Venezuelanos cruzam a ponte Simon Bolívar para sair de seu país rumo à Colômbia, em julho de 2016. Desde 2015, a ONU estima que 1,6 milhão de venezuelanos tenham deixado o país | GEORGE CASTELLANOS/AFP
Venezuelanos cruzam a ponte Simon Bolívar para sair de seu país rumo à Colômbia, em julho de 2016. Desde 2015, a ONU estima que 1,6 milhão de venezuelanos tenham deixado o país| Foto: GEORGE CASTELLANOS/AFP

Para o regime venezuelano, o fluxo de cidadãos que estão deixando o país é “normal”. 

O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou nesta segunda-feira (3) que 600 mil venezuelanos saíram do país nos últimos dois anos, contestando os números divulgados pela agência de migração da Organização das Nações Unidas (ONU), que afirma que 1,6 milhão de cidadãos deixou a Venezuela desde 2015.

“Claro que um grupo de venezuelanos, devido aos distúrbios, violência, agressão e bloqueio financeiro dos Estados Unidos, tentaram a sorte no exterior, mas 90% deles estão arrependidos”, disse o ditador, alegando que as cifras que apresentou são “comprováveis, certificadas e justas”.

Pouco antes, a vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodriguez, tinha afirmado que a migração está sendo usada como uma justificativa para a intervenção estrangeira no país. 

“Houve intenção de converter um fluxo migratório normal em uma crise humanitária para justificar uma intervenção internacional na Venezuela", disse em entrevista coletiva nesta segunda-feira (3).

Porém, organizações internacionais de direitos humanos têm uma opinião bem diferente. De acordo com a agência da ONU para migração, o êxodo de migrantes da Venezuela está se aproximando de um “momento de crise”, comparável à fuga de refugiados pelo Mediterrâneo. Grupos de ajuda humanitária estimam que entre 1,6 milhão e 2 milhões de venezuelanos deixarão o país neste ano e que em quatro anos, 1 em cada 10 sairão do país. 

O aumento de pedidos de asilo também é um forte indício de que a migração já superou os níveis “normais”. O número de venezuelanos que solicitaram refúgio no Brasil e outros países da região em 2018 é 5,5 vezes maior do que o de sírios em busca de asilo na Europa.

Imagens registradas por fotógrafos em diferentes países da América do Sul ajudam a contar a história de uma das piores crises migratórias da América Latina das últimas décadas que se vem se intensificando nos últimos dois anos.

Brasil

Venezuelanos aguardam para se registrar com autoridades de imigração depois de cruzar a fronteira em Pacaraima, em 6 de abril de 2018MERIDITH KOHUT/NYT

Indígenas venezuelanos, da etnia Warao, são acolhidos no abrigo Janokoida, em Pacaraima.Marcelo Camargo/Ag. Brasil

Paróquia de Pacaraima oferece café da manhã para imigrantes venezuelanos diariamente, em agosto de 2018Marcelo Camargo/Agência Brasil

Campo de refugiados Random, em Boa VistaGui Christ/The Washington Post

Refugiados da Venezuela em Cuiabá se hospedam no Centro Pastoral para o Migrante, abril de 2018Antonio Cruz/Agência Brasil

Avião da FAB leva 233 venezuelanos para Manaus e São PauloMarcelo Camargo/Agência Brasil

Colômbia

Cidadãos venezuelanos atravessam a ponte internacional Simon Bolivar de San Antonio del Táchira, na Venezuela, para Cucuta, no departamento colombiano de Norte de Santander, em 25 de julho de 2017LUIS ACOSTA/AFP

Membros das famílias migrantes venezuelanas Mendoza Landinez e Lomelly saem de um caminhão na estrada Panamericana, entre Pasto e Ipiales, na Colômbia, a caminho do Peru, em 23 de agosto de 2018LUIS ROBAYO/AFP

Venezuelanos descansam depois de cruzar a fronteira de San Antonio del Tachira, na Venezuela, para Cúcuta, no departamento de Norte de Santander, Colômbia, através da ponte internacional Simon Bolivar, em 19 de agosto de 2018SCHNEYDER MENDOZA/AFP

Venezuelanos atravessam a ponte Simon Bolivar, ligando San Antonio del Tachira, na Venezuela, a Cucuta, na Colômbia, para comprar suprimentos básicos em 17 de julho de 2016GEORGE CASTELLANOS/AFP

Do Equador ao Peru

Venezuelanos em direção ao Peru caminham pela rodovia Panamericana em Tulcan, no Equador, depois de cruzar a fronteira da Colômbia, em 21 de agosto de 2018.LUIS ROBAYO/AFP

Migrantes venezuelanos esperam do lado de fora do escritório de migração equatoriano na Ponte Internacional Rumichaca, na fronteira entre Tulcan, Equador e Ipiales, Colômbia, em 20 de agosto de 2018LUIS ROBAYO/AFP

Migrantes venezuelanos a caminho do Peru dormem ao longo da estrada Panamericana entre Tulcan e Ibarra, no Equador, depois de entrar no país pela Colômbia, em 22 de agosto de 2018LUIS ROBAYO/AFP

Migrantes venezuelanos em um dos quartos do abrigo "Sem Fronteiras", em Lima, em 31 de agosto de 2018. Há um ano, um empreendedor do ramo textil começou a ajudar refugiados venezuelanos, oferecendo a eles refeição e um lugar para dormir. Agora a casa abriga 200 venezuelanos, incluindo 20 criançasCRIS BOURONCLE/AFP
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]