Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Ler e Pensar
  3. O mundo dos bichos

ANIMAL

O mundo dos bichos

Alunos do Colégio Sesi de Toledo aprendem sobre maus tratos e realizam feira de adoção de animais

  • Toledo 
  • Colégio Sesi
Durante a feira de adoção realizada, 90% dos animais conseguiram um novo lar e 100 quilos de ração foram arrecadados |
Durante a feira de adoção realizada, 90% dos animais conseguiram um novo lar e 100 quilos de ração foram arrecadados
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O Paraná é o estado que tem o maior número de residências com cachorros, de acordo com uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), realizada em 2015. Enquanto no Brasil mais de 44.3% dos domicílios possuem cachorros e 17.7% gatos, o Paraná tem 60.1% de casas com cães e 16.4% com gatos.

Embora os dados demonstrem apego dos paranaenses aos seus bichinhos de estimação, ainda são comuns as notícias ou informações relacionadas a maus tratos. O Brasil, no entanto, possui legislação e autoridades responsáveis pela manutenção da lei e pela punição de crimes. 

A curiosidade e a reflexão quanto às leis, ao tratamento, aos cuidados e aos maus tratos motivaram a Oficina Pets – O Mundo Secreto dos Bichos, entre alunos e professores do Colégio Sesi de Toledo, no Oeste do estado. 

“Tivemos o objetivo de levar o tema às famílias e à sociedade em geral, para conscientizá-los de como é bom ter um amigo animal, além de mostrar que optar por não ter um bichinho não nos dá o direito de maltratá-los ou abandoná-los”, explicou a professora Carolina Vieira Gomes, responsável pela oficina. 

Segundo ela, a ideia foi orientar a população da cidade sobre as condições às quais esses animais muitas vezes são submetidos, como o comércio ilegal, o abandono e os maus tratos. 

Conscientização 

A oficina teve início com uma expedição investigativa, em que cerca de 40 estudantes de primeira e segunda séries do colégio buscaram informações em reportagens produzidas pelo jornal Gazeta do Povo, a partir do Projeto Ler e Pensar. 

“Os alunos leram e analisaram matérias relacionadas a questões sociais, a problemática do abandono e dos maus tratos, e ainda o trabalho desenvolvido pelas OSCs de proteção. Tudo isso chamou a atenção dos jovens para um trabalho de conscientização sobre a adoção e os cuidados com os animais domésticos”, afirmou Carolina. 

Além das reportagens lidas em sala de aula, os estudantes trabalharam o livro Baleia, de Graciliano Ramos, e assistiram ao filme Pets – O Mundo Secreto dos Bichos. 

Eduarda Meister Forcolin e Itauana Braun dos Santos, de 16 anos, são alunas da segunda série e participaram, no ano passado, da oficina. Para elas, as atividades desenvolvidas trouxeram esclarecimentos e a percepção da importância de ajudar. “Toledo tem muitos animais de rua, abandonados. Faço um apelo para que as pessoas ajudem, porque as OSCs não têm fundos suficientes para atender a todos e correm o risco de fechar”, disse Eduarda, que é dona da shitzu Julieta. 

Além de livro e filme em sala de aula, os estudantes tiveram envolvimento direto com a Associação dos Focinhos Carentes de Toledo (Afocato). “Foi com a ajuda da associação que percebemos que os animais também querem cuidado. Com um simples gesto, ficamos motivados e vimos como é bom ajudar”, afirmou Itauana. 

Envolvimento 

Os alunos se envolveram desde o primeiro momento com a oficina, que se desdobrou ao final em uma feira de adoção de animais e doação de pacotes de ração, destinados à Afocato. A ação foi realizada no Lago Municipal, no início de dezembro e depois de três meses de oficina. Itauana e Eduarda asseguram que 90% dos cãezinhos levados para a feira foram adotados. Além disso, cerca de 100 quilos de ração foram arrecadados. 

“A participação dos alunos e o envolvimento com a causa demonstraram a importância de o educador inserir os alunos nas expedições investigativas, pois essas interações são de grande valor. Pudemos criar um pensamento coletivo de ajuda e acolhimento aos animais abandonados”, avalia a professora. 

“Minha conclusão é de que foi um sucesso, porque até hoje os alunos compartilham experiências e isso significa que nosso objetivo foi alcançado, provocando uma transformação – mesmo que pequena – na vida deles”, finalizou a professora.

O texto foi produzido pela Gerência de Educação Básica e Continuada do SESI, que mensalmente mostrará neste espaço os resultados do Projeto Ler e Pensar em suas escolas.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE