i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Treinamento militar

China se prepara para confronto com a Índia

    • Gazeta do Povo
    • 10/09/2020 19:25
    india china
    Índia e China aumentaram presença militar no Himalaia| Foto: Mohd Arhaan ARCHER/AFP

    A China parece estar se preparando para um confronto com a Índia. As tensões têm aumentado na fronteira entre os países, na parte ocidental do Himalaia, desde maio por causa de uma disputa territorial de décadas e, embora conversas de alto nível diplomático estejam acontecendo, o fim do impasse ainda parece estar longe.

    Nesta semana, a emissora de TV chinesa CCTV informou que uma brigada militar da região do Tibete e uma brigada de aviação do exército chinês realizaram recentemente um treinamento conjunto em uma “área desconhecida que está a mais de 4.000 metros acima do nível do mar”, um descrição que se assemelha à geografia do território contestado por Índia e China. Cerca de 300 militares de elite participaram do exercício, cujo objetivo era "aprimorar as habilidades de ataque tridimensional" dos comandos de elite e melhorar as "capacidades gerais de combate das tropas estacionadas no Tibete". Houve treinamento de paraquedistas e manobras no platô tibetano. Segundo a CCTV, mais de 1.000 soldados devem ser treinados para “estabelecer uma boa base” para o paraquedismo armado em áreas de grande altitude.

    Analistas internacionais veem o exercício como uma provocação à Índia e uma preparação para um possível conflito com o vizinho. O especialista militar Song Zhongping disse ao jornal South China Morning Post que o fato de a China ter deslocado forças de elite de várias unidades para treinar saltos aéreos em grande altitude é um sinal claro de que o país se prepara para um potencial conflito militar. Segundo ele, mesmo que os saltos com paraquedas façam parte do treinamento regular das forças especiais chinesas, é necessário treiná-las em grande altitude, já que o ar mais rarefeito e a radiação mais forte representam desafios para a condição física dos soldados.

    O editor-chefe do jornal chinês estatal Global Times, Hu Xijin, também acredita que os exercícios recentes no platô tibetano visam a situação na fronteira entre China e Índia. No Twitter, ele escreveu que “o exército indiano deve parar de provocar ou estar preparado para ser derrotado”. Em outra publicação, ele sugere que se as tropas indianas não se retirarem da margem sul do lago Pangong Tso, um dos pontos de disputa entre os países, o Exército de Libertação Popular da China “os enfrentará durante todo o inverno”. “A logística das tropas indianas é ruim, muitos soldados indianos morrerão com a temperatura congelante ou de Covid-19. Se uma guerra estourar, o exército indiano será derrotado rapidamente”, completou.

    Embora as lideranças chinesas e indianas afirmem que estão comprometidas a negociar a questão de forma pacífica, as conversas diplomáticas ainda não surtiram efeito. Na semana passada, os ministros de Defesa das duas nações se encontraram pessoalmente em uma reunião mediada por Moscou, porém, não chegaram a um acordo.

    Nesta quinta-feira (10), foi a vez dos ministros das Relações Internacionais de Índia e China conversarem. Um acordo para diminuir as tensões foi firmado e seus efeitos ainda estão para ser vistos em campo.

    Nas últimas semanas os desentendimentos se aprofundaram. Na segunda-feira, Índia e China trocaram acusações sobre quem violou o acordo bilateral de 1996 que coíbe o uso de armas de fogo na fronteira entre os dois gigantes asiáticos, depois que tiros foram disparados na região do Himalaia por onde passa a Linha de Controle Real (LAC, na sigla em inglês). O incidente, segundo a imprensa indiana, foi o primeiro com arma de fogo na fronteira desde 1975, quando quatro soldados indianos morreram. Em junho, um confronto físico entre tropas de fronteira deixou 20 soldados indianos mortos e um número desconhecido de baixas chinesas.

    A disputa territorial é antiga. A LAC foi estabelecida em 1962, mas indianos e chineses não conseguem chegar a um acordo sobre onde exatamente passa a linha demarcatória. Contudo as tensões começaram a escalar em maio deste ano, quando ambos os países aumentaram a presença militar ao longo da fronteira, de olho nas obras de infraestrutura que o vizinho estava realizando nas regiões autônomas de Ladakh, em território indiano, e do Tibete, no lado chinês.

    A Índia também está aumentando sua presença militar na fronteira, para onde designou uma força de operações especiais composta quase em sua totalidade por tibetanos, treinados para lutar em regiões montanhosas em grande altitude.

    Atualização

    Acrescenta resultado do encontro entre os ministros de Relações Exteriores de Índia e China que ocorreu nesta quinta-feira e no qual os países chegaram a um acordo para diminuir as tensões na fronteira.

    Atualizado em 11/09/2020 às 07:14
    2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 2 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

    • M

      Maquiavel

      ± 2 dias

      Tá na hora de jogar uma bomba atômica na China

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • F

        Fabio da silva de castilho

        ± 2 dias

        Se tiver torcida, sou Índia, quanto à China comedora de morcego por mim vai pro buranco.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        Fim dos comentários.