i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
afronta constitucional

Morador de rua era mantido preso por não ter endereço fixo

Condenado por furto, homem tinha direito ao regime aberto, mas Justiça o manteve preso. Defensoria Pública precisou recorrer ao STJ para reverter a situação

    • São Paulo
    • Agência Estado
    • 19/09/2017 18:46
    Imagem ilustrativa. | Reprodução/Pixabay
    Imagem ilustrativa.| Foto: Reprodução/Pixabay

    A Defensoria Pública de São Paulo precisou recorrer até o Superior Tribunal de Justiça (STJ) para garantir a liberdade a um homem preso por furto. Pela pena imposta, ele teria direito ao regime aberto, mas a Justiça o manteve preso por viver na rua e não ter endereço fixo. As informações foram divulgadas pela Coordenadoria de Comunicação Social e Assessoria de Imprensa da Defensoria.

    Segundo a Defensoria, o homem vive nas ruas de Ribeirão Preto, interior de São Paulo, e possui apenas um registro criminal por furto, sendo até então primário. Sua condenação tinha sido convertida em prestação de serviços à comunidade, mas como não cumpriu a medida, foi imposto a ele o cumprimento de pena em regime aberto - tipicamente aplicada a réus primários condenados por furtos. Nesses casos, as pessoas devem comparecer mensalmente ao Fórum local, além de se comprometerem a ficar recolhidos em suas residências no período noturno.

    No entanto, ao comparecer em cartório para ser advertido sobre as condições do regime aberto, o homem declarou que é morador de rua. Por isso, a decisão do juiz de primeira instância em Ribeirão Preto considerou que, pelo fato de o acusado não ter endereço fixo, não poderia cumprir a pena em regime aberto - e determinou sua prisão.

    Leia também: Adoção póstuma é possível, reconhece STJ

    Segundo a decisão, seria “inviável a manutenção do regime de cumprimento de pena aplicado [prisão em albergue domiciliar], vez que o sentenciado não terá como cumprir as condições impostas no benefício que lhe fora concedido, pois inviável a comprovação de residência fixa, que deveria ser ratificada trimestralmente quando comparecesse em juízo”. Por isso, o juiz decidiu manter o sentenciado, cautelarmente, em regime fechado, voltado aos condenados a pena superior a oito anos.

    A defensora pública Vanessa Pellegrini Armenio de Freitas impetrou habeas corpus ao Tribunal de Justiça de São Paulo, “que não viu urgência para análise de pedido liminar”. Vanessa levou o caso ao STJ.

    “Ao sentenciado foi retirada a possibilidade de cumprir a pena em regime aberto, única e exclusivamente por ser morador de rua, tendo a ele sido negado o direito de exercício do contraditório antes de decisão ilegal e contrária a sua liberdade”, sustentou a defensora.

    “Nota-se na decisão evidente afronta aos princípios constitucionais da individualização da pena e da igualdade material, uma vez que se o paciente não fosse miserável, hipossuficiente e não estivesse em situação de rua, cumpriria sua pena em regime aberto”, argumentou Vanessa. “Se prevalecer o entendimento anterior, nenhuma pessoa em situação de rua terá direito a cumprir pena em regime aberto, estabelecendo-se verdadeira discriminação e distinção entre classes sociais no que tange a aplicação da pena”.

    Confira: Pai espanca e corta à força os cabelos da filha, mas é absolvido pela Justiça

    A advogada destacou ainda que não foram tentadas alternativas de vínculos comunitários para o acolhimento do sentenciado, “pois conforme depreende-se dos autos, nem sequer foi realizada qualquer tentativa de contato com instituições que acolhem indivíduos em regime aberto que vivem em situação de rua para que pudesse informar sobre a possibilidade de acolher o sentenciado”.

    Segundo a Defensoria Pública do estado, na decisão liminar, do dia 5 de setembro, o ministro do STJ Ribeiro Dantas entendeu que “malgrado a comprovação de residência fixa constitua exigência para o ingresso no regime prisional aberto, a impossibilidade de fazê-lo, por ser o apenado morador de rua, não justifica, por si só, sua manutenção em meio prisional mais gravoso do que o cabível, restando evidenciada flagrante ilegalidade”.

    O ministro ressaltou ainda, segundo divulgou a Defensoria, que a regra da Lei de Execução Penal que exige comprovação de trabalho e de endereço para o ingresso no regime aberto deve ser flexibilizada à luz da realidade social brasileira. “Forçoso destacar, ainda, que o paciente [morador de rua] apenas ostenta uma condenação transitada em julgado, por crime despido de violência ou grave ameaça”, observou o relator ao deferir a liminar.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.