i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Atentado

Bombas em Uganda matam 74 pessoas; islâmicos reivindicam ataques

As explosões nos momentos finais da partida do domingo aconteceram em dois locais lotados de pessoas na capital de Uganda, Campala: um restaurante de temática etíope e um clube de rúgbi

  • PorReuters
  • 12/07/2010 11:22
Policial da Uganda faz a segurança do restaurante atacado durante a final da Copa do Mundo em Campala. Cerca de 74 pessoas morreram em duas explosões. | REUTERS/Benedicte Desrus
Policial da Uganda faz a segurança do restaurante atacado durante a final da Copa do Mundo em Campala. Cerca de 74 pessoas morreram em duas explosões.| Foto: REUTERS/Benedicte Desrus

Islâmicos somalis disseram na segunda-feira que lançaram dois ataques a bomba em Uganda que mataram 74 torcedores de futebol que assistiam à partida final da Copa do Mundo pela televisão, informou a televisão Al Jazeera.

As explosões nos momentos finais da partida do domingo aconteceram em dois locais lotados de pessoas na capital de Uganda, Campala: um restaurante de temática etíope e um clube de rúgbi.

Militantes do grupo Al Shabaab, na Somália, vêm ameaçando atacar Uganda por enviar tropas de manutenção da paz ao país anárquico, para ajudar o governo apoiado pelo Ocidente.

A polícia disse que suspeitava que o Al Shabaab, grupo que afirma ter vínculos com a Al Qaeda e combate o governo frágil da Somália, estivesse por trás dos ataques.

Um porta-voz do Exército de Uganda, Felix Kulayigye, disse: "Em um dos locais, investigadores identificaram a cabeça decepada de um somali que suspeitamos possa ter sido o suicida responsável pelo ataque."

"Suspeitamos que seja a Al Shabaab porque o grupo vinha prometendo algo assim havia muito tempo", disse o porta-voz na segunda-feira.

Um comandante do Al Shabaab em Mogadíscio elogiou os ataques, mas admitiu não saber se seu grupo foi responsável por eles.

"Uganda é um país infiel importante que vem apoiando o suposto governo da Somália", disse o xeique Yusuf Isse, comandante do Al Shabaab na capital somali.

"Sabemos que Uganda é contra o islã, por isso estamos muito felizes com o que aconteceu em Campala. É a melhor notícia que já tivemos."

Um porta-voz do Exército do Burundi, que também contribui com tropas para a missão de paz na Somália, disse na capital, Bujumbura, que o país também intensificou sua segurança.

Um americano está entre os mortos, e o presidente Barack Obama, condenando os ataques que qualificou como deploráveis e covardes, disse que Washington está disposta a ajudar Uganda a caçar os responsáveis. A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, condenou os ataques contra "espectadores inocentes".

Um dos ataques aconteceu no restaurante Ethiopian Village, que estava repleto de torcedores de futebol e é frequentado por estrangeiros. O segundo ataque foi no Clube de Rúgbi Lugogo, onde a final da Copa do Mundo também estava sendo transmitida.

Ataques coordenados são uma das marcas registradas da Al Qaeda e de grupos ligados à rede militante de Osama bin Laden.

"No momento, a cifra oficial é de 74 mortos", disse o porta-voz governamental Fred Olopot. "Há uma mulher branca, uma pessoa de ascendência indiana e dez eritreus ou etíopes."

O Departamento de Estado dos EUA confirmou que um cidadão americano morreu e cinco ficaram feridos. A entidade beneficente americana Invisible Children disse que um de seus membros, Nate Henn, de Wilmington, Delaware, morreu na explosão do clube de rúgbi.

O presidente de Uganda, Yoweri Museveni, foi ao clube de rúgbi.

As explosões aconteceram nos momentos finais da partida final entre Espanha e Holanda e deixaram os sobreviventes em choque, entre corpos e cadeiras espalhadas.

Terceira maior economia da África oriental, Uganda vem atraindo bilhões de dólares em investimentos estrangeiros, especialmente em seu setor petrolífero e no mercado de dívidas do governo.

Mas os investidores em Uganda e no vizinho Quênia, que compartilha uma fronteira porosa com a vizinha Somália, frequentemente citam a ameaça de militantes islâmicos como preocupação séria.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.