i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Crise econômica

Atingida pela escassez, Venezuela sofre com roubos a cargas de comida

País vem sofrendo com a escassez geral de bens desde o ano novo, o que resultou no aumento da criminalidade

  • PorReuters
  • 23/01/2015 10:51
Policiais fazem a segurança em frente a um supermercado de Caracas | Jorge Silva/Reuters
Policiais fazem a segurança em frente a um supermercado de Caracas| Foto: Jorge Silva/Reuters

Ladrões e saqueadores estão perseguindo caminhões com carregamentos de comida por toda Venezuela, em mais um sinal do agravamento da escassez de produtos que tem tornado alguns itens básicos, como farinha e carne de frango, em cargas cobiçadas.

A criminalidade tem assolado há muito as ruas e lojas na Venezuela, país que possui um das maiores taxas de homicídio do mundo. Mas a escassez geral de bens, causada pela restrição na disponibilidade de dólares para importação, tem piorado desde o ano novo.

A situação fez com que as entregas de alimentos se tornassem cada vez mais arriscadas, levando à instalação de localizadores via satélite em caminhões e, em alguns caso, à contratação de escolta de seguranças privados.

"Não vou mais transportar comida porque as ruas estão muito perigosas", disse Orlando Garcia, um motorista de 37 anos natural do Estado de Tachira, no oeste do país, que já foi abordado duas vezes enquanto atravessava o país.

"Eles colocam pregos na estrada (para estourar os pneus) e quando paramos para consertar o pneu eles atacam você", disse Garcia, que agora se recusa a trabalhar depois da meia-noite e vai transportar apenas itens de plástico.

Filas que dão a volta em quarteirões são agora comuns por todo o país exportador de petróleo. Tropas da Guarda Nacional Armada foram mobilizadas para manter a ordem, mas a frustração infla rapidamente depois de horas de espera sob o sol caribenho.

"Tornou-se um problema de segurança trazer caminhões até grandes lojas de supermercado", disse Arsenio Manzanares, líder do sindicato venezuelano de caminhoneiros.

"Isso não costumava ser um problema, mas agora com essas filas, as pessoas veem um caminhão e vão em cima", acrescentou.

A mídia local tem noticiado uma série de roubos de comida neste mês em Caracas, um deles realizado por quatro homens armados que roubaram atum enlatado, farinha de milho e açucar refinado.

O presidente Nicolás Maduro culpa a escassez a uma "guerra econômica" conduzida por inimigos de direita que tentam derrubar seu governo socialista. Nesta semana, ele anunciou mais uma repressão contra estoquistas e contrabandistas que vendem bens com preços fixados pelo governo para a Colômbia com alta margem de lucro.

Líderes da indústria e motoristas dizem que a escassez tem sido exacerbada pelo corte das entregas noturnas por razões como a falta segurança, a falta de pneus e baterias para caminhões devido ao impacto do controle de divisas e as estradas em má conservação.

"Já me roubaram cinco vezes", disse o caminhoneiro José Alexaner Rincón, de 39 anos, também natural de Tachira. "Estou nervoso. É mais perigoso durante o dia, mas não tenho alternativa."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.