Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Manifestantes pró-democracia em Hong Kong agradecem aos EUA após o presidente Trump assinar lei de apoio aos manifestantes, desagradando a China, 28 de novembro de 2019
Manifestantes pró-democracia em Hong Kong agradecem aos EUA após o presidente Trump assinar lei de apoio aos manifestantes, desagradando a China, 28 de novembro de 2019| Foto: ANTHONY WALLACE / AFP

O presidente dos EUA Donald Trump criticou a China por práticas comerciais desleais, classificou o país como "ameaça ao mundo" e descreveu o líder Xi Jinping como um inimigo.

No entanto, ele recentemente parabenizou o Partido Comunista por 70 anos no poder - comemorados com exibição militar voltada aos Estados Unidos - e disse que seu relacionamento com Xi é "muito incrível", apesar da "pequena briga" sobre comércio.

Embora o relacionamento EUA-China tenha sido difícil nos últimos 18 meses, muitos nos salões do poder na China esperam que o líder americano ganhe um segundo mandato no próximo ano. Isso porque, embora ele possa parecer imprevisível, as autoridades chinesas estão apostando que a abordagem transacional de Trump à política possa ser preferível a um presidente mais orientado por princípios, seja democrata ou republicano.

"Trump é um homem de negócios. Podemos apenas pagar-lhe com dinheiro e os problemas serão resolvidos", disse uma pessoa com conexões políticas em Pequim, sob condição de anonimato para falar abertamente sobre questões internacionais delicadas. "Enquanto tivermos dinheiro, podemos comprá-lo. Essa é a razão pela qual preferimos ele aos democratas".

Os tuítes sem filtro de Trump ajudam a China nas negociações porque ele é "fácil de ler", disse Long Yongtu, ex-vice-ministro de comércio exterior e representante da China durante sua adesão à Organização Mundial do Comércio em 2001, em uma conferência em Shenzhen neste mês. "Queremos que Trump seja reeleito; ficaríamos felizes em ver isso acontecer".

Outra voz influente em Pequim, Yan Xuetong, professor de relações internacionais da Universidade Tsinghua, escreveu recentemente que, graças a Trump, a China estava enfrentando "a melhor oportunidade estratégica" desde a Guerra Fria.

"Trump minou o sistema de aliança liderado pelos EUA, o que melhorou o ambiente internacional da China", disse Yan na Southern Review.

Governos de todo o mundo, de aliados como Austrália e Coreia do Sul a adversários como Irã e Coreia do Norte, tiveram que se ajustar ao estilo idiossincrático de Trump.

Mas os chineses estavam entre os mais chocados com a abordagem do líder dos EUA. Quando Trump assumiu o cargo, as autoridades do Partido Comunista pensaram que ele estava interessado apenas em uma vitória rápida e 'tuitável', disseram analistas. Mas o partido subestimou a determinação de Trump de reequilibrar o relacionamento comercial e fazer de Pequim um inimigo público entre os eleitores dos EUA. Os líderes chineses também reconhecem que subestimaram até que ponto o comportamento da China se tornou uma preocupação bipartidária em Washington, de acordo com pessoas que se encontraram com altos funcionários.

Quase dois anos após a guerra comercial e três anos desde o início do seu governo, as autoridades chinesas aprenderam a arte das negociações de Trump.

"Trump não é ideologicamente contrário à China. Ele não fala sobre direitos humanos, Xinjiang e o Mar da China Meridional", disse a fonte de Pequim, referindo-se às reivindicações marítimas contestadas e à região no noroeste da China, onde as autoridades detiveram um milhão de muçulmanos.

Um presidente democrata certamente adotaria uma abordagem mais abrangente da China. Os candidatos deram um tom estridente ao debate na semana passada, e vários deles prometeram aumentar a pressão sobre a China por seus abusos dos direitos humanos em Xinjiang e pela erosão das liberdades em Hong Kong.

Trump não parece preocupado com essas questões, disse Elizabeth Economy, diretora de estudos da Ásia no Conselho de Relações Exteriores.

