i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Conflito

Coreia do Sul rejeita proposta chinesa para debater crise

  • PorFolhapress
  • 28/11/2010 21:24
“Guerra coreana de novo? Não”, diz cartaz de protesto, na Casa Branca | Nicholas Kamm/AFP
“Guerra coreana de novo? Não”, diz cartaz de protesto, na Casa Branca| Foto: Nicholas Kamm/AFP

Incidente

Seul dispara por engano e avisa o Norte

Militares sul-coreanos acidentalmente dispararam um projétil ontem na tensa zona de fronteira com a Coreia do Norte. Em seguida, Seul enviou uma mensagem à Coreia do Norte informando que se tratava de um erro, informou a agência estatal Yonhap. O projétil caiu por volta das 15 h perto da vila sul-coreana de Daeseong-dong, sem provocar vítimas ou danos materiais.

O Ministério da Defesa pediu que os jornalistas abandonem a ilha bombardeada na última terça-feira, alegando preocupação com novos ataques durante as manobras militares entre a Coreia do Sul e os EUA, iniciadas ontem. "Neste momento, é imprevisível que tipo de ação provocativa a Coreia do Norte fará usando os exercícios conjuntos sul-coreanos e americanos como justificativa’’, diz a nota do ministério.

Durante o funeral dos dois militares mortos no ataque norte-coreano da última terça-feira, Seul falou em vingança. "Nós certamente vingaremos suas mortes", declarou Yoo Nak Joon, chefe de estado-maior da Marinha sul-coreana, com a foto dos soldados mortos. Foi a declaração mais dura até agora. O governo sul-coreano vem sendo criticado internamente pela lentidão na reação à Coreia do Norte.

Pequim - Em meio a exercícios militares com os norte-americanos, a Coreia do Sul rejeitou ontem proposta chinesa de realizar uma reunião de emergência do Grupo dos Seis (as duas Coreias, Japão, EUA, China e Rússia). O objetivo seria discutir a crise na região após a troca de disparos de artilharia da última terça-feira.

A Chancelaria chinesa convocou às pressas uma entrevista coletiva ontem à tarde para apresentar a ideia de um encontro no início do próximo mês, em Pequim. Wu Dawei, diplomata chinês encarregado do tema, defendeu a necessidade de "manter a paz e a estabilidade’’ na Península Coreana.

Pouco depois da entrevista coletiva em Pequim, o porta-voz da Presidência sul-coreana, Hong Sang-pyo, declarou que "agora não é hora para discutir’’ um encontro multilateral. Ele afirmou que a mesma proposta já havia sido rejeitada durante encontro de uma missão chinesa com o presidente Lee Myung-bak, ontem.

Como já sabiam da rejeição de Seul, a proposta foi uma tentativa chinesa de "salvar as aparências’’ em meio à pressão internacional para que Pequim atue para conter a Coreia do Norte, segundo analistas ouvidos pela agência estatal de notícias sul-coreana, Yonhap.

O chamado Grupo dos Seis foi criado em 2003, em meio a preocupações sobre o programa nuclear desenvolvido pela Coreia do Norte. As negociações estão paradas desde dezembro de 2008.

Jogos de guerra

Ontem, navios militares da Coreia do Sul e dos EUA deram início a quatro dias de exercícios militares na costa oeste da Península Coreana, cerca de 100 km ao sul da ilha Yeonpyeong, onde ataques de morteiros norte-coreanos mataram quatro sul-coreanos seis dias atrás.

Numa clara demonstração de força a Pyongyang, o exercício conta com a participação do porta-aviões USS George Washing­ton, gigantesca embarcação com 6 mil tripulantes e 75 aeronaves.

Trata-se também de um recado para o governo chinês de que, se não agir para conter o ímpeto da Coreia do Norte, a presença militar americana crescerá ainda mais na península. A presença americana na região desagrada a Pequim, por causa da proximidade com o seu litoral.

Em resposta às manobras, a Coreia do Norte divulgou um comunicado no qual, usando o tradicional tom belicista, ameaça "realizar um brutal ataque militar’’ caso seu território seja violado.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.