i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Fronteira tensa

Abbas rechaça diálogo com Israel

  • PorAgência Estado
  • 11/03/2010 21:02
Crianças palestinas lembram o milésimo dia do início do bloqueio de Israel contra a Faixa de Gaza | Mohammed Abed/AFP
Crianças palestinas lembram o milésimo dia do início do bloqueio de Israel contra a Faixa de Gaza| Foto: Mohammed Abed/AFP

Má-conduta

Governo indicia dois militares

Folhapress

A procuradoria militar israelense indiciou ontem dois militares por violação ao regulamento ao forçar um menino palestino de nove anos a procurar explosivos durante a ofensiva militar israelense contra o grupo islâmico palestino Hamas na Faixa de Gaza, entre dezembro de 2008 e janeiro de 2009.

Os dois militares são acusados de terem "violado o regulamento militar", que proíbe uso de civis em atividade operacional, ao obrigar a criança a abrir bolsas onde temiam que pudesse haver explosivos.

Esta é apenas a segunda vez que os militares indiciam criminalmente colegas por conduta errônea na operação de três semanas duramente criticada por crimes de guerra e contra a humanidade.

O Exército afirmou que as investigações sobre a violação começaram em junho de 2009. Ainda não há data para o julgamento. Os militares não foram identificados. O menino envolvido no incidente não ficou ferido.

O presidente da Autoridade Pa­­lestina, Mahmoud Abbas, não re­­tomará as negociações com Is­­rael, a menos que o país cancele seus planos para construir no­­vas casas em um assentamento em Je­­rusalém Oriental. A afirmação foi feita ontem pelo principal negociador palestino, Saeb Erekat, dentro do contexto da vi­­sita do vice-presidente dos Esta­­dos Unidos, Joe Biden, a Is­­rael. "Abbas disse a (o secre­­tário-ge­­ral da Liga Árabe, Amr) Mussa que ele informou ao (vi­­ce-pre­­sidente dos EUA, Joe) Biden on­­tem que não poderia retomar as negociações sem o cancelamento da cons­­trução de 1.600 casas em Je­­ru­­sa­­lém Orien­­tal", afirmou Ere­­kat.

O palestino afirmou mais tarde ontem que um pedido de desculpas de Israel a Joe Biden era "inaceitável". O governo israelense se desculpou por, durante a visita de Biden a Israel, anunciar na terça-feira a construção de mais 1.600 casas em Jerusalém Oriental. Biden, aparentemente, aceitou as desculpas de Israel e afirmou que as construções não deverão afetar a retomada do processo de paz.

Biden, em discurso também ontem, reiterou sua condenação aos assentamentos judaicos na Cisjordânia, instando israelenses e palestinos a que evitem atos que possam "inflamar" a situação. "Eu, a pedido do presidente Obama, condeno isso imediatamente e inequivocamente", disse Biden a respeito dos assentamentos em territórios palestinos. Mas o vice-presidente americano gastou boa parte do discurso a elogiar as relações estreitas entre os Estados Unidos e Israel. Ele disse que os EUA não têm "melhor amigo" que Israel e disse que Washington "fica resolutamente ao lado de Israel contra o flagelo do terrorismo". Biden também afirmou que os EUA estão "determinados a evitar que o Irã adquira armas nucleares".

Os palestinos querem Jerusa­­lém Oriental como capital de seu futuro Estado independente. "O comunicado (israelense) é inaceitável porque fala sobre um erro no cronograma e não no conteúdo, que é a continuação dos as­­sen­­tamentos, que precisam pa­­rar", afirmou Erekat.

Reação interna

Por causa da decisão da administração de construir casas em Je­­rusalém Oriental, o Partido Tra­­balhista de Israel pode deixar o governo. A afirmação foi feita on­­tem pelo ministro da Agricul­­tura, Shalom Simhon.

"Membros do Partido Traba­­lhista têm mais e mais dificuldade de tomar parte em uma coalizão em que eles entraram com o propósito de relançar o processo de paz com os palestinos", afirmou Simhon, que é trabalhista, à rádio do Exército. Segundo ele, o descontentamento do vice-presidente dos Es­­tados Unidos, Joe Bi­­den, com a notícia sobre a expansão no as­­sentamento, é justificada. "Um grave erro foi co­­metido (por Is­­rael) e há um preço a pa­­gar."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.