141452

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Mundo
  3. Empresa turca misteriosa ajudou Maduro a movimentar US$ 900 milhões em ouro 

venezuela

Empresa turca misteriosa ajudou Maduro a movimentar US$ 900 milhões em ouro 

A empresa turca Sardes começou os negócios importando cerca de US$ 41 milhões em ouro da Venezuela, a primeira transação desse tipo entre os dois países em registros que remontam a 50 anos

  • Bloomberg
Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, em visita ao ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, no Palácio Miraflores, em Caracas, em dezembro de 2018 | YURI CORTEZ/AFP
Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, em visita ao ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, no Palácio Miraflores, em Caracas, em dezembro de 2018 YURI CORTEZ/AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Dois meses depois de o ditador venezuelano, Nicolás Maduro, visitar seu colega Recep Tayyip Erdogan, em Ancara, na Turquia, surgiu uma misteriosa companhia chamada Sardes. 

A empresa começou os negócios de repente em janeiro de 2018, quando importou cerca de US$ 41 milhões em ouro da Venezuela, a primeira transação desse tipo entre os dois países em registros que remontam a 50 anos. No mês seguinte, seu volume mais que dobrou, com a Sardes transportando quase 100 milhões de dólares em ouro para a Turquia. 

Em novembro, quando o presidente dos EUA, Donald Trump, assinou uma ordem executiva que autorizava sanções ao ouro venezuelano – depois de ter advertido a Turquia sobre o comércio –, a Sardes transferiu US$ 900 milhões do metal precioso para fora do país. Nada mal para uma empresa com apenas US$ 1 milhão em capital, de acordo com documentos oficiais em Istambul. 

O porta-voz da Sardes não respondeu a um pedido de comentário. 

Não é a primeira vez que a Turquia se posiciona como uma solução para países que enfrentam sanções americanas, o que pode prejudicar os esforços de Washington para isolar governos considerados hostis ou corruptos. Ancara testou muitas vezes os limites da tolerância dos EUA, e agora a aliança entre os dois membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) está essencialmente danificada, de acordo com dois altos funcionários dos EUA. 

Leia também: Rússia começa a ter dúvidas sobre capacidade de Maduro em se manter no poder

Há muito tempo um dos parceiros mais valiosos dos Estados Unidos em uma região que atravessa a Europa e o Oriente Médio, a Turquia encontrou cada vez mais interesses comuns em países autoritários, como Rússia, China, Irã e Venezuela. Quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, declarou-se presidente legítimo da Venezuela no mês passado, os EUA e muitos outros países ocidentais se apressaram em declarar seu apoio a ele. A Turquia se alinhou com aqueles que defendiam a legitimidade de Maduro. 

Não está claro o que sustenta o apoio da Turquia a Maduro além de uma oposição geral à intromissão dos EUA e esforços para derrubar governos nominalmente democráticos. Erdogan enfrentou uma tentativa de golpe em 2016 e trabalhou sua imagem como o exemplo de líderes eleitos em todos os lugares, mesmo onde os votos foram amplamente considerados nem livres nem justos. Os laços econômicos entre as duas nações são apenas um fator: a Venezuela não está entre os 20 principais parceiros comerciais da Turquia, segundo dados compilados pela Bloomberg. 

Refino de ouro 

Mas isso não significa que Erdogan não possa usar a economia de US$ 850 bilhões da Turquia, a maior do Oriente Médio, para ajudar os amigos necessitados. O caminho de ouro da Sardes parece ter fechado em novembro, mas há outras avenidas.  

Erdogan viajou para Caracas em dezembro para apresentar o líder venezuelano a Ahmet Ahlatci, presidente de uma das maiores refinadoras de ouro da Turquia. No mês seguinte, o aliado próximo de Maduro Tareck El Aissami retribuiu com uma visita a um refinador de Ahlatci na cidade de Çorum, no centro da Turquia. A mídia pró-governo da Turquia informou que o ouro venezuelano seria processado lá. 

Isso nunca se materializou porque Ahlatci estava receoso de cair em sanções americanas, de acordo com uma pessoa com conhecimento direto da visita. Em vez disso, El Aissami pesquisou a tecnologia de refino para tentar replicá-la na Venezuela, segundo a fonte, que pediu para não ser identificada por causa da sensibilidade do assunto. 

