Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Alan Johnston acena após ser libertado | AFP PHOTO/AWAD AWAD
Alan Johnston acena após ser libertado| Foto: AFP PHOTO/AWAD AWAD

"Eu me sentia como enterrado vivo, afastado do mundo e, às vezes, verdadeiramente horrorizado." O jornalista britânico Alan Johnston começou assim, de maneira serena, a relatar seus 114 dias de cativeiro em Gaza.

Pálido e mais magro, ainda sob um forte impacto emocional, mas evidentemente aliviado e descontraído por se encontrar em liberdade, Johnston, 45 anos, descreveu as condições de sua prisão e o longo caminho que percorreu até ser libertado nesta quarta-feira.

Durante os quase quatro meses de cativeiro, quase não viu a luz do dia e viveu sob a ameaça constante de ser executado por seus seqüestrados, ligados ao clã Dogmush, apresentado como o Exército do Islã.

"Estava nas mãos de pessoas muito perigosas e imprevisíveis. Não sabia como as coisas iam acabar: acreditava ter 50% de chances de sair vivo", explicou o jornalista da BBC.

Há alguns dias seus captores ameaçaram "degolá-lo como um cordeiro" se não fosse cumprida sua reivindicação, a libertação de muçulmanos presos na Grã-Bretanha e Jordânia, e divulgaram imagens suas preso a um cinturão de explosivos.

"Eles falavam que iam me matar e me torturar. Não sabia se acreditava neles ou não. No fim das contas, amarraram minhas mãos, cobriram a cabeça e me tiraram durante a noite", relatou Johnston, que disse ter apenas sofrido, como violência física, os golpes que lhe aplicaram minutos antes de ser entregue ao Hamas.

Sempre isolado, o jornalista passou por quatro esconderijos, onde comeu queijo, ovos ou batatas, e que ao fim de duas semanas conseguiu ouvir um noticiário da BBC, quando ficou sabendo da campanha internacional para libertá-lo, o que o animou muito.

"Eles tinham uma agenda 'jihadista', mas o que lhes interessava não era nem Israel, nem a Palestina, e sim atingir a Grã-Bretanha", comentou a respeito de seus captores.

Também agradeceu ao Hamas pelos esforços para pôr fim, desde o princípio, ao seqüestro mais longo de um estrangeiro em Gaza.

"Sem a pressão do Hamas ainda ficaria naquele quarto por muito mais tempo".Ismail Haniyeh, o primeiro-ministro palestino do Hamas destituído pelo presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas, se colocou ao lado do jornalista. Ante os fotógrafos, envolveu Alan numa bandeira palestina, que o jornalista em seguida retirou, e ofereceu uma caixa gravada com a imagem da mesquita de Al-Aqsa de Jerusalém.

Johnston, recompensado com vários prêmios por seu trabalho jornalístico, lamentou não ter podido continuar informando para a BBC, como o fazia desde que se instalou em abril de 2004 em Gaza até que foi seqüestrado, em 12 de março passado, por quatro homens armados.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]