Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Quando se trata da China, todas as grandes corporações ficam em silêncio.
Quando se trata da China, todas as grandes corporações ficam em silêncio.| Foto: PPPSDavid/Pixabay

Parece que grande parte das corporações norte-americanas aprenderam a fina e apropriada arte da sinalização de virtudes, que é tão fundamental para a elite moderna “woke”.

Muito se tem falado sobre quantas corporações denunciaram publicamente a reforma eleitoral da Geórgia e ficaram "despertas" em muitas outras questões.

Um professor da escola de negócios de Yale disse no The Wall Street Journal que as corporações estão liderando um “quinto despertar espiritual na América”.

O que é particularmente irritante é a rápida tendência em direção ao ativismo corporativo "socialmente consciente" que apoia, quase universalmente, causas de esquerda defendidas pelo Partido Democrata, enquanto essas mesmas empresas poderosas fecham os olhos para as injustiças profundas que conflitam com seus interesses no exterior.

Em nenhum lugar isso é mais visível do que no relacionamento delas com a China comunista.

Na verdade, quando se trata da China, todas as grandes corporações parecem ter a mesma abordagem da estrela da NBA, LeBron James.

Veja, James foi um verdadeiro pioneiro – mas não como uma estrela do basquete.

Ele é o modelo para a cruzada superficial, vazia e sem consequências necessária para manter o status na elite aprovada pela mídia, enquanto protege implacavelmente os interesses financeiros pessoais em face das verdadeiras tiranias e injustiças.

É mais ou menos assim: Ao seguir o caminho mais fácil de ingressar em causas de justiça social de esquerda nos Estados Unidos, seja barulhento e ostensivamente uniformizado. Sobre o tema da China, um país que despreza a liberdade de expressão e se engaja no racismo sistêmico, não diga nada e diga a todos os outros para “calar a boca e driblar”. Há muito dinheiro em jogo!

Parece que grande parte das corporações norte-americanas estão operando agora com o mesmo manual do astro da NBA.

A reforma eleitoral da Geórgia, entre outras coisas, exige a identificação do eleitor para os votantes ausentes, acrescenta votação antecipada nos fins de semana antes das eleições e codifica o uso de urnas eleitorais.

Dificilmente isso é uma agenda radical.

Como já indiquei anteriormente, as denúncias das corporações sobre a lei eleitoral da Geórgia representaram pouco mais do que pontos de discussão superficiais em vez de críticas diretas. Muitos repetiram a narrativa da mídia de “supressão do eleitor”, sem explicar exatamente como isso funcionaria.

Alguém pode se perguntar: esses líderes corporativos ao menos leram a legislação ou simplesmente não se importaram nem um pouco com a verdade da questão antes de deturpá-la?

Sinalização de virtude ser analisar o conteúdo. Confere.

A China comunista, é claro, não é nem um pouco democrática. O povo recebe candidatos para votar no partido no poder. Mesmo assim, muitos desses funcionários “eleitos” nunca estão realmente sentados no Congresso nacional.

A China é uma ditadura que se inclina cada vez mais para o governo de um homem só.

Apesar de todas as denúncias contra a Geórgia e as ameaças de punir o estado, quase nada é dito por essas mesmas empresas sobre sua conexão com um regime autoritário que desrespeita de forma desenfreada os direitos mais básicos de seus cidadãos e coloca as minorias étnicas em campos de concentração.

Por exemplo, na mesma semana em que a Major League Baseball anunciou que mudaria seu All-Star Game de Atlanta, ela anunciou que havia estendido um acordo com uma empresa chinesa para se envolver mais no mercado chinês.

Imagino que a importância de proteger a “democracia” parou na fronteira dos EUA.

O CEO da Patagonia Inc., Ryan Gellert, denunciou a lei da Geórgia e convocou outras empresas a denunciá-la também.

“Convido outros CEOs a se unirem na denúncia desses ataques à nossa democracia e a fazer mais do que fazer uma declaração corporativa”, escreveu o CEO da empresa de roupas em um comunicado corporativo. “A força de nossa democracia depende de contar cada voto em todos os lugares, e devemos proteger o acesso às urnas.”

Em 2013, a Patagônia divulgou um comunicado sobre suas fábricas na China: “Decidimos não nos desligar dos países com base em suas políticas. Acreditamos na escolha sábia das fábricas e no envolvimento construtivo com outras pessoas para fazer lobby ou trabalhar pela mudança ”.

Como foi esse lobby por mudança?

Desnecessário dizer que a China não mudou. Na verdade, ela se tornou mais autoritária e poderosa.

A única mudança parece ser a política da Patagonia, que agora busca desengajar-se com estados que aprovam leis que os ativistas de esquerda não gostam.

A Patagônia anunciou em 2020 que cortará laços com a notória região de Xinjiang. Mas, como observou o comentarista conservador Dana Loesch no Twitter, a empresa ainda tem 13 fábricas na China como um todo.

Deve-se notar também que o problema não é com a província de Xinjiang em si, é com o regime comunista que está limpando etnicamente os muçulmanos uigures de Xinjiang e os usando para trabalho escravo.

Algumas empresas foram mais longe em seu apoio à China.

A Coca-Cola Inc., que tem sido uma das empresas mais vocais e proeminentes a denunciar a reforma eleitoral da Geórgia, trabalhou ativamente com a Câmara de Comércio dos EUA e outras grandes empresas, como Nike e Apple, para fazer lobby contra um projeto de lei que proibiria produtos importados feitos por trabalho forçado na região de Xinjiang.

“Xinjiang produz grandes quantidades de matérias-primas como algodão, carvão, açúcar, tomate e polissilício, e fornece trabalhadores para as fábricas de roupas e calçados da China”, relatou o New York Times em novembro passado.

“Grupos de direitos humanos e relatórios de notícias ligaram muitas empresas multinacionais a fornecedores locais, incluindo uma ligação entre a Coca-Cola ao açúcar de Xinjiang e documentaram trabalhadores uigures em uma fábrica em Qingdao que fabrica tênis Nike.

A Coca-Cola, a Nike, a Apple e outras empresas estão tão “despertas” que pagaram milhões de dólares para garantir que possam continuar a colher os benefícios dos produtos feitos literalmente por escravos coletores de algodão.

Busca implacável do interesse próprio em face da tirania e da injustiça. Confere.

Parece que muitos líderes corporativos não estão apenas dispostos a colaborar e usar seu poder coletivo para punir estados que aprovam leis semelhantes às da Geórgia, eles estão aparentemente dispostos a trabalhar ao lado de grupos importantes ligados ao Partido Democrata também.

O colunista da National Review, Dan McLaughlin, escreve sobre esse acordo: “Você pode chamar isso de muitas coisas, mas está muito longe da operação de um mercado livre de bens, serviços ou ideias”.

A invasão das grandes empresas “woke” está se formando há muito tempo. As ações hipócritas em relação à China revelam sua superficialidade.

Isso não significa que esta não seja uma tendência profundamente preocupante com sérias consequências para nossa sociedade livre.

Jarrett Stepman é um colaborador do The Daily Signal e co-apresentador do podcast The Right Side of History.

© 2021 The Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês.
8 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]