Um executivo da Ahlatci estava entre os líderes empresariais que conheceram Marshall Billingslea, secretário adjunto do Tesouro dos EUA responsável pelo combate ao financiamento do terrorismo, que estava na Turquia em uma visita semestral, de acordo com um participante das reuniões. Billingslea alertou o grupo para evitar lidar com o que ele chamou de "ouro de sangue" de El Aissami, disse esta pessoa, pedindo para não ser identificada ao discutir uma reunião privada. 

Ahlatci não retornou as ligações da Bloomberg. Seu filho, Ahmet Metin, disse por telefone que a empresa "não comentará". 

Saiba mais: Juan Guaidó quer que a China veja como Maduro é ruim para os negócios

Relação com o Irã

A prioridade da Billingslea na Turquia não era a Venezuela, mas o cumprimento das sanções contra o Irã, segundo duas pessoas familiarizadas com o assunto. Algumas autoridades dos EUA disseram estar preocupadas com a possibilidade de haver uma conexão entre os dois, embora nenhuma evidência tenha sido apresentada até agora que sugerisse isso. 

Sob o regime de sanções, o Irã vende bilhões de dólares de combustível para a Turquia a cada ano, mas depois encontra a maior parte de seu dinheiro preso em contas bancárias turcas por causa das restrições internacionais para devolver o dinheiro a Teerã. Esquemas elaborados que envolvem o uso de ouro físico permitiram, no passado, que a República Islâmica financiasse seu comércio exterior. 

Mehmet Hakan Atilla, ex-chefe de serviços bancários internacionais da estatal turca Turkiye Halk Bankasi, foi condenado no ano passado em um tribunal de Nova York por participação em tal esquema. A Turquia diz que o caso se baseou em evidências fabricadas e nega as irregularidades. O país também diz que não é obrigado a cumprir sanções unilaterais dos EUA, as quais bloqueiam sua capacidade de negociar com vizinhos e outros parceiros econômicos. 

Turquia está do lado de quem: EUA ou Venezuela?

Dados oficiais tornam impossível saber onde o ouro venezuelano acabou depois de pousar na Turquia. O governo turco não revelou o paradeiro do ouro.

A assistência financeira da Turquia aos inimigos dos EUA é apenas uma das questões que prejudicam as relações outrora próximas. A Turquia também tem ameaçado enviar seus militares, o segundo maior da Otan, para atacar as forças curdas na Síria, apoiadas pelos americanos. Há também o impasse sobre o clérigo turco Fethullah Gülen, que vive na Pensilvânia (EUA). Na Turquia, ele é acusado pela tentativa de golpe de 2016,  mas os EUA até agora rejeitaram as tentativas turcas de extraditá-lo. 

Esta animosidade significa que as nações não podem mais ser consideradas amigas, deixando-as para negociar apenas numa base transacional, de acordo com os dois funcionários dos EUA, que pediram para não serem identificados discutindo tais assuntos. Embora Trump tenha, às vezes, adotado pulso firme para alinhar a Turquia às metas dos EUA – ele disse no mês passado que qualquer ação contra os curdos "devastaria a Turquia economicamente" –, outros funcionários dos EUA estão adotando uma abordagem mais moderada. 

Leia também: Guaidó denuncia que Maduro tenta enviar US$ 1,2 bilhão para o Uruguai

"O presidente Trump expressou seu interesse em expandir o relacionamento comercial entre os Estados Unidos e a Turquia, uma avenida consideravelmente mais lucrativa do que qualquer coisa que Maduro possa oferecer", disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Garrett Marquis. 

Ancara, por sua vez, está atenta às suas prioridades comerciais e de política externa, segundo Ozgur Unluhisarcikli, chefe do Fundo Marshall Alemão do escritório dos Estados Unidos na capital turca. Quando um confronto com os EUA sobre a detenção de um pastor norte-americano levou a sanções americanas contra dois ministros turcos no inverno passado, a lira turca entrou em parafuso e levou a economia à beira do colapso. O acidente provavelmente levou a Turquia à sua primeira recessão em uma década. 

"A Turquia na verdade não tem interesses estratégicos na Venezuela. Embora possa estar lucrando com o comércio de ouro, os retornos disso não devem justificar um risco político adicional que possa prejudicar a economia turca", disse Unluhisarcikli. "Em suma, a Turquia não está envolvida nesta luta e vai evitar uma escalada com os EUA quanto à Venezuela”.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE