i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
aqeucimento global

Conferência da ONU começa busca por acordo climático modesto

Expectativa é pelo alcance pelo menos de um pacote de medidas contra o aquecimento global. A conferência anterior, em Copenhague, terminou sem nenhum tratado de cumprimento obrigatório

  • PorReuters
  • 29/11/2010 17:50
Presidente do México Felipe Calderón discursa durante a abertura da conferência climática da ONU | Reuters
Presidente do México Felipe Calderón discursa durante a abertura da conferência climática da ONU| Foto: Reuters

Cancún - Começou na segunda-feira a conferência climática da ONU, sob a expectativa de políticos e cientistas de que os quase 200 países participantes alcancem pelo menos um modesto pacote de medidas para enfrentar o aquecimento global.

"Nossa relação com a natureza está atingindo um ponto crítico", disse o presidente mexicano, Felipe Calderón, na abertura do evento, num vigiadíssimo hotel deste balneário caribenho. A conferência vai até 10 de dezembro.

"Precisamos mudar nosso estilo de vida de modo a conter a mudança climática, ou a mudança climática irá alterar permanentemente o estilo de vida da nossa civilização, e não será para melhor", disse ele.

Os delegados tentarão superar as divergências entre países ricos e pobres - e especialmente entre Estados Unidos e China - sobre como combater a mudança climática. A conferência anterior, no ano passado em Copenhague, terminou sem nenhum tratado de cumprimento obrigatório que substitua o Protocolo de Kyoto a partir de 2012.

Desta vez, as ambições são mais modestas. A ONU tenta promover a criação de um "fundo verde", que ajude nações em desenvolvimento a preservarem suas florestas e a se adaptarem ao novo clima. Outra meta da conferência de Cancún será formalizar o compromisso, assumido por vários países em Copenhague, de limitar o aquecimento a 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais.

Uma possibilidade para a política global seria prorrogar a vigência do Protocolo de Kyoto, que exige reduções nas emissões de gases do efeito estufa por parte dos países desenvolvidos. Os EUA, maior emissor entre os países desenvolvidos, não participam desse tratado.

Os países signatários dizem que aceitariam reduzir ainda mais suas emissões até 2020, substituindo o uso de combustíveis fósseis por energias renováveis, desde que os EUA e grandes economias emergentes, como Índia e China, assumissem a obrigação de também fazer reduções.

Os grandes países em desenvolvimento, no entanto, argumentam que reduzir as emissões - e portanto o consumo de energia - seria prejudicial aos seus esforços de combate à pobreza. Eles alegam que as nações ricas se beneficiaram mais das emissões de poluentes, e por isso deveriam arcar com o ônus de combater a mudança climática.

Por parte dos EUA, a vitória republicana nas eleições parlamentares de novembro praticamente sepulta as esperanças do governo de Barack Obama de aprovar uma legislação climática que resultasse nas reduções de emissões.

"Tapeçaria furada"

Em seu curto discurso na abertura da cerimônia, Christiana Figueres, chefe do Secretariado de Mudança Climática da ONU, mencionou quatro vezes a palavra "compromisso", e defendeu um "resultado equilibrado" para o evento.

"Uma tapeçaria cheia de furos não vai funcionar, e os furos possivelmente só poderão ser tapados por meio de compromissos", disse ela, afirmando estar convencida da possibilidade de um acordo.

Um novo fracasso na conferência deste ano lançará sérias dúvidas sobre o futuro do Protocolo de Kyoto, que salienta a importância do mercado de emissões de carbono como forma de controle.

Se o acordo expirar em 2012 sem uma prorrogação ou um tratado substituto, restará uma colcha de retalhos de políticas climáticas nacionais.

Em Bruxelas, a comissária climática da União Europeia, Connie Hedegaard, disse que as discussões correm o risco de "perder impulso e relevância" se não resultarem em um acordo.

Ela considerou lamentável que alguns países não tenham conseguido avançar - especialmente os EUA, que não aprovarem uma lei sobre cortes de emissões.

Jonathan Pershing, chefe da delegação norte-americana em Cancún, disse à Reuters que seu país está disposto a "avançar" em todas as questões, como financiamento climático e preservação florestal, mas só se for "no contexto de um pacote".

Separadamente, um relatório da Oxfam disse que mais de 21 mil vidas foram perdidas só no último ano devido a desastres climáticos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.