Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Soltando a voz contra o Bullying
| Foto: Divulgação

Três em cada dez brasileiros de 15 anos dizem sofrer bullying na escola, segundo dados do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), divulgados em 2019. A pesquisa também revela que os adolescentes nascidos no Brasil são alvo desse tipo de violência com mais frequência e de mais formas do que a média dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Segundo matéria publicada na Gazeta do Povo, e utilizada pela professora como material para o desenvolvimento da prática, “o bullying compreende comportamentos com diversos níveis de violência que vão desde chateações inoportunas ou hostis até fatos agressivos, sob forma verbal ou não, intencionais e repetidas, sem motivação aparente, provocado por um ou mais estudantes em relação a outros, causando dor, angústia, exclusão, humilhação e discriminação.”

O tema, que vem ganhando cada vez mais espaço nas escolas, também vem ganhando destaque na legislação. No ano de 2015 foi aprovada a lei 13.185/2015, do Programa de Combate à Intimidação Sistemática, conhecida também como Lei Antibullying, que prevê ações de prevenção, conscientização e educação contra esse tipo de violência.

Contra a violência: Educação

Foi por entender a importância desse tema e observar algumas situações no ambiente escolar que as professoras Mary Sônia Dutra de Alencar e Evanilda Leocádio Simas, da Escola Estadual Ministro Waldemar Pedrosa, de Parintins (AM), criaram o Projeto: “Soltando a Voz, eu ‘tô’ melhor agora!”, voltado ao 4º ano do Ensino Fundamental.

A turma iniciou as discussões por meio de uma assembleia que abordava as situações de convivência na escola e tinha o objetivo de introduzir e explicar o conceito. O próximo passo foi conhecer e estudar a Lei Antibullying, interpretando o texto e desvendando os termos desconhecidos pelas crianças.

Depois de acessar outros materiais e levantar alguns questionamentos como, por exemplo, a relação entre os avanços tecnológicos e dos meios de comunicação e o cyberbullying, os alunos decidiram que criar textos, de diversos gêneros, seria uma ótima forma de levar o conhecimento a toda comunidade escolar. Por fim, as crianças colocaram a mão na massa e produziram materiais que foram compartilhados com toda a comunidade no site da escola.

Segundo o relato da professora Mary Sônia, do Ler e Pensar, os resultados foram muito positivos. “A partir do projeto, as crianças já demonstram uma maior sensibilidade e respeito na forma de tratamento entre os pares, colegas e demais pessoas”, destaca. Aliás, respeito foi a palavra que mais apareceu nas produções e diálogos dos estudantes, que desde cedo já entendem que a diversidade contribui para um mundo mais interessante.

Quer aprender a usar o jornal para tornar suas práticas mais estimulantes também? Inscreva-se gratuitamente no Ler e Pensar. Ao fazer parte do projeto você participa da Formação Ler e Pensar 2021 que ensina tudo que você precisa saber sobre como usar o jornal pedagogicamente e tornar suas aulas mais atrativas, além de oferecer certificação de 40h ou 60h, e acesso a outros benefícios como a assinatura da Gazeta do Povo, tudo isso gratuitamente!

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]