i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Sem acordo

Egito põe fim a negociações sobre crise

Governo interino declarou que esforços de mediação internacional não funcionaram; há temor de uma nova espiral de violência no país

  • PorFolhapress
  • 07/08/2013 21:27
Camisetas com imagem do ex-presidente Mursi são expostas em ocupação na Praça Adawiya | Amr Abdallah Dalsh/Reuters
Camisetas com imagem do ex-presidente Mursi são expostas em ocupação na Praça Adawiya| Foto: Amr Abdallah Dalsh/Reuters

O governo interino do Egito, apoiado pelos militares, declarou ontem o fracasso dos esforços de mediação internacional para acabar com a crise política no país – culpando, em especial, a Irmandade Muçulmana, do presidente deposto Mohamed Mursi. O governo deu ainda um novo ultimato para que os aliados de Mursi acampados em duas praças no Cairo deixem os locais voluntariamente.

O premiê Hazem al-Beblawi ameaçou dispersar os manifestantes à força após o fim do Ramadã, mês sagrado para os islâmicos. Não ficou claro se o prazo para a retirada voluntária termina hoje ou junto com o feriado do Eid al-Fitr, no domingo. "A decisão aceita por todos de limpar os acampamentos é final e irreversível", disse Beblawi.

Mortes

Há o temor de que o endurecimento do discurso do governo leve a uma espiral de violência ainda maior no país. Desde o golpe que derrubou Mursi, em 3 de julho, mais de 250 pessoas morreram em confrontos de manifestantes com forças de segurança.

O secretário-geral do braço político da Irmandade Mu­çulmana, Mohamed el-Beltagy, deixou claro que os manifestantes não sairão das praças. "O que importa para nós é que haja uma conversa clara sobre nossa posição contra o golpe militar e a importância do retorno da legitimidade."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.