Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Em julho, centenas de cubanos saíram às ruas de Havana gritando “liberdade” em manifestações pacíficas, que foram interceptadas pelas forças de segurança e brigadas de apoiadores do governo, resultando em violentos confrontos e prisões.
Em julho, centenas de cubanos saíram às ruas de Havana gritando “liberdade” em manifestações pacíficas, que foram interceptadas pelas forças de segurança e brigadas de apoiadores do governo, resultando em violentos confrontos e prisões.| Foto: EFE / Ernesto Mastrascusa

Autoridades de Cuba negaram nesta terça-feira (12) a permissão, solicitada por ativistas opositores, para realizar um grande protesto pacífico no dia 15 de novembro em Havana e em outras cidades do país.

"As razões apresentadas para a manifestação não são reconhecidas como legítimas", argumenta um texto assinado pelos conselhos municipais e assembleias populares das localidades onde a petição foi emitida, entregue em resposta aos solicitantes.

O protesto foi interpretado como "uma provocação" que promove a "mudança de regime" em Cuba. As autoridades argumentam que, de acordo com a Constituição de 2019, o "sistema socialista" que reina no país há mais de seis décadas é "irrevogável".

Em Havana, os organizadores esperavam que cerca de 5.000 pessoas participassem da passeata.

Protesto contra a violência e pelos direitos de todos em Cuba

A manifestação seria "contra a violência, para exigir o respeito pelos direitos de todos os cubanos, a libertação dos presos políticos e a resolução das diferenças por meios democráticos e pacíficos", de acordo com o pedido.

Na declaração escrita, os organizadores exigiam o exercício dos direitos de reunião, manifestação e associação para fins lícitos e pacíficos estabelecidos na Constituição.

No entanto, as autoridades afirmaram que um direito constitucional "não pode ser exercido contra os outros direitos, garantias e postulados essenciais da própria Constituição, o que determina a natureza ilícita da passeata".

Em Cuba, os direitos à greve e à manifestação não são contemplados fora das instituições estatais, motivo pelo qual, se tivesse sido autorizada, a marcha de 15 de novembro criaria um precedente histórico.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]