i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Corrupção

Empresário venezuelano ligado a "escândalo da maleta" é condenado

Kauffman colaborou com o FBI e declarou-se culpado, assim poderá estar livre no começo de 2009. Antonini Wilson desembarcou em Buenos Aires com uma maleta de US$ 800 mil que seria entregue a presidente Cristina Kirchner

  • PorAgência Estado
  • 08/12/2008 18:26

Um empresário venezuelano que testemunhou no julgamento do seu ex-sócio, sobre corrupção no governo do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, recebeu uma sentença leve de prisão nesta segunda-feira (8), considerado culpado por ter ajudado a acobertar o "escândalo da maleta". Carlos Kauffman, de 36 anos, foi sentenciado a 15 meses de prisão nos Estados Unidos, pela juíza distrital Joan Lenard. Mas Kauffman, que se declarou culpado e colaborou durante meses com o FBI, a polícia federal americana, poderá estar livre já no começo do próximo ano, porque está preso há mais de doze meses.

Kauffman admitiu que ele e seu ex-sócio Franklin Durán - já julgado e condenado também nos EUA - pagaram subornos a funcionário do governo da Venezuela em troca de negócios lucrativos durante uma década.

Kauffman e Durán eram sócios na empresa Venoco Petroleum, que tinha como consultor o empresário venezuelano-americano Guido Alejandro Antonini Wilson.

Em 2007, em meio à campanha eleitoral na Argentina, Antonini Wilson foi flagrado no aeroparque de Buenos Aires (o aeroporto regional da capital argentina) com uma maleta contendo US$ 800 mil. O dinheiro, supostamente, seria da estatal venezuelana Petróleos de Venezuela SA (PdVSA) para a campanha eleitoral da então candidata à presidência, Cristina Fernández de Kirchner.

Antonini Wilson, que tem dupla cidadania venezuelana e norte-americana, também colaborou com o FBI e usou uma escuta. Ele vive em Key Biscayne, na Flórida. As informações são da Associated Press.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.