i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
disputa presidencial

Conselheiro de Trump diz ter certeza sobre ingerência da Rússia em eleição

O assessor H.R. McMaster afirmou que "não há controvérsia" de que houve interferência indevida de Moscou na última disputa presidencial

    • Estadão Conteúdo
    • 17/02/2018 14:40
    Herbert Raymond McMaster, assessor de segurança nacional do presidente dos EUA, discursa no segundo dia da 54ª Conferência de Segurança de Munique (MSC), na Alemanha, em 17 de fevereiro de 2018. | THOMAS KIENZLE/AFP
    Herbert Raymond McMaster, assessor de segurança nacional do presidente dos EUA, discursa no segundo dia da 54ª Conferência de Segurança de Munique (MSC), na Alemanha, em 17 de fevereiro de 2018.| Foto: THOMAS KIENZLE/AFP

    Conselheiro de segurança nacional do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, H.R. McMaster disse que a investigação federal mostrou que os EUA estão "mais e mais capazes de traçar as origens desta espionagem e da subversão" na disputa eleitoral americana. Além disso, o assessor afirmou que "não há controvérsia" de que houve interferência indevida de Moscou na última disputa presidencial.

    "Como se pode ver pelo indiciamento do FBI, a evidência é agora sem controvérsia e disponível ao público", afirmou McMaster a um delegado russo na conferência. Minutos antes, o ministro das Relações Exteriores russo, Sergey Lavrov, havia rechaçado as conclusões do FBI.

    As duas autoridades estavam presentes na conferência de segurança organizada em Munique. McMaster rechaçou trabalhar com os russos em questões de segurança cibernética, dizendo-se "surpreso" com essa possibilidade, já que eles estariam "minando nossas democracias no Ocidente". "Então eu apenas diria que adoraria ter um diálogo cibernético quando a Rússia for sincera", comentou.

    Indiciamento

    Treze cidadãos russos foram indiciados na sexta-feira, sob a acusação de conspirar para interferir na eleição presidencial americana de 2016 para minar o sistema político dos EUA e favorecer a candidatura de Trump em detrimento da ex-secretária de Estado Hillary Clinton. Foram as primeiras acusações criminais contra russos que teriam secretamente trabalhado para influenciar o resultado eleitoral americano.

    Na Rússia, um dos 13 acusados disse que o sistema judiciário americano é injusto. Mikhail Burchik foi identificado como diretor executivo de uma organização que teria disseminado propaganda nas mídias sociais para influenciar o resultado nas urnas.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.