i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Parceiros

Ahmadinejad visita a Bolívia em meio a forte polêmica interna

  • PorAFP/G1/Globo.com
  • 26/09/2007 16:21

O presidente iraniano, Mahmud Ahmadinejad, fará nesta quinta-feira uma histórica visita à Bolívia para firmar acordos energéticos e industriais com o colega Evo Morales, em meio a uma forte controvérsia política com a oposição, que já avisou: não aprovará nada relacionado à venda de urânio.

Pela lei boliviana, acordos internacionais devem ser ratificados pelo Congresso.

Os dois presidentes, cujos governos estabeleceram relações diplomáticas no início do mês em Teerã, devem assinar acordos nas áreas de energia e agroindústria, informação confirmada pelo vice-presidente boliviano, Alvaro García, que negou que os convênios incluam a exploração de urânio no país, como temem os partidos de oposição locais.

Ahmadinejad chegará à Bolívia acompanhado de uma delegação oficial de 35 pessoas, além da missão avançada que já está há dois dias no país acertando os últimos detalhes da visita.

Para Morales, as negociações entre Bolívia e Irã representam um importante estímulo para injetar recursos financeiros e tecnologia de ponta no processo de industrialização da exploração de suas reservas de gás, estimadas em 1,37 bilhão de metros cúbicos, a segunda maior da região depois da venezuelana.

Segundo o chanceler David Choquehuanca, o Irã tem uma larga experiência na indústria de recursos naturais não renováveis como o gás e o petróleo.

Dando prosseguimento às mudanças diplomáticas bolivianas - historicamente aliada a Washington - o presidente Morales, que participa da Assembléia Geral da ONU, se reuniu em Nova York com o chanceler da Líbia, Abdurrahman Mohammed Shalgam.

O ministro da Presidência, Juan Ramón Quintana, braço direito do presidente, informou que o país tem "explorado opções para estabelecer relações bilaterais de maneira gradual nos próximos meses".

Essa primeira aproximação do regime de La Paz com Teerã deixou preocupado o embaixador dos Estados Unidos na Bolívia, Philip Goldberg, reação compartilhada pelos partidos opositores Podemos (direita) e Unidade Nacional (centro-direita).

Goldberg se reuniu no final de semana com Morales na sede do governo e reiterou a política oficial de Washington de condenar o programa nuclear iraniano, além das reiteradas suspeitas de que Ahmadinejad ajude grupos terroristas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.