"Taiwan, Hong Kong, Xinjiang, o Indo-Pacífico livre e aberto, todos esses são assuntos que o presidente Trump não costuma abordar", afirmou Economy. "Se eu estiver certa em minha suposição de que ele não se importa com essas questões, porque ele nunca fala sobre elas, então ele estará mais disposto a negociá-las em discussões com os chineses".

Como se quisesse provar esse argumento, Trump declarou na sexta-feira que estaria disposto a vetar uma legislação destinada a apoiar os manifestantes pró-democracia em Hong Kong - apesar do apoio à lei quase unânime na Câmara e no Senado - para abrir caminho para um acordo comercial com a China.

Nada disso significa que a China facilitará o próximo ano para Trump.

Não houve progresso tangível no acordo comercial de "primeira fase" que o líder americano esperava assinar este mês.

Em outubro, Trump disse que os dois lados estavam à beira de um "acordo muito substancial", segundo o qual a China dobraria suas compras anuais de produtos agrícolas dos EUA para mais de US$ 40 bilhões. Mas ele disse na semana passada que a China não estava "atingindo o nível que eu quero".

Muitos analistas esperam que um acordo de "primeira fase" seja alcançado, principalmente porque muitas das provisões são do interesse da China. Um vírus dizimou a população de porcos na China, o maior consumidor mundial de carne suína, incentivando autoridades a olhar para o exterior e para outros tipos de carnes para satisfazer a demanda. E o acordo de "primeira fase" se parece muito com o acordo em abril - menos as partes que irritaram Pequim.

Ainda assim, os líderes da China não têm incentivo para avançar rapidamente, disse Paul Haenle, consultor da Ásia nas administrações de George W. Bush e Barack Obama, que agora está no Centro Carnegie-Tsinghua para Política Global em Pequim. "Por que concederíamos aos EUA um acordo abrangente em um ano eleitoral?" Haenle disse, colocando a questão que as autoridades de Pequim estão se perguntando. "Se lhes dermos muito agora e em 2020, o que teremos para dar a Trump em seu segundo mandato?"

A disputa comercial ficará mais difícil para Pequim se e quando as negociações continuarem para as fases dois e três. É aí que os negociadores precisam discutir questões estruturais que há muito incomodam os Estados Unidos, como a prática da China de forçar investidores estrangeiros a entregar sua tecnologia, roubo de propriedade intelectual e subsídios para empresas estatais.

"Portanto, neste momento, há um risco, especialmente quando nos dirigimos para o ano eleitoral de 2020, de que o governo Trump se contentará com um acordo superficial para reivindicar uma vitória", disse Alison Szalwinski, vice-presidente de pesquisa do Escritório Nacional de Pesquisa Asiática. "E isso poderia acabar com incentivos para falar sobre questões de longo prazo no relacionamento bilateral".

Isso deveria interessar especialmente ao Congresso, onde existem cerca de 25 projetos e resoluções diferentes relacionados à China.

O Congresso e algumas partes do governo, como os departamentos de Defesa e Estado, tiveram uma mão relativamente livre para criticar a China em questões como Xinjiang e expansionismo no Mar da China Meridional, desde que não entrem em conflito com as prioridades de Trump, disse Economy. "Mas se as negociações comerciais progredirem e o presidente decidir declarar a vitória em algum momento, a janela para esse tipo de ação será fechada", disse ela.

Pois enquanto Trump pensa em mais quatro anos, Xi está pensando em muitos mais do que isso. O homem de 66 anos aboliu os limites de mandato, efetivamente permitindo que ele continuasse liderando a China pelo resto da vida.

Isso significa que Xi pode concordar com um acordo de "primeira fase" para jogar por um tempo sem precisar oferecer mais.

"Se ele se retira por oito, nove meses a um ano, não é grande coisa para ele, porque acho que ele se vê como líder da China nos próximos 10 ou 20 anos, se não mais", disse Victor Shih, especialista em China na Universidade da Califórnia em San Diego. "Então, ele definitivamente está jogando um jogo muito mais longo do que o presidente dos Estados Unidos agora."

10 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]