i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
asfixia

Ex-funcionárias de creche são condenadas por morte de criança com leite regurgitado

Para Justiça, o acidente, que poderia ter sido facilmente evitado, justifica o pagamento de indenização por parte das funcionárias à mãe da criança

    • São Paulo
    • Estadão Conteúdo
    • 23/10/2018 11:01
    Imagem ilustrativa. | Unsplash/
Reprodução
    Imagem ilustrativa.| Foto: Unsplash/ Reprodução

    Duas ex-funcionárias de uma creche de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, foram condenadas a indenizar em R$ 200 mil a mãe de um garoto morto por asfixia após ingerir leite regurgitado. O caso aconteceu em 2010.

    A decisão é da 2ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), em apelação de uma das acusadas, que pleiteava a redução do valor da indenização e alteração na forma de arbitramento da pensão.

    As rés também deverão pagar pensão mensal correspondente a 2/3 do salário mínimo, desde a data em que a criança completaria 14 anos até a data em que faria 25. A partir de então, o valor passa a ser de 1/3 do salário mínimo até o momento em que atingiria 65 anos de idade. As informações foram divulgadas pelo TJ-SP.

    Leia também: Município deve indenizar criança mordida em creche

    A desembargadora Marcia Dalla Déa Barone, relatora da ação na Corte, afirmou que a sentença de primeiro grau “deu correta solução ao caso, o que impõe sua manutenção”.

    “Com efeito, a morte prematura do filho da autora, em tenra idade, causada por acidente que poderia ter sido evitado caso tivessem sido observados os cuidados mínimos exigidos ao se supervisionar um menor, causou danos psicológicos à autora, que devem ser indenizados e dispensam comprovação”, pontuou a juíza.

    Além da relatora, participaram do julgamento os desembargadores Rosangela Telles e José Joaquim dos Santos. A votação foi unânime.

    Leia também: Pais veganos são condenados por morte de bebê

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.