Marjorie Taylor Greene
Candidata republicana Marjorie Taylor Greene disputa uma vaga no Congresso americano em novembro| Foto: Reprodução/Facebook/@MarjorieTaylorGreene

Laura Loomer, uma teórica da conspiração que promoveu o fanatismo religioso, venceu as eleições primárias da Câmara na Flórida com 42,5% dos votos. Loomer tem “zero chance” de vencer em novembro em um distrito esmagadoramente democrata que inclui West Palm Beach, mas sua vitória nas primárias ainda é um sinal preocupante de que o vírus da conspiração está se espalhando no corpo político – e poucos republicanos em posições de poder mostram sinais de que estão interessados ​​em se esforçar para impedi-lo.

No início de agosto, Marjorie Taylor Greene, que promoveu uma variedade de teorias da conspiração, venceu o segundo turno das primárias da Câmara na Geórgia. A vitória de Greene no distrito esmagadoramente republicano no noroeste da Geórgia está praticamente garantida em novembro.

Greene promoveu as elaboradas e confusas teorias da conspiração QAnon, uma teoria da conspiração sobre o 11 de setembro e até sugeriu que a administração Obama conseguiu que membros da gangue MS-13 assassinassem um membro de baixo escalão do Comitê Nacional Democrata chamado Seth Rich.

Falsas teorias de conspiração como essas causam danos caluniando pessoas reais e criando bodes expiatórios. Eles criam uma ruptura com a realidade que torna difícil para um povo autônomo começar a lidar com os problemas reais que enfrenta. Eles podem até mesmo inspirar pessoas que não estão bem a cometer atos de violência: o FBI identificou QAnon como uma ameaça terrorista doméstica.

Greene e Loomer também defendem a islamofobia. Greene chamou a eleição de 2018 de dois muçulmanos para o Congresso dos EUA de “uma invasão islâmica ao nosso governo”. Em 2017, Loomer comemorou a morte de 2 mil migrantes que cruzaram o Mediterrâneo e desejou a morte de mais 2 mil.

Quando os comentários de Greene foram descobertos pelo site Politico depois que ela avançou para o segundo turno em junho, os líderes republicanos da Câmara os repudiaram. “Os comentários feitos pela Sra. Greene são nojentos e não refletem os valores de igualdade e decência que tornam nosso país grandioso”, disse o chefe da minoria da Câmara, Steve Scalise, em um comunicado em que endossava o oponente republicano de Greene. Um porta-voz do líder da minoria na Câmara, Kevin McCarthy, disse: “Esses comentários são terríveis e o líder McCarthy não os tolera”.

Mas depois que Greene derrotou o neurocirurgião republicano John Cowan por 57% a 43% no segundo turno da semana passada, os líderes republicanos receberam a conspiradora de braços abertos. Os republicanos da Câmara “esperam” que Greene “vença em novembro”, disse um porta-voz de McCarthy. A senadora do Partido Republicano da Georgia, Kelly Loeffler, também parabenizou Greene e escreveu: “É claro que precisamos de mais políticos externos com senso de negócios em Washington que estarão com @realDonaldTrump [perfil no Twitter de Trump] para manter a América grandiosa”.

O presidente Trump saudou Greene em um tuíte como uma “futura estrela republicana”. E após a vitória de Loomer, Trump tuitou: “Ótimo trabalho, Laura. Você tem uma grande chance contra uma marionete de Pelosi!”.

Os elogios de Trump a Greene e Loomer não são o comportamento de um presidente cuja principal preocupação é ganhar a reeleição em novembro: ele precisa de todos os votos que puder obter na Flórida e na Georgia, e Greene e Loomer certamente afastarão alguns eleitores indecisos. Mas não é surpreendente que Trump, que promoveu teorias de conspiração selvagens sobre o pai de Ted Cruz, Barack Obama e Joe Scarborough, celebraria a vitória de duas candidatas trumpistas.

Tem-se falado muito sobre o trumpismo nos últimos cinco anos: ele assumiu o controle do Partido Republicano? Em caso afirmativo, continuará a dominar o partido nos próximos anos?

Depende muito de como definimos o trumpismo. Se simplesmente significa lealdade pessoal a Trump, obviamente pouquíssimos republicanos eleitos estão dispostos a criticar publicamente o presidente. Se o trumpismo é uma agenda política - mais populista na economia, jacksoniana na política externa, fortemente contra a imigração ilegal - o Partido Republicano inegavelmente se moveu nessa direção ideológica.

Mas o que podemos chamar de “trumpismo temperamental” personificado por Greene e Loomer – promovendo teorias da conspiração, intolerância ou ambos – na verdade sofreu muitas derrotas eleitorais nos últimos cinco anos.

