Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Último dia da visita de Obama coincide com os 40 anos do golpe militar apoiado pelos EUA que deu início à ditadura argentina. | HO/AFP
Último dia da visita de Obama coincide com os 40 anos do golpe militar apoiado pelos EUA que deu início à ditadura argentina.| Foto: HO/AFP

A chegada do presidente Barack Obama à Argentina – logo após uma visita histórica a Cuba – deveria mostrar como o governo de Mauricio Macri é amigável com os Estados Unidos e dar espaço para Buenos Aires conquistar um papel importante nas questões que dizem respeito ao hemisfério sul. Mas os atentados em Bruxelas acabaram desviando as atenções da visita.

Ainda assim, a eleição de Macri no dia 22 de novembro representa uma oportunidade para a melhoria das relações entre os EUA e a Argentina, que haviam se deteriorado no governo da presidente Cristina Kirchner.

Cristina, que esteve no poder entre 2007 e 2015, e seu marido Nestor, que ocupou a presidência nos quatro anos anteriores, eram ambos peronistas e discordavam dos oficiais americanos em assuntos que iam desde questões comerciais até a dívida da Argentina para com credores dos EUA.

Agora com o Brasil numa crise econômica e política dessas, o sucesso ou fracasso da Argentina é o que vai definir que alternativa teremos quando se olha para o modelo brasileiro, o modelo venezuelano e o argentino.

Harold Trinkunasdiretor da Iniciativa Latino-Americana da Brookings Institution (organização de políticas públicas sem fins lucrativos).

Macri venceu a última eleição com apenas 51% dos votos, o que significa que o eleitorado continua dividido entre os que procuram uma abordagem mais centrista para o governo e os que apoiam uma postura mais combativa e de esquerda, na linha de nações como a Venezuela.

Como resultado, Macri visa uma abordagem que pode casar melhor com os interesses dos EUA, mas que não estará alinhada explicitamente à sua administração.

Harold Trinkunas, diretor da Iniciativa Latino-Americana da Brookings Institution, disse que “embora o pessoal em Washington esteja otimista e entusiasmado com a eleição de Macri, nós não iremos voltar à política do alinhamento automático”.

Por mais que a administração estivesse disposta desde o início a adotar Macri, em todo caso, a preocupante crise política e a epidemia de zika no Brasil fizeram com que, para os EUA, houvesse uma urgência ainda maior para convocar outro grande aliado na América do Sul.

Tradução de Adriano Scandolara.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]