Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Coreia do Norte dá sinais de expansão de capacidade nuclear.
Coreia do Norte dá sinais de expansão de capacidade nuclear.| Foto: EFE/EPA/KCNA EDITORIAL USE ONLY

A Agência Internacional de Energia Atômica avaliou recentemente que a Coreia do Norte retomou as operações em seu reator nuclear de Yongbyon, que produz plutônio para armas nucleares.

Pyongyang também pode ter reprocessado combustível nuclear de operações anteriores do reator. Os desenvolvimentos são preocupantes e testarão o governo americano sobre como responder à expansão da produção contínua de material para armas nucleares na Coreia do Norte.

Nos últimos anos, a Coreia do Norte expandiu e melhorou as instalações de fabricação de material físsil, armas nucleares, mísseis, lançadores de mísseis móveis e veículos de reentrada.

Em 2017, a comunidade de inteligência dos EUA avaliou que a Coreia do Norte tinha entre 30 e 60 armas nucleares (ou armas equivalentes a material físsil) e poderia produzir anualmente de sete a 12 armas adicionais.

Enquanto o reator Yongbyon estava desligado, a produção teria diminuído; no entanto, a retomada das operações do reator provavelmente deve retornar a produção nuclear aos níveis de 2017-2018.

Desde 2017, a Coreia do Norte demonstrou melhorias significativas em sua capacidade de atingir a Coreia do Sul, Japão e o continente dos Estados Unidos com armas nucleares.

Naquele ano, Pyongyang conduziu três lançamentos de teste de mísseis balísticos intercontinentais, bem como uma explosão de arma de hidrogênio (termonuclear) pelo menos 10 vezes mais poderosa do que as bombas de Hiroshima e Nagasaki.

A Coreia do Norte está produzindo agora uma nova geração de mísseis móveis avançados que são mais precisos e mais difíceis de detectar e mirar, e têm uma capacidade aprimorada de escapar das defesas de mísseis americanos e de aliados.

Em 2019, Pyongyang conduziu 26 lançamentos de mísseis, todos eles violando resoluções da ONU, e em quantidade maior do que jamais havia testado em um ano.

Em outubro, Pyongyang revelou o Hwasong-16 ICBM, o maior míssil móvel do mundo em um veículo de lançamento. O míssil, maior do que os modelos ICBM anteriores da Coreia do Norte, pode ser capaz de transportar três ou quatro ogivas nucleares.

Pyongyang também revelou que pode produzir lançadores ICBM móveis. A capacidade do regime de implantar mais mísseis ICBM com várias ogivas em lançadores móveis corre o risco de sobrecarregar as defesas limitadas de mísseis dos EUA.

Em janeiro, o líder norte-coreano Kim Jong Un elogiou seus cientistas por desenvolver armas nucleares em tamanho menor desde ogivas táticas a uma bomba de hidrogênio termonuclear supergrande, bem como uma tecnologia de orientação mais precisa para ICBMs.

Ele anunciou que a Coreia do Norte estava desenvolvendo a capacidade de implantar várias ogivas em um ICBM de combustível sólido e um submarino com propulsão nuclear para lançar armas estratégicas intercontinentais.

A Coreia do Norte declarou que melhoraria a qualidade e a quantidade de suas forças nucleares, recentemente prometendo “reforçar o poder defensivo nacional e as capacidades de ataque preventivo, que podem conter e eliminar fortemente as ameaças externas”.

Pyongyang repetidamente prometeu escalar ações, embora não especificasse o quê, enquanto culpava as medidas dos EUA ou da Coreia do Sul como catalisadores.

A Coreia do Norte normalmente se envolve em mais ações durante o primeiro ano das novas administrações dos Estados Unidos e da Coreia do Sul, uma vez que o regime acredita que isso fornece uma margem de negociação.

Mas Pyongyang se absteve até agora neste ano, talvez porque enfrenta desafios internos e o Covid-19 impede que diplomatas norte-coreanos se encontrem com homólogos americanos.

Washington deve continuar os esforços diplomáticos para desnuclearizar a Coreia do Norte, apesar do fracasso de todos os acordos internacionais anteriores. As negociações com Pyongyang estão paralisadas desde 2019, e o regime rejeitou todas as tentativas dos EUA e da Coreia do Sul de retomar o diálogo.

Como tal, os Estados Unidos e seus aliados devem implementar simultaneamente medidas para aumentar as capacidades de dissuasão e defesa.

Diplomacia e dissuasão não são mutuamente exclusivas. É improvável que a Coreia do Norte intimide ou ataque a Coreia do Sul se perceber que a aliança EUA-Coreia do Sul é forte e que o compromisso dos EUA de defender a Coreia do Sul está fora de dúvida.

Os EUA devem deixar absolutamente claro para amigos e inimigos que defenderão seus aliados e manterão os níveis atuais das forças americanas até que as ameaças nucleares, de mísseis e de força convencional norte-coreanas tenham sido suficientemente reduzidas.

A dissuasão consiste em compromissos e forças militares confiáveis, incluindo misseis de defesas e forte presença militara dos EUA na região do Indo-Pacífico.

Bruce Klingner, pesquisador sênior do Nordeste Asiático no Centro de Estudos Asiáticos da Heritage Foundation, passou 20 anos nas agências de inteligência dos Estados Unidos.

©2021 The Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]