Em outubro de 2017, o ex-estrategista-chefe da Casa Branca Steve Bannon foi à Fox News para pedir que todos os senadores republicanos, exceto Ted Cruz, vencessem as primárias. Roy Moore, apoiado por Bannon, em campanha como o verdadeiro trumpista no Alabama, acabara de derrotar Luther Strange, endossado por Trump, nas primárias. Bannon, que foi preso sob acusações de fraude na semana passada, parecia uma poderosa força política na época.

Mas Moore acabou descartando uma vaga no Senado do Partido Republicano em um dos estados mais republicanos do país, e sua vitória nas primárias de 2017 foi o ponto alto para os trumpistas temperamentais nas eleições estaduais durante o primeiro mandato de Trump.

Em 2018, Don Blankenship perdeu em West Virginia, Chris McDaniel foi derrotado no Mississippi, Kelli Ward e o xerife Joe Arpaio perderam no Arizona para Martha McSally. Naquele mesmo ano, Corey Stewart, um fã do fanático Paul Nehlen, ganhou por pouco as primárias do Senado do Partido Republicano da Virgínia, mas foi eliminado na eleição geral. (Nehlen perdeu por quase 70 pontos em sua campanha nas primárias de 2016 contra Paul Ryan.) Kris Kobach venceu as primárias para governador do Partido Republicano do Kansas, mas perdeu a eleição geral para a democrata Laura Kelly.

Em 2020, os republicanos de Iowa mandaram Steve King embora. Kobach perdeu as primárias do Kansas no Senado. Roy Moore ficou em quarto lugar nas primárias do Alabama, com 7% dos votos. O principal desafiante republicano de Ben Sasse, que era mais um leal a Trump do que um trumpista temperamental, perdeu em maio por 50 pontos.

Portanto, os candidatos que abraçam os piores excessos do presidente geralmente não se saíram muito bem nas eleições dos últimos anos. E é verdade que o Partido Democrata tem seus próprios doidos e esquisitos: o antissemitismo de Ilhan Omar é bem conhecido; o partido não teve problemas em entregar à teórica de conspiração do 11 de setembro Cynthia McKinney suas atribuições no comitê em 2006; um candidato democrata que ganhou a indicação de seu partido para uma vaga na Câmara dos Representantes do Kansas neste mês admitiu publicar “pornografia de vingança” aos 13 anos (atualmente, ele tem 19).

Ainda assim, isso não é motivo para ficar tranquilo sobre as vitórias de Greene e Loomer. O republicano de Illinois, Adam Kinzinger, tem sido uma voz solitária na semana passada, explicando com calma e cuidado por que as teorias da conspiração promovidas por Greene não são verdadeiras. O presidente Trump deu um impulso à QAnon na semana passada, quando se recusou a dizer uma única palavra crítica sobre o assunto.

“No cerne da teoria está a crença de que você está secretamente salvando o mundo desse culto satânico de pedófilos e canibais”, disse um repórter em uma coletiva de imprensa na Casa Branca. “Isso soa como algo que você está por trás?”.

“Bem, eu não ouvi isso, mas isso deveria ser uma coisa boa ou ruim? Você sabe, se eu puder ajudar a salvar o mundo de alguns problemas, estou disposto a fazê-lo. Estou disposto a me colocar na linha de frente”, respondeu Trump. “E, na verdade, estamos salvando o mundo de uma filosofia de esquerda radical que destruirá este país e, quando este país se for, acontecerá o mesmo com o resto do mundo.”

Os comentários de Trump fizeram com que mais alguns republicanos no Congresso se manifestassem contra a teoria da conspiração. “QAnon é uma loucura perigosa que não deveria ter lugar na política americana”, disse a presidente da conferência do Partido Republicano, Liz Cheney. “QAnon é maluco - e verdadeiros líderes chamam as teorias da conspiração de teorias da conspiração”, disse o senador Sasse, de Nebraska. “Se os democratas tomarem o Senado, explodirem a obstrução e embalarem a Suprema Corte – um lixo como este será uma grande parte do motivo pelo qual eles ganharam.”

É importante ter em mente que é assim que o presidente está lidando com as teorias da conspiração, mesmo quando enfrenta a reeleição. Ganhando ou perdendo em novembro, ele não terá essas restrições e terá uma plataforma muito grande. E se os republicanos perderem o Senado em novembro, provavelmente serão boas notícias para os teóricos da conspiração. Um grupo que está completamente fora do poder tem ainda mais probabilidade de vagar pelos pântanos febris. Impedir que os candidatos do QAnon ganhem mais eleições exigirá um esforço consideravelmente maior do que os líderes republicanos demonstraram nas últimas semanas.

*John McCormack é correspondente em Washington da National Review e membro do National Review Institute.

© 2020 National Review. Publicado com permissão. Original em inglês.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]