i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Pressão

EUA vão ampliar sanções à Coreia do Norte

Restrições a comércio de armas e acesso à tecnologia têm como meta impedir o avanço do programa nuclear do país comunista

  • PorFolhapress
  • 21/07/2010 21:23
Hillary Clinton e Robert Gates usam binóculos para observar território da Coreia do Norte, em Panmunjon, do lado sul-coreano: fronteira sob tensão | Mark Wilson/AFP
Hillary Clinton e Robert Gates usam binóculos para observar território da Coreia do Norte, em Panmunjon, do lado sul-coreano: fronteira sob tensão| Foto: Mark Wilson/AFP

Cerco

Sanções e incentivos econômicos não interromperam o programa nuclear norte-coreano.

Sanções em vigor

Nações Unidas

- Resolução 1.718 - Aprovada após o 1º teste nuclear norte-coreano, impõe restrições para a obtenção de financiamento e comércio de armas e bens de luxo.

- Resolução 1.695 - Aprovada em julho de 2006, após lançamento de míssil norte-coreano, proíbe comércio de material, tecnologia e financiamento que possam ser usados em programas de armas de destruição em massa. Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul controlam transações com o país envolvendo embarcações norte-coreanas.

- Resolução 1.874 - CS autoriza inspeção de qualquer carga que tenha a Coreia do Norte como destino ou origem, inclusive em águas internacionais.

Estados Unidos

- O país proibiu relacionamento bancário e comercial relacionado a armas comuns e nucleares, maiores instituições financeiras da Coreia estão incluídas.

- Importações vindas da Coreia do Norte precisam de aprovação.

A nova proposta

- Reforça o cerco a qualquer atividade de lavagem de dinheiro que possa estimular o programa nuclear do país e também armas comuns e bens de luxo.

Japão

- Renovadas em abril deste ano, proíbe qualquer relação comercial com a Coreia do Norte, mas não veta cidadãos desse país.

Fonte: Folhapress

Reação

China pede calma e moderação

O governo da China manifestou preocupação com a adoção de novas sanções contra a Coreia do Norte. "Pedimos que as partes se mantenham calmas e exerçam a moderação, e não façam nada para exacerbar as tensões regionais", disse Qin Gang, porta-voz da chancelaria chinesa, em nota. Pequim é o maior aliado de Pyongyang.

Autoridades chinesas afirmaram, ainda, estar preocupadas com o exercício militar conjunto que tropas americanas e sul-coreanas planejam realizar no próximo domingo. O secretário de Defesa americano, Robert Gates, respondeu sugerindo que EUA e China deveriam retomar as relações militares.

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, afirmou ontem, em visita à aliada Coreia do Sul, que o seu país imporá novas sanções unilaterais ao regime de Kim Jong-il com intuito de minar o programa nuclear norte-coreano e "desmotivar outros atos de provocação’’.

As sanções, disse Hillary em Seul, têm como alvo a venda e compra de armas e materiais relacionados, além da aquisição de itens de luxo, usados para cooptar a elite.

O país também aumentará os esforços para "identificar, pressionar e bloquear negócios com entidades norte-coreanas envolvidas na proliferação nuclear e outras práticas ilícitas no exterior’’.

Dado o já profundo isolamento norte-coreano, analistas questio­­nam os possíveis efeitos de sanções.

Há alguns anos, foram congeladas as operações do Banco Delta Asia, onde a maioria da elite norte-coreana tinha contas. Mais tarde, o governo de George W. Bush (2001-09) concordou em liberá-las na tentativa de estimular o diálogo nuclear.

O anúncio das sanções foi acom­­panhado de uma rara visita de Hil­­lary e do secretário da Defesa, Ro­­bert Gates, à área desmilitarizada entre as Coreias, de onde se pode ver o território norte-coreano.

Gates disse que, com a visita, queria "enviar um forte sinal ao Norte, à região e a todo o mundo de que o nosso compromisso com a segurança da Coreia do Sul é firme’’. "Nossa aliança militar nunca foi tão forte e deve ser capaz de deter qualquer potencial agressor’’, afirmou.

Naufrágio

Esse movimento de pressão sobre o Norte acontece quase quatro meses após o naufrágio do navio Cheonan, que matou 46 sul-coreanos. Seul culpa Pyongyang, que nega qualquer agressão.

Os EUA, porém, têm de pressionar Kim sem irritar a principal aliada dele, a China. Por pressão dos EUA, o Conselho de Segurança da ONU já aprovou uma condenação ao naufrágio, porém, por pressão da China, que é membro permanente, com poder de veto, não mencionou eventuais culpados.

Ontem, em declaração co­­mum, os americanos e seus homólogos sul-coreanos recordaram que "provocações militares irresponsáveis’’ são uma ameaça à frágil estabilidade na região.

Os dois países continuam, tecnicamente, em trégua, e não em paz, desde a Guerra da Coreia, há 60 anos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.