como dito, não permaneceu inerte sobre a matéria

Precedentes

A AGU argumenta ainda que as decisões passadas do STF que liberaram a pesquisa com embriões fertilizados in vitro (ADI 3510) e introduziram a hipótese dos fetos anencefálicos entre os casos não puníveis de aborto (ADPF 54) não flexibilizaram a proteção da vida desde a concepção. 

Segundo o texto, na decisão da ADI 3510, o STF “preocupou-se em não permitir que o procedimento de fertilização fosse utilizado com o objetivo de produzir embriões para pesquisa. Demonstrou, assim, o reconhecimento de um núcleo essencial de direitos fundamentais para os embriões in vitro”. Ademais, a AGU lembra que o tribunal reconheceu expressamente que o caso dos embriões fertilizados in vitro não poderia ser precedente para o aborto. 

Já em relação à ADPF 54, a AGU afirma que o tribunal não fez uma escolha entre os direitos do feto e os direitos da mulher, porque, na verdade, reconheceu apenas que o feto anencefálico não possui expectativa de vida. “O fundamento utilizado para permitir a interrupção da gravidez foi a completa ausência de potencialidade de vida do feto anencefálico, conclusão que não pode ser estendida, por óbvio, à questão suscitada na presente arguição”, diz o documento